28 maio 2013

Séries: Castle


Terminando a temporada da maioria das séries que assisto e percebi que algumas das mais queridas não ganharam post meu comentando-as. Decidi então tentar, esta semana, reverter esta falta e vou começar por Castle, uma das minhas séries preferidas.

Já comentei que algumas das séries que se tornaram mais queridas pra mim eu hesitei um pouco pra começar a ver? Então, pois é. E Castle é uma delas. 

Eu via toda semana postagem dos episódios nos sites, via que Nathan Fillion, o protagonista, ganhava prêmios e prêmios escolhido como melhor ator pela audiência, mas achava que a série era boba, bestinha demais. "E outra policial?!"

Um dia, sem nada pra ver, baixei um episódio e gostei. Aí baixei outro... e outro... e outro... Me apaixonei!

Richard Castle é um escritor de romances policiais que se vê envolvido com a polícia quando um assassino mata suas vítimas como personagens dos livros dele. Procurado pela detetive Cate Beckett, de cara ele - mulherengo! - se encanta e, usando de sua influência, consegue acompanhar a policial em suas investigações.

O que faz a série diferente, principalmente, é o enorme carisma de Fillion na pele de Castle, que é uma figura divertida, com loucas idéias sobre motivações para crimes - no que inclui acreditar que Papai Noel, ETs, monstros e fantasmas estão envolvidos em muitos deles -, um lado fofíssimo revelado principalmente com a filha adolescente e um homem que vai mudando, ao longo das temporadas, ao se ver apaixonado.

Além de tudo, ele é todo bonitão e divertido também na vida real! (Uma amostra aqui, com ele de kilt, dando uma entrevista)

Os outros personagens são ótimos também, desde Beckett - a linda Stana Katic - até Jon Huertas e Seamus Dever, que fazem a outra dupla policial, Esposito e Ryan.

Eu, que não sou fã de sangue, tiroteio e pancadaria, vejo Castle porque sei que vou me divertir. Vou rir, vou ficar chutando quem é o bandido, vou me emocionar em outros momentos...

A série já terminou sua quinta temporada, que teve algumas novidades esperadas desde o começo, e já foi renovada para a sexta!

Suuuper recomendo!

Faço download no Baixando Fácil.

26 maio 2013

11 fatos sobre mim - que talvez você não saiba


A queridíssima Patrícia, do Ah, Coimbra! me passou este meme e eu adorei! 

(Dêem uma olhada no blog da Paty! Vale muito a pena! Ela tá fazendo mestrado em Coimbra, Portugal e conta por lá suas experiências e impressões pela primeira vez fora de casa, em um país distante, além de passar dicas valiosíssimas para quem quer estudar na terrinha!

Bom, vamos aos fatos!

1- Tenho medo de morrer sozinha e demorarem pra encontrar meu corpo.
De verdade. Quando leio sobre aquelas pessoas que morreram e dias depois o corpo foi encontrado, tenho este medo. Acho que, na verdade, o medo é de morrer sem ninguém por perto, sofrendo. Meio irracional, pouco provável, talvez, mas tenho!

2- Sou mais debochada do que gostaria.
Algumas pessoas se ofendem com isso mas é algo que tento controlar :$

3- Já chorei assistindo Jim Carrey.
Foi aí que confirmei que, sim, eu choro com muita facilidade.

4- Sofri o que hoje chamam de bullying na infância e carrego trocentos traumas por conta disso.
Dia desses, em sala de aula, comentávamos sobre bullying e um dos alunos disse que agora tyudo é bullying, que antigamente ninguém dava esse nome e todo mundo era vítima de zoação. Minha pergunta foi: "e as pessoas não sofriam?". Eu sofri bastante e, com psicólogos, percebi que carrega vários complexos por conta disso até hoje. Hoje só tem nome. Doer, doía do mesmo jeito!

5- Adoro ir ao cinema sozinha!
Amo! Adoro acompanhada, mas, sozinha, me faz sentir tão dona de tudo! A invenção de Hugo Cabret, se não me engano, fui a única na sala de cinema e isso foi bom demais!!

6- Morro de medo de perder um dente.
Esse medo eu acho tragicômico. Nunca perdi um dente que não precisasse perder - tipos os de leite e os sisos - e sempre, sempre tive medo de perder um dente com uma pancada ou até mesmo quando estou fazendo manutenção do aparelho ortodôntico. Meu dentista acha graça e repete: "Sheila, seu dente é duro pra que eu consiga arrancá-lo assim." E eu sei! Mas quem disse que consigo racionalizar isso??

7- Sou canhota.
Pois é. Algumas poucas coisas eu faço facilmente com a mão direita mas, no geral, a segurança que minha mão esquerda oferece é única. Mais inteligentes os canhotos? Sei não... rsrs

8- Rio quando estou nervosa.
Incontrolável! Já fui de tremer também mas há tempos isso não acontece.
 
9- Adoro orelhas!
Adoro! Adoro pegar, ficar fazendo carinho... Acho orelha uma coisa muito gostosa!

10- Costumo me perder quando falo muito. 
Eu faço umas digressões e não sei voltar pro começo! Super-normal eu falar, falar, falar e, depois, perguntar: "o que eu tava falando?" ou "esqueci o que eu tava dizendo." Normal, os mais próximos convivem pacificamente com isso.



11- Era exímia imitadora do Geléia, d'Os Caça-fantasmas
Não sabe quem é? Clique aqui e escute a partir dos 3:35 min. Rever me fez rir sozinha aqui, pelo personagem e por me imaginar imitando! hahah


23 maio 2013

Agora sou English teacher



Se 10 anos atrás alguém me falasse que eu seria professora, eu riria. E, para não parecer sem educação, explicaria que não tinha didática pra isso, nem paciência nem a mínima vontade.

Mas o mundo dá voltas. Em 2006 voltei pra faculdade pra estudar Português e Espanhol e, depois de poucos meses de ceticismo, dar aulas já não me parecia algo tão absurdo, pelo contrário, via como algo que podia ser apaixonante, enriquecedor e interessante.

Agora, em 2013, enquanto esperava ser chamada para dar aulas de Espanhol pelo estado, acabei virando professora de Inglês! Já tinha dado aulas particulares de inglês e nem cheguei a pensar nisso como algo profissional, mas, pintando a oportunidade - em um momento em que eu buscava um segundo emprego pra melhorar a renda -, resolvi aceitar.

Fui contratada pelo Senac de Foz, primeiramente, para dar aulas para duas turmas, uma da Polícia Militar e uma da Guarda Municipal. Como os alunos se candidataram às vagas, ou seja,estão fazendo o curso porque querem, o interesse é enorme e não tenho sofrido com indisciplina ou má vontade. Tenho me sentido desafiada e gostado muito do trabalho!

Ter uma chefe super-querida tem me ajudado muito a equilibrar os vários horários e conseguir fazer tudo direitinho.

O lado menos bacana é que, desacostumada com o tamanho da correria, meu corpo tem sofrido mais do que a minha mente, mas nada assustador e hoje já está bem melhor do que no começo. De qualquer forma, virei mais dorminhoca e caseira do que já era!

Espero que tudo siga funcionando! E que venham mais aulas!