30 março 2011

Altos papos



Não sei fazer esse vídeo caber aqui no espaço que tenho, mas dei tanta risada com a "conversa" desses gêmeos que TINHA que dividir com vocês!



25 março 2011

Hora do planeta


Já ouviu falar na Hora do Planeta

Ele é um ato simbólico mundial, criado e promovido pela WWF - World Wildlife Fund - e que este ano acontecerá amanhã, sábado, das 20h30 às 21h30.

Nesta hora, governos, empresas e gente como a gente se compromete a apagar as luzes como forma de demonstrar sua preocupação com o aquecimento global. Ano passado mais de 1 bilhão de pessoas em 4616 cidades, em 128 países aderiram a campanha!

E você pode pensar: "grande diferença vai fazer um pessoalzinho apagar a luz 1h em um único dia do ano". Bom, eu acredito na história da pombinha que achou importante a sua ajuda pra apagar o incêndio na floresta e acho que, se todo mundo aderir e, mais importante, se mudarmos pequenos hábitos nossos de cada dia, a gente pode deixar a Terra um tiquinho melhor pros nossos filhos, sobrinhos, netos...

Vá olhar as estrelas, vá jantar à luz de velas, vá namorar - que inveja! hahaha - vá tirar um cochilo antes da balada... O importante é fazer a sua parte ;)

Pra quem quiser saber mais e ver um vídeo lindo, visite o site da campanha: http://www.horadoplaneta.org.br/

24 março 2011

Sugestão de loja no Paraguai NOT

Não lembro de ter postado aqui algo que não foi escrito por mim. No entanto, hoje recebi um email da minha irmã contando de uma experiência negativa de compras no Paraguai e achei interessante mostrar aqui no blog porque tenho percebido - graças ao Feedjit, que muito mais gente do que eu imagino, visita o blog e o alcance pode ser maior do que o de um email mandado pra amigos e parentes.

Segue o email da Flávia:

"Prezados,

Gostaria de informar uma situação que ocorreu comigo na loja UNISHOP no Shopping Del Este.

No dia 28 de dezembro de 2010, fomos ao shopping del este que é muito recomendado por ter garantias nos produtos.

Chegando lá meu marido comprou um celular de quase R$ 300,00 nessa loja UNISHOP.

Acontece que na hora que ele foi retirar o celular o pessoal que testa as mercadorias viram que ele não funcionava.

Nesse momento meu marido disse que não queria mais comprar e preferia que eles devolvessem o dinheiro, mas ao invés disso, lhe deram outro celular de 4 chips, alegando que era melhor que outro, etc, etc,etc.

Acontece que no começo de março as teclas do celular pararam de funcionar e levamos na loja para consertarem ou trocarem já que ele estava na garantia de 6 meses.

Deixamos o celular na loja para o conserto, mas qual foi nossa surpresa quando depois de 10 dias o gerente da loja nos informou que o celular não tem conserto, que não nos daria outro e mais: que não devemos comprar celulares feitos na China pq não prestam. A solução encontrada pelo gerente é que ele nos venderia outro celular no preço de custo.

Duas questões:

1 - Pq eu compraria outro celular naquela mesma loja se o meu ainda está na garantia?

2 - Se os celulares da China não prestam, pq eles vendem? Afinal a loja fica num shopping, não é um camelô.

Por último fui reclamar na administração do shopping e eles me informaram que não se entrometem nas negociações feitas no interior do mesmo.

Passado meu recado, tirem suas próprias conclusões.

O comércio no Paraguai um dia tem que deixar de ser sem lei.

Flávia Mass."

Particularmente não tive ainda coragem de comprar celular no Paraguai.

Tenho dois chips e dois aparelhos, um simplésimo da Nokia - aquele mais baratinho, mais chulé - e outro de segunda mão. Tô ensaiando há semanas comprar um aparelho que comporte os dois chips, mas não arrisco comprar lá porque não conheço ninguém que tenha um aparelho celular comprado no Paraguai e que tenha durado mais de 1 ano - tô falando, claro, das marcas que chamamos de "capeta", aquelas desconhecidas, não de aparelhos Samsung, Motorolla, Iphone e outros!

Mas a questão pra mim, maior do que o produto ser porcaria é o atendimento ser porcaria! Eu não compro revista na banca perto da minha casa porque eles atendem mal, não compro em certa loja de Foz - A Gaúcha - porque já me senti destratada. No caso do meu cunhado, o produto poderia ser ótimo, mas um gerente não deveria jamais fazer pouco-caso da reclamação - justa! - de um cliente!

Fica aqui então a dica de evitarem a tal Unishop em Ciudad del Este ;)

23 março 2011

Elizabeth Taylor (1932-2011)


Elizabeth Taylor foi uma das primeiras atrizes que eu aprendi o nome, ainda criança. Chorei um monte com ela, Roddy McDowall e a Lassie em Lassie come home, na Sessão da Tarde. A identificava como a única pessoa no mundo com olhos cor de violeta - depois conheci ua Vikki, com olhos violeta também, e descobri que a Liz Taylor não era a única, mas isso não diminuiu sua beleza pra mim.

Mais tarde, conhecendo um pouco da sua história, admirei-a pela amiga fiel que foi de Montgomery Clift no período mais negro da vida dele depois que ficou desfigurado por conta de um acidente de carro - saindo de um jantar na casa dela. Nos anos 80 ela foi novamente uma amiga fiel, agora de Rock Hudson e, depois de sua morte, se tornou a primeira pessoa famosa que eu ouvi falar de AIDS quando eu nem sabia direito o que era isso.

Admirei-a como a mulher que buscou tantas vezes o amor, me emocionei com a história do seu casamento com Mike Todd que acabou tragicamente com a morte dele e, romântica, entendi as idas e vindas da sua relação intempestiva com Richard Burton.

Tive pena dela com a saúde sempre frágil, com problemas desde muito nova - os de coluna começaram, dizem, ainda criança, depois que caiu de cavalo em uma cena de A mocidade é assim, de 1944.

Sempre a imaginei com um coração gigante, alguém muito especial.
Pra mim, com ela, termina uma fase única de Hollywood. Não lembro de nenhuma atriz com o brilho dela ainda viva.

Que bom que ela deixou uma filmografia gigante pra ser sempre lembrada :)

Los autoservicios de Ciudad del Este



Não sou uma moradora de Foz do Iguaçu que fala um monte do Paraguai - Ciudad del Este -, sou? Até porque eu não ando muito por lá, mesmo que, maldosamente, algumas pessoas - oi Rubens, oi Alex - fiquem insinuando que sou muambeira! :P

Bom, mas domingo eu tava de folga e minha mãe sugeriu que fôssemos dar uma olhada nas lojas de autoserviço que têm por lá e que ficam abertas aos domingos, até o meio-dia. A gente pensou direto na única que costumamos ir, a gigante América - não confundir com a Casa Americana! -, onde você encontra praticamente de tudo!

Eu fui com a intenção de comprar um fone de ouvido bom pro meu MP3 - isso mesmo, MP3! -, pilhas palito recarregáveis, ver os adesivos de parede que vendem lá, ver uma bolsinha pra lápis, canetas e afins - e bisoiar geral. Encontrei as coisas que eu queria e por preços excelentes, acredito: as 4 pilhas Panasonic custaram R$ 12,50, o fone Sony custou R$ 9,50. A bolsinha pra lápis - com uma chique estampa Burberry "wannabe" R$ 0,69. Ainda comprei uma vasilhinha pra Azeitona, essa bolsa linda vermelha com ares de Chanel pra presentear uma tia de aniversário essa semana - por R$ 18,50 - e um espelhinho fofo que dei pra minha mãe e que custou R$ 4,50.

Bom, aí resolvemos conhecer a BBB - de "bom, bonito e barato", claro, não de Big Brother Brasil. Como todas as lojas de autoserviço em Ciudad del Este os preços são em Real e, acreditem, eu comprei 2 cartelas de adesivo de parede - estes da foto - que parecem flores de cerejeira por R$ 1,75 cada! Quando o moço me disse o preço achei que ele tinha errado e esperei por pagar mais no caixa. Mas era isso mesmo: R$ 1,75 por adesivos lindos!

As vantagens, além dos preços, são que muitos produtos são brasileiros - e a gente vê o ridículo de pagar impostos altos quando comprar uma coisa brasileira fora do Brasil acaba sendo mais barato - e outra vantagem é que em todas as lojas você pode testar o que compra e, no geral, encontramos coisas de qualidade. Claro que tem as tranqueirinhas chinesas, mas onde não tem, gente do Céu??

E, repito, tem de tudo: de lanterna a porta-retrato, de lixeirinha a helicóptero de controle remoto, de agenda a frigideiras Tramontina.

Uma das coisas que fazem valer a pena comprar no Paraguai. Adoro!!

22 março 2011

Séries: Dexter



Desde o começo do ano tô vendo Dexter mas acabei não contando aqui - até porque eu andava contando pouca coisa... :$

Dexter é o tipo de série que se eu contar pra muita gente que vejo as pessoas vão se surpreender e dizer que não parece o tipo de coisa que eu veria - minha mãe falou isso, por exemplo.

Mas eu vejo. E gosto. E sem culpa - o que não quer dizer que tenha uns sobressaltos em alguns episódios e aperte o fast-forward pra não ver umas cenas.

Porque o Dexter, personagem-título da série, interpretado por Michael C. Hall, é um serial killer que trabalha na polícia de Miami e que, nas horas vagas, mata criminosos que a polícia não conseguiu prender mas que são com certeza assassinos. Isso faz o nosso herói (?!) matar sem remorso, mesmo que tenha suas crises de consciência, até porque, nas duas temporadas que vi - estou na terceira - sempre tem alguma descoberta do seu passado que o faz questionar o que faz e porquê faz.

Desnecessário dizer que tem morte em tudo quanto é episódio, além de sangue. Mas também tem um protagonista carismático e charmoso. Eu acelero o que não quero ver e vejo só o que me interessa.

O resto do elenco também é bem bacana e o meu personagem preferido depois do Dexter é o Ángel- David Zayas -, policial gente boa que dá vontade de ter como amigo.

Ah, outra coisa bacana é conhecer Miami. Quando criança, um dos meus sonhos era ir pra Disney. Hoje eu acho que, se visitasse algum lugar da Flórida, trocaria Orlando e os parques por Miami.

Recomendado pra quem tem estômago forte ou é frio mesmo e não tá nem aí com cenas de esquartejamento e tals.

21 março 2011

Surprise, surprise!


(Adoro a Lucille Ball!)

Mas vamos ao post.

Ontem inventei de instalar o tal do Feedjit pra saber quem passava por aqui. Gente, juro que levei um susto por ver tanta gente de tanto lugar visitando o blog! Pra mim só quem andava por aqui era quem seguia o Pensamentos "y otras cositas" e um pessoal que de vez em quando faz uma visitinha pra ver se tudo anda nos conformes 8-)

Mas eu vejo gente de tanto lugar onde não tem seguidor do blog! Fiquei super-feliz, claro! A impressão que tenho muuuuitas vezes é que, como dizia um professor meu, eu falo "cas parede". Mas aí, vendo gente descobrindo o blog pelo Google, ou pelo Bing - meu, eu nem gosto desse Bing, achava uma porcaria, ATÉ AGORA, claro! - fiquei muito feliz porque falo/escrevo, pra quem realmente lê!

Aliás, eu não falei isso ainda, mas quero dar as boas vindas ao pessoal mais recentemente chegado. Espero que estejam gostando. E aí é outra surpresa ver que o blog já tem 93 seguidores!! Nunca pensei em ter tanta gente me lendo, sinceramente. Obrigada, viu?

Bom, o Feedjit aqui é um trial, acho que só funcionará durante uma semana e depois eu terei que pagar, o que significa que ele vai embora, porque eu sou muito canguinha com certas coisas e acho que essa é uma das coisas bacanas mas que não valem meu rico dinheirinho convertido pra dólar - bom, podia ser pior, podia ser pra Euro, ou pra Libra Esterlina...

Anyways, vou curtir enquanto ele está por aqui porque é muito legalzinho mesmo!


20 março 2011

Pienso en tí

Acordei com uma saudade gigante hoje e com essa música da Shakira na cabeça. Só não vou colocar um vídeo aqui porque não gostei de nenhum que vi. Não tô com aquela saudade deprê, chorosa, morrendo e tals. Só sentindo muito a falta - ok, isso não é coisa pouca...

Cada día pienso en tí
Pienso un poco más en tí
Despedazo mi corazón
Se destruye algo de mí
Cada día pienso en tí
Pienso un poco más en tí

Cada vez que sale el sol
Busco un algo de valor
Para continuar así

Y te veo así no te toque
Rezo por tí cada noche
Amanece y pienso en tí
Y retumba en mis oídos
El tic-tac de los relojes
Y sigo pensando en tí
Y sigo pensando.



15 março 2011

Vi: O discurso do Rei


Eu adoro coisas relacionadas à realeza! Provavelmente começou quando colocaram uma tevê na escolinha em que eu estudava o pré-primário pra vermos o casamento do Príncipe Charles e da Princesa Diana. Eu tinha 6 anos.

Leio tudo o que encontro sobre a última família real russa, por exemplo e, hoje em dia, de vez em quando, acho bacana entrar em uns sites europeus que falam das famílias reais por lá e ler informações que não mudarão em nada minha vida. Mesmo assim, fiquei feliz de estar de férias em abril e poder ver sossegada o casamento do Príncipe William e de Kate Midleton.

Nada mais natural, então que, fã de cinema e de realeza, eu quisesse assistir O discurso do Rei (The king's speech, Inglaterra, 2010) e conhecer um pouco da história do Príncipe George VI, pai da Rainha Elizabeth II.

A narrativa começa em meados da década de 1930. O futuro rei da Inglaterra, batizado como Albert - o tudo de bom Colin Firth - era o segundo na linha de sucessão. Desde criança ele desenvolvera uma gagueira que, se já é um problema pra qualquer pessoa, imaginemos pra um príncipe. Sua esposa - Helena Bonham-Carter - resolve tentar ajuda com um terapeuta australiano - Geoffrey Rush - que se utiliza de métodos pouco convencionais que, no entanto, mostram-se válidos no caso do príncipe. Os dois acabam desenvolvendo algo próximo de uma amizade - porque realeza não é de se misturar, né? rsrs

As coisas complicam quando o irmão mais velho de Albert, poucos meses depois de assumir o trono britânico, renuncia para poder se casar com a namorada, uma mulher mais velha do que ele, estadunidense, e que está em seu segundo divórcio. Albert é coroado como George VI e fica à frente do seu império durante um dos períodos mais negros da história recente britânica, a II Guerra Mundial.

O filme é bem feitinho, os atores, todos, estão bárbaros e gostei bastante. Era como eu esperava. No entanto, em ano de muitos filmes bons, dar-lhe o Oscar foi sem graça, previsível e óbvio demais. Mas nem essa "injustiça" tirou a graça do filme pra mim.

Adorei O discurso do Rei e super o recomendo!

12 março 2011

Vi: O túmulo dos vagalumes


O túmulo dos vagalumes -Hotaru no Haka, Japão, 1988 - conta a história de Seita, um adolescente e sua irmãzinha Setsuko, que se vêem sozinhos no mundo depois que a mãe morre em decorrência de ferimentos causados durante um bombardeio à cidadezinha deles no Japão durante a II Guerra Mundial. Primeiro eles vão viver na de uma tia que quando não recebe mais ajuda financeira deles começa a destratá-los. Seita resolve então levar a irmã para irem viver em um antigo abrigo anti-aéreo.

Mas a vida em tempos de guerra, sem notícias do pai que é oficial da Marinha, e sem dinheiro, não é fácil e não demora para tudo ficar cada vez mais complicado para os irmãos...

O que escrevo aqui é mais ou menos o que escrevi no meu grupo de cinema do Yahoo! porque é difícil até relembrar o filme, que terminei de ver muito emocionada, com o peito apertado e, claro, chorando, tocada pelos personagens, com o amor do irmão maior, um piazinho, um moleque, que tenta preservar sua irmã de toda a maldade e mesquinhez do momento em que vivem.

A gente costuma sempre ver filmes que contam o lado dos vencedores das guerras. Quantos filmes japoneses ou alemães, ou até mesmo italianos, vemos sobre a II Guerra Mundial? E quantos estadunidenses? A gente pode falar em mocinho e bandido em uma guerra? A gente não mensura sofrimento, mas eu tendo, nesses episódios, a simpatizar mais com quem perdeu do que com quem "ganhou".

O túmulo dos vagalumes é uma das coisas mais lindas, tocantes e tristes que eu já vi sobre a II Guerra Mundial!

Pensando bem, conhecer a versão dos mais novos sempre é a mais comovente - vide O diário de Anne Frank e outras obras narradas por crianças falando de guerra.

O túmulo dos vagalumes já se tornou um dos meus filmes preferidos de sempre.

P.S.1: Ao procurar um pôster do filme pra ilustrar o post, descobri que em 2008 foi lançado outro filme baseado no mesmo livro, mas desta vez com atores de carne e osso.

P.S.2: Aproveitando que falamos de Japão em momento de sofrimento no passado, vamos mandar pensamentos positivos e preces pra este povo que, mais uma vez, passa por um momento tão delicado e doloroso!

"Vi" de volta


Há bastante tempo eu parei de postar sobre os filmes vistos porque estava vendo mais filmes do que o normal, curiosamente em uma época em que não tinha muito tempo/vontade de escrever aqui. Aí criei, aqui do lado, a listinhaz  dos 10 últimos filmes vistos.

Bom, as coisas se acalmaram e achei que deveria voltar a falar dos filmes que vi, porque são duas coisas que gosto, filmes e o blog.

Hoje é aquele dia corrido de dar uma última olhada na aula de Evangelização e passar praticamente a tarde inteira no Centro, com meus pré-jovens, mas ainda hoje pretendo postar sobre O discurso do Rei, que vi ontem, e O túmulo dos vagalumes, uma animação japonesa com uma história de emocionar os mais durões.

Então, até mais ;)

Imagem: Full Fiction.

08 março 2011

Carnaval? Não, obrigada!



Já tinha ouvido algo sobre este vídeo e, finalmente, o encontrei!

Parabéns a Rachel Sheherazade pela coragem de ir contra a maré de micos de circo da imprensa que, nesta época do ano, exaltam uma festa recheada de excessos negativos e equívocos.

E obrigada por ser a voz de todo mundo que, como eu, não vê graça no Carnaval.

(Particularmente - e não gosto dessa palavra que usarei em seguida, mas... - detesto Carnaval!)

02 março 2011

Poema da Gratidão


Tava preparando minha palestra deste mês no Centro e lembrei deste poema/prece lindíssimo e quis dividi-lo com vocês:

Senhor Jesus, muito obrigada!
Pelo ar que nos dás,
Pelo pão que nos deste,
Pela roupa que nos veste,
Pela alegria que possuímos,
Por tudo de que nos nutrimos.

Muito obrigada, pela beleza da paisagem,
Pelas aves que voam no céu de anil,
Pelas Tuas dádivas mil!

Muito obrigada, Senhor!
Pelos olhos que temos...
Olhos que vêm o céu,
que vêm a terra e o mar,
Que contemplam toda beleza!
Olhos que se iluminam de amor
Ante o majestoso festival de cor
Da generosa Natureza!

E os que perderam a visão?
Deixa-me rogar por eles
Ao Teu nobre Coração!
Eu sei que depois desta vida,
Além da morte,
Voltarão a ver com alegria incontida...

Muito obrigada pelos ouvidos meus,
Pelos ouvidos que me foram dados por Deus.
Obrigada, Senhor, porque posso escutar
O Teu nome sublime, e, assim, posso amar.
Obrigada pelos ouvidos que registram:
A sinfonia da vida,
No trabalho, na dor, na lida...
O gemido e o canto do vento nos galhos do olmeiro,
As lágrimas doridas do mundo inteiro
E a voz longínqua do cancioneiro...

E os que perderam a faculdade de escutar?
Deixa-me por eles rogar...
Eu sei que no Teu Reino voltarão a sonhar.

Obrigada, Senhor, pela minha voz.
Mas também pela voz que ama,
Pela voz que canta,
Pela voz que ajuda,
Pela voz que socorre,
Pela voz que ensina,
Pela voz que ilumina...
E pela voz que fala de amor,
Obrigada, Senhor!

Recordo-me, sofrendo, daqueles
Que perderam o dom de falar
E o teu nome sequer podem pronunciar!...
Os que vivem atormentados na afasia
E não podem cantar nem à noite, nem ao dia...
Eu suplico por eles
Sabendo que mais tarde,
No Teu Reino, voltarão a falar.

Obrigada, Senhor, por estas mãos, que são minhas
Alavancas de amor, do progresso, do progresso, da redenção.
Agradeço pelas mãos que acenam adeuses,
Pelas mãos que fazem ternura,
E que socorrem na amargura;
Pelas mãos que acarinham,
Pelas mãos que elaboram as leis
E pelas que as feridas cicatrizam
Retificando as carnes partidas,
A fim de diminuírem as dores de muitas vidas!
Pelas mãos que trabalham o solo,
Que amparam o sofrimento estancam lágrimas,
Pelas mãos que ajudam os que sofrem,
Os que padecem...
Pelas mãos que brilham nestes traços,
Como estrelas sublimes fulgindo nos meus braços!

...E pelos pés que me levam a marchar,
reto, firme a caminhar,
Pés da renúncia que seguem
Humildes e nobres sem reclamar.

E os que estão amputados, os aleijados,
Os feridos e os deformados,
Os que estão retidos na expiação
Por crimes praticados noutra encarnação,
Eu rogo por eles e posso afirmar
Que no Teu Reino, após a lida
Desta dolorosa vida,
Poderão bailar
E em transportes sublimes
com os seus braços também afagar.
Sei que lá tudo é possível
Quando Tu queres ofertar,
Mesmo o que na Terra parece incrível!

Obrigada, Senhor, pelo meu lar,
O recanto de paz ou escola de amor,
A mansão de glória
Ou pequeno quartinho,
O palácio ou tapera,
o tugúrio ou a casa de miséria!
Obrigada, Senhor,
pelo amor que eu tenho e
Pelo lar que é meu...

Mas, se eu sequer
Nem um lar tiver
Ou teto amigo para me abrigar
Nem outra coisa para me confortar,
Se eu não possuir nada,
Senão as estrelas e as estradas,
Como sendo o leito de repouso
e o suave lençol,
E ao meu lado ninguém existir,
vivendo e chorando sozinho ao léu...
Sem um alguém para me consolar
Direi, cantarei, ainda:
Obrigada, Senhor, porque te amo
e sei que me amas,
Porque me deste a vida
Jovial, alegre, por Teu amor favorecida...
Obrigada, Senhor, porque nasci,
Obrigada, porque creio em Ti.
...E porque me socorres com amor,
Hoje e sempre,
Obrigada, Senhor!

(Amélia Rodrigues, através da psicografia de Divaldo Pereira Franco)


Imagem: do blog 1 lindo menino