31 dezembro 2009

Ano Velho, Ano Novo...

Um dos meus maiores sonhos é passar um final de ano em Nova York. Natal e Reveillon.

Bom, a realidade é moooito mais cruel e tô trabalhando até às 23h hoje! hahaha

Mas tudo bem, Nova York que me aguarde...

Mas então, falando sério - não que o Reveillon em Nova York não seja! - 2009 foi um ano muito bom pra mim, graças a Deus! Terminei a fac, fui ver o show do A-ha em São Paulo, reencontrei amigos queridos, conheci outras pessoas que se tornaram muito especial na minha vida, em alguns aspectos da minha vida -poucos, ainda - me tornei uma pessoa melhor... E me sinto uma pessoa mais feliz e mais forte do que a que começou o ano!

A gente sempre tem as nossas pedrinhas "básicas" do caminho, né? Um casamento que termina, a filha amada que não alcança o maior sonho que tem no momento... Mas são pedrinhas em um caminho gigante, maravilhoso! No final, como diz um amigo querido, tudo dá certo!

Eu desejo pra mim um 2010 muito especial. Tem algumas coisas que espero que aconteçam, tem outros planos que surgirão durante o ano que amanhã começa, mas eu sei que só depende de mim o que colherei, dependerá das sementinhas já lançadas e das que lançarei pelo caminho.

Pra vocês, eu desejo - de verdade, sinceramente, do fundo do meu coração! - o mesmo que desejo pra mim! Muitos sonhos se realizando, muito trabalho - e dinheiro que venha deste trabalho -, muita paz, muita saúde e muito amor!

A gente se vê ano que vem e que este ano que já já começa, seja o melhor das nossas vidas até agora!

30 dezembro 2009

50 coisas que me fizeram feliz na década (5/5)

41- Susan Boyle: "Eu vou fazer este público tremer!" Quando ela entrou no palco, logo depois de dizer isso, encontrou um monte de gente com cara de deboche e desconfiança. Inclusive os jurados. Mas quando abriu a boca... Bom, todo mundo conhece a sua história. Fui ver o vídeo hoje - só este, com legendas em português e bem completo, já foi visto mais de 3 milhões de vezes! - e, mais uma vez, me emocionei. Porque ela tem uma das vozes mais incríveis que já ouvi, porque mostra como temos pré-conceitos ridículos quase o tempo todo, porque me fez ver como, sempre, há beleza em toda parte...

42- Animações: Eu falei da Pixar há uns posts e fiquei com a consciência culpada - hahaha - pelos filmes de animação que amei mas não são dela. Negócio é o seguinte: eu amo animação, não só da Pixar! Teve o lindinho George, o curioso, que vi com meus sobrinhos distantes - e com a trilha sonora fofíssima do Jack Johnson -, e teve um monte de filme da Dreamworks: os hilários filmes do Shrek, os dois Madagascar - gente, o que são aqueles pinguins?! hahaha -, Por água abaixo - tão inglês! -, A fuga das galinhas, Os sem-floresta e o meu queridíssimo, mas visto por poucos, Spirit, o corcel indomável - tem uma trilha-sonora tão boa quanto a do George, desta vez com Bryan Adams, no original, e Paulo Ricardo em português. Tá, eu sei, eu sei... mas ficou legal mesmo! Opa, tem a trilogia de A era do gelo - apesar de que, sinceramente, eu só gosto do Scratch... Então, tanto filme bacana. Sei que tem gente que torce o nariz e gente que nem considera esses filmes coisa séria ou cinema de verdade. Pra mim são. E como são!

43- Teletur: Em um dos locais que eu trabalho temos também que atender um número de informações turísticas que é gratuito - um 0800 - e acaba que nesta década, ou nos últimos oito anos que estou aqui na Secretaria de Turismo, muita coisa bacana aconteceu pelas linhas do Teletur: conversas com amigos queridos distantes, conversas com meus sobrinhos, troca de juras de amor, gargalhadas com pessoas queridas... Claro que teve coisa ruim, mas me recuso a falar delas! Não tinha como o Teletur não estar na lista. Pelo menos me fez economizar muito na conta telefônica!

44- Billy Elliot: Não sei se muita gente viu este filme lançado em 2000, sobre um menino que, mesmo tendo pai e irmão mineiros - de minas, não de Minas, entenderam? rsrs - decide estudar balé e, em meio a um período complicado na família, decide tentar uma bolsa de estudos no Royal Ballet. Sentiram o drama?? O filme é muito lindinho, engraçado, terno - aliás, adoro o modo como os britânicos conseguem tirar risadas em filmes que deveriam ser tristes, vide As cinzas de Angela e Agnes Browne. Se ainda não viram, de verdade, vale a pena! Outro dos meus filmes mais queridos! Aqui tem o trailer.

45- O casamento de Jill e Kevin: E olhem que nem fui convidada pra ele... rsrs. Outra preciosidade encontrada no Youtube e da qual já falei. Um casal resolve fazer uma entrada diferente no casamento. Como? Ao som de Forever, do Chris Brown. Quando colocaram o vídeo no Youtube para que amigos e parentes distantes pudessem ver, a coisa virou uma sensação: foi imitada, apresentada e reapresentada em programas e até paródias de como seria o divórcio surgiram. Ainda não viu?? Olha aqui como foi!

46- Black-eyed peas no 24º aniversário do Oprah Winfrey: Outro viral - estes vídeos que acabam vistos por milhões de pessoas. A surpresa da Oprah - pois é, sou íntima dela também, rsrs - é tão legal! No encontro de jovens espíritas que tivemos no começo do mês este flash mob foi usado para mostrar aos jovens presentes como, quando se quer, coisas boas também podem ser feitas por várias pessoas juntas. Eis o vídeo. E duvido que você não vá se arrepiar!

47- Pink Bijou: Desde que essa loja foi inaugurada aqui em Foz tem dias que eu, juro, troco de calçada pra não cair em tentação! rsrs. Ela foi a primeira loja de bijoterias acessíveis aberta aqui em Foz. E ainda tinha uma ex-estagiária nossa como vendedora; daí já viu: é um brinquinho hoje, um colar amanhã... Difícil o dia em que não tô usando alguma coisa de lá - hoje, por exemplo, é o colar com uma coruja linda de pedrinhas. O preço é o grande atrativo da loja, que frequentemente tem alguma promoçãozinha e sempre tem coisas lindas! Raramente meus presentes femininos não são oriundos de lá.

48- Praia Grande: Pois é, a praia que mais me alegrou na década sequer fica no Paraná! Foi à Praia Grande que mais fui nos últimos dez anos, o que não significa que fui muito pra praia - umas três vezes, acho. Tem gente que acha essa praia o ó, eu adoro! A visita mais recente, em março, foi a que mais aproveitei por estar lá durante a semana, sem os paulistanos que invadem a cidade nos finais de semana, e com um tempo lindo! Saudades...

49- Marisa: "De mulher pra mulher...". Então... eu gosto das roupas da Marisa, principalmente, porque é a loja onde mais encontro roupas legais pro meu corpo "rechonchudo". E, mais importante - e fica a dica! -: é onde mais encontro lingerie legal pro meu tamanho. Desde sutiãs bacanas pro dia-a-dia, até lingerie "de festa". Ah, e tem as bolsas também - concorrente da Chenson no meu coração, a Marisa... rsrs. Entre as lojas "de povo", é a que mais me alegrou recentemente.

50- Hugh Jackman apresentando o Oscar este ano: E fechando com chave de ouro, não tinha como não colocar o Hugh Jackman - tudo de bom - aqui na lista, apresentando o Oscar este ano! Nunca antes na história desses prêmios - alô, presidente! rsrs - um apresentador conseguiu ser divertido, interessante e competente ao mesmo tempo. Há anos eu acompanho a premiação e já vi cada um! O Hugh Jackman foi o meu preferido, me fazendo até adorar o número de dança com a Beyoncé, coisa que me irrita todo ano no Oscar! Pena que ele já avisou que ano que vem está fora. Sad...
E foram estas as 50 coisas que me fizeram feliz de 2000 até agora. Agora, encerrando, eu penso em outras tantas que poderiam ter sido citadas, mas as 50 que postei nos cinco emails foram, de verdade, muito especiais.

29 dezembro 2009

Vi: Avatar

(Segundo post do dia)

Avatar ( Avatar, 2009, EUA) gerou enormes discussões no Cinema Fantástico, minha lista de cinemas do Yahoo! Teve gente defendendo o filme, e teve gente chamando-o de Avatargh - ótimo! hahah - e dizendo que é só mais um filme para entreter.

Concordo, mas pra que é o cinema senão pra entreter? O meu irmão Taciano tem - ou tinha, pelo menos - a mania de, ao nos ver emocionados em um filme, dizer: "É só um filme, é mentirinha, não chora não". E é por aí. Avatar é pra divertir.

E como diverte! Vendo as cenas maravilhosamente criadas do planeta Pandora, eu fiquei imaginando como tudo aquilo deveria ser incrível em 3D!

Mas, peraí, deixa eu contar uma sinopsezinha do filme: no futuro, o pessoal aqui da Terra está interessado em um mineral existente no planeta Pandora, bem debaixo de onde vive um povo com aparência esquisita mas humanóide. Um fuzileiro naval paraplégico - Sam Worthinghton, não o conhecia - é escolhido para substituir o irmão cientista recém-assassinado no projeto dos avatares, criaturas feitas à imagem dos moradores de Pandora - caramba, esqueci o nome do povo! rsrs - mas controlados mentalmente por humanos. Acontece que ele é recrutado pelo exército mercenário para conhecer melhor os "pandorenses" - tá, não é esse o nome... -, e daí... aí acontece o filme.

Eu fiquei pensando nas invasões estadunidenses no Iraque, no Afeganistão... mas já sabia de antemão que o roteiro foi escrito pelo James Cameron, o mesmo de Titanic, há uns 20 anos. E, mais uma vez, eu fiquei extasiada com a capacidade humana de "criar" coisas tão lindas!

Mas me incomodei com a aparência dos pandorenses: são muito estranhos e falam e agem como povos africanos/aborígenes, sei lá! Achei a atriz que interpreta a mocinha esquisitérrima... Uma coisa meio forçada - tá, mas eles são extra-terrestres, né? O E.T. da nossa infância também não era esquisitinho??

Por outro lado, dos humanos, tem a Sigourney Weaver que eu adoro, e tem a Michelle Rodriguez, linda, mesmo de piloto de helicóptero - quase! - nada feminina. E tem o Sam Worthinghton, que não é um Leonardo di Caprio na interpretação, mas dá conta do recado... Caso alguém vá ver um filme desses pensando em atuações - o que não creio.
É pra entreter sim, mas isso não desmerece em momento algum. Pelo contrário já que as quase 3h de filme voam! E no final, dá vontade de aplaudir.

50 coisas que me fizeram feliz na década (4/5)

(Lipe, Gabi, Lilo e Gu, em Estreito)

31- Meryl Streep: As horas (2002), Terapia do amor (2005), O diabo veste Prada (2006), Mamma Mia! (2008), Dúvida (2008)... Dos 19 filmes que constam da filmografia da Meryl Streep nesta décado, só vi esses - tá, na contagem tá Julie & Julia que recém estreou no Brasil e quero muito ver! - e foi o suficiente pra continuar fã dela! Eu a acho perfeita em qualquer papel: tava vendo ontem O diabo veste Prada - acho muito inferior ao livro - e pensei como ela estava linda, elegantérrima ali... e como era uma freira tão circunspecta em Dúvida - maravilhoso!! Além de uma atriz incrível, ela sempre me passa a impressão de uma mulher muito decente, casada há 30 anos com o mesmo homem - raro em Hollywood, né? Aliás, em qualquer parte atualmente! rsrs -, simpática e "normal" sempre nas entrevistas. Adoro!!

32- Listas do Yahoo!: Cinema Fantástico e Lista Brasileira do A-ha. São as minhas listas do coração no Yahoo! Pra quem não sabe como são essas listas, são endereços que reúnem pessoas em torno de um assunto - no caso, cinema e... sim, sim, A-ha - e onde trocamos emails. Tô há mais tempo na do A-ha e todo mundo tá em polvorosa com os shows ano que vem, gurias comentando que vão pra Oslo, piás fazendo campanha pra levar a banda pra tocar no Nordeste... No show em São Paulo em março passado tinha um monte de gente da Lista lá! Pena que cheguei tarde e me desencontrei deles... Já a Cinema Fantástico reúne um monte de gente interessante que curte tudo quanto é tipo de filme! O querido Rubens que comenta por aqui eu conheço de lá - segundo alguns, é o mais inteligente da Lista! rsrs - e tem muito mais gente bacana. Tá, tem uns malinhas também, mas eu aprendo tanto com esse pessoal! Tem época que são trocados mais de 100 emails por dia, muitos não relacionados a cinema - como futebol, comentado pela maioria masculina -, mas é muito, muito legal!

33- Viagem à Estreito: Foi especial porque foi meu retorno ao Nordeste depois de 19 anos. E também foi especial porque vi como parte amada da minha família está bem e feliz lá. Amei os sucos diferentes, os rios, os passeios todos... Adorei rever amigos que não via alguns há mais de 20 anos! E foi bom sair de Foz antes de cair de cabeça na loucura que foi a feitura da monografia.

34- Sobrinhos: A ecografia do Gu foi especial, mas os quatro sobrinhos que ganhei entre 2001 e 2004 - pois é, um por ano... rsrs - também são muito especiais! Com cada um tenho uma relação única: o Murilo, de 8 anos foi o primeiro e por isso a novidade. Também é com quem mais tive contato de estarmos só os dois juntos, seja indo de ônibus pra casa da minha mãe - quando todos morávamos aqui em Foz - seja ele dormindo na minha casa. Com o Gabriel, de 7, demorou pra acontecer uma ligação, porque... sei lá, mas hoje nos amamos muito. Com o Gustavo, 6, ... o Gu é o dengoso, o beijoqueiro, o que dorme grudado comigo! O que eu mexo dizendo que nasceu muito feio e que depois ficou lindo - é verdade! hahaha. E o Felipe, 5, é o mais palhaço, debochado, o que me pergunta o que é "fióte de cuiz-quedo" quando o chamo de "filhote de cruz-credo". Eles me divertem muito, gosto de estar com eles.

35- Hemonúcleo: Já falei aqui desse assunto que me é muito caro. Há mais de 10 anos sou doadora de sangue, sempre fui doadora de órgãos, e há usn 5 sou de medula óssea também. É curioso mas, de verdade, ir ao hemonúcleo de Foz me deixa feliz, saio de lá leve, me sentindo mais cidadã, mais humana. Já respondo o questionário meio "no automático", lancho papeando com a copeira e vou pra sala de doação sossegada, jogando mais conversa fora com as auxiliares de enfermagem e vendo tevê. Bem tranquilo tudo por lá! Este ano não pude ir porque fiz a tatuagem e durante doze meses não posso doar, mas assim que terminar a quarentena, volto lá! Já pensaram em ser doadores, por falar no assunto??

36- Clint Eastwood: Ele ficou na mesma parte que a Meryl Streep? Legal, porque é dele, com ela, o filme romântico mais lindo do universo e que, só de pensar dele, me dá vontade de chorar: As pontes de Madison! Mas este é da década passada. Desta tem os meus adorados Menina de ouro (2004), o filme que me fez, junto com Mar adentro, do mesmo ano, pensar com menos intransigência na questão da eutanásia... e chorar litros e litros de lágrimas com o drama da maravilhosa Hillary Swank!, e Gran Torino (2008), um filme igualmente incrível e que me mostrou que até o Clint Eastwood fica velho - ele tem 79 anos. A coisa que mais se ouve à respeito dele, e que eu acho mais interessante também, é que ninguém imaginaria um ator de filmes policiais e bang-bang como um delicado diretor. E ele mostrou que é! Absurdamente ainda não vi Cartas de Iwo-Jima e A Conquista da Honra (ambos de 2006) onde ele mostra a Segunda Guerra Mundial pela visão dos japoneses - dizem que é o melhor filme - e dos estadunidenses, mas quero corrigir esta falta logo. Qual filme dele eu recomendo? Qualquer um; ou melhor, todos!!

37- Cannot Hide: Na minha opinião, demorou 7 álbuns e 17 anos pro A-ha soar sexy! Sim, os "meninos" ainda são lindos agora que beiram os 50 anos, eram mais ainda aos 30, mas eu nunca os ouvi como algo sexy. Cannot hide, do álbum Lifelines, de 2002, é sexy. Deliciosamente sexy, como o Morten nunca soou cantando as letras do Mags - ele sussurrando "'cos you can do me right" é de matar! hahaha. Uma das músicas deles que mais ouvi nos últimos 10 anos. Querem conferir Cannot hide? Eis um vídeo com imagens deles na passagem pelo Brasil embalados pela canção.

38- Piscina da Flávia: Quem falou comigo hoje, ou nos últimos dias, sabe que eu estou rabujenta, louca por praia... ou até por piscina. Na da minha irmã, na casa que moravam até o começo do ano, foi onde mais me diverti nos últimos anos. A piscina era uma boa desculpa pra festas ali na casa e foi onde passei Natal dentro da água, aniversários, tardes escaldantes do verão infernal iguaçuense... E onde tomei sol, tentando queimar aquelas partes que parece que nunca bronzeiam - porque joelho fica preto em 2 segundos e barriga não fica nem em 2 dias?! Saudades da piscina da casa antiga...

39- Khaled Hosseini: Com O caçador de pipas (2005) e A cidade do sol (2007) Khaled Hosseini foi o autor que mais me emocionou nestes anos. Médico de formação, afegão exilado nos EUA desde adolescente, eu sempre acho que tem um tonzinho biográfico em O caçador de pipas, na parte que conta da chegada das personagens, ricos em seu país e agora pobres do outro lado do mundo. Foi por Hosseini que eu travei contato com a realidade cruel, brutal do Afeganistão na época do Talibã e, tristemente, agora também; brutal em especial, como sempre, para as crianças e as mulheres. Tão cedo não esquecerei das histórias contadas em seus livros e nem de suas personagens.

40- Victor e Léo: Então... eu gosto. Muito! Não tem muito a ver com meu gosto musical geral - lembram, eu falei de brit pop no post anterior! rsrs -, mas gosto muito deles. Tem umas letras que são da trilha-sonora da minha vida - as mais chorosas, infelizmente - mas tem umas que me deixam sorrindo pensando nelas. E gosto deles, dos mocinhos, acho-os engraçados, divertidos nas entrevistas. Perdi um show deles no começo do mês porque foi bem quando estive em Buenos Aires, mas sei que outros shows virão - mesmo que quem já foi diga que é show pra casal...

28 dezembro 2009

Li: Um oceano nos separa

(segunto post do dia)

Rosamunde Pilcher é uma das minhas escritoras preferidas!

Eu adoro o modo detalhado como ela descreve paisagens britânicas - especialmente da Escócia e da Cornualha, os dois extremos da ilha da Grã-Bretanha -, comidas e flores - as quais, em maioria esmagadora, eu não conheço. Por mais que suas personagens sejam sempre meio parecidas, gosto muito dela!

Então, quando vi um livro do seu filho contendo, na contra-capa elogios e comparações com o que ela escreve, peguei-o!

Um oceano nos separa conta a história de David, herdeiro de uma destilaria de uísque escocesa que, após perder a esposa de quem cuidou quando ela descobriu-se com câncer, passa por um colapso nervoso quando está em Nova York. Ele decide então passar um tempo nos EUA, longe dos pais e dos filhos para voltar a ser o que era antes. Emprega-se como jardineiro e o envolvimento com o piá da casa onde vai trabalhar e a governanta acabam ajudando-o a decidir seguir em frente.

Tá, é um resumo meio chumbrega, mas é mais ou menos isso aí. A história é simpática, meio inverossímil às vezes, mas até gostosinha de ler. Realmente parece com as coisas que a mãe dele escreve - a descrição das paisagens do norte da Escócia são maravilhosas! -, mas tem também uma identidade própria. Meio que me irritaram as passagens onde o personagem principal tinha uns ataques de auto-comiseração, mas tudo bem, as descrições dos momentos de David com a esposa compensam essas mais fraquinhas porque são lindas, ternas... dá pra gente sentir mesmo o amor que eles tinham um pelo outro!

Me deixou curiosa para ler outras coisas dele - ah, ele é o Robin Pilcher!

Título original: An ocean apart
Autor: Robin Pilcher
Editora: Bertrand Brasil
2000

50 coisas que me fizeram feliz na década (3/5)

21- Vestibular: 31 anos, há 10 longe dos estudos - sem contar as aulas de Francês - e reticente quanto a um vestibular. Mas, ao mesmo tempo, muito cara-de-pau! Fazer vestibular, estimulada pelo meu ex-marido, foi uma coisa que decidi fazer meio "na doida". Seguindo sugestão de uma amiga que tinha entrado um ano antes no mesmo curso e que também ficara um tempo - uns 7 anos - longe de fac, li todos os livros pedidos pra prova de Literatura. O resto das matérias, algumas foram fáceis, como História, Geografia, Inglês - gabaritei. Outras, tipo Física, Matemática, Biologia, Química... eu só não zerei! Mas, se quando estudava já não era lá grande aluna nelas, imagina agora! Mas passei. Em 1º lugar, o que me fez me sentir na obrigação de estudar sim - eu prestei o vestibular sem ter certeza se iria cursar Letras.

22- Me formar: Na minha colação de grau, depois de receber o canudo, fiquei pensando em tudo que me aconteceu durante os quatro anos de curso. Muita coisa aconteceu na minha vida e, algumas vezes, quis desistir da fac. Me formar foi uma vitória, mas foi, principalmente, mais um crescimento! Aprendi muito durante o curso. Principalmente que SEMPRE temos o que aprender ainda!

23- Emails: Ultimamente não tenho mandado muitos emails. Bom, ultimamente nem tenho lido muitos! (rsrs) Tenho mais de 2000 na minha caixa do Gmail, geralmente daqueles encaminhados, pra ler. Mas não é que eu não goste de emails: pelo contrário: eu fico fascinada com a possibilidade de alguém muuuuito longe de você, quase que instantaneamente, poder ler o que você escreve! E eu que achava o fax uma coisa do outro mundo... rsrs

24- Brit pop: Travis, Coldplay e, recentemente, Muse. Sempre fui muito mais de gostar de bandas européias que estadunidenses e nesta década, foram os meninos do Travis, do Coldplay e agora os do Muse minha trilha sonora diária. Acho a música britânica mais sonora, mais agradável, mais próxima do que verdadeiramente agrada meus ouvidos. Além de que uma dupla de "Chris colírios" como o Martin - vocalista do Coldplay - e o Wolstenholme - o baixista do Muse, meu mais recente Ô, lá em casa - definitivamente não fazem mal a ninguém!

25- Evangelizar: há cinco ou seis anos eu decidi trabalhar com Evangelização Infanto-Juvenil na minha Casa Espírita. Comecei auxiliando minha mãe com a molecadinha de 11 a 13 anos e depois fui pra minha turminha atual, os jovens de 14 a 16. Este ano tive uma turma muito especial e foi muito gostoso, especial. Ser evangelizadora me obriga a ser uma pessoa melhor porque eles me vêem como exemplo, esperam que eu me porte de acordo com o que os ensino. Sempre falo pra eles que sou imperfeita, que muitas coisas que falo que eles precisam aprender ainda, eu também preciso. E tenho aprendido. Acho que vou me tornando uma pessoinha melhor quando passo os ensinamentos de Jesus pra esses jovens. E é muito gratificante é reencontrar os que já não têm mais idade para serem meus alunos, dizendo que lembram do que eu os ensinei e que sentem saudades de quando eu era "tia" deles - pois é, ainda tenho que ouvir muitos me chamarem de "tia Sheila". Mas gosto :)
26- Francês: Estudei Francês por muitos anos e na última década também fui fazer exames do idioma na Aliança Francesa em Londrina. A Associação de Cultura Franco-brasileira, onde estudei, esses exames, o contato cultural com a língua em eventos - festas, filmes, concertos...-, por mais que seja meu quarto idioma - ou seja, os outros estrangeiros, Inglês e Espanhol são mais e melhores falados por mim -, tenho muito carinho por ele, pela professora que tive e que é uma amiga querida, a Maria Rosa, e tive muitos, muitos momentos maravilhosos envolvidos com a França e sua langue! Preciso praticar mais... mas não penso, em um primeiro momento, em voltar a estudar.

27- Lost: Se Friends foi meu seriado da década de 1990, Lost foi o desta década! Caramba! O que são aqueles finais de temporada que me deixam ainda de queixo caído, passada?! Muita coisa eu mal consigo entender, muita coisa eu prefiro não entender, mas adoro! Acho os personagens muito próximos da realidade, onde ninguém é bom o tempo inteiro ou só bandido - tá, na vida real eu acho que tem uns bandidos que são só bandidos... Quero baixar a 5ª temporada antes dela passar na Globo... e depois é só esperar a 6ª e última. Vou sentir saudades.

28- Chawarma: Tem gente que chama de churrasquinho grego, mas NÃO é a mesma coisa! Chawarma é um sanduíche árabe feito com pão sírio, carne de vaca ou frango cortada que nem a do tal churrasquinho grego, batata frita, couve - acho que é couve... - raladinha cozida, cebola, molho de alho - é, não é prato pra comer com namorado! - e que tem feito há uns 3 anos mooooito sucesso aqui em Foz! É difícil não encontrar um em qualquer canto da cidade. Meu preferido é o do Beduíno's, uma lanchonete árabe lá perto de casa que, aliás, deslanchou graças aos chawarmas maravilhosos que prepara! Não é barato, custa em torno de R$ 5,00, mas é delicioso!!

29- Feminismo: Quando procurei minha orientadora pra começarmos a pensar na minha monografia, eu disse pra ela: "Eu não acredito em Feminismo de queimar sutiã, eu acredito em feminino, que existem diferenças, sim, entre homens e mulheres, mas que isso é positivo." A querida profe Nildi sorriu e me disse que era no que ela acreditava também e me mostrou que Feminismo não é sinônimo de mulheres agressivas e de peito caído - porque sem sutiã a lei da gravidade é mais cruel, né, gente? - e eu aprendi isso. Infelizmente o termo é meio pejorativo no Brasil, mas tem muita, muita coisa bacana escrita sobre o assunto e é no que eu quero me aprofundar nos estudos.

30- Meu blog: Meu xuxuzinho! Eu sei que sou meio bipolar e às vezes dou uma sumidinha, mas como eu tenho carinho por este blog, como adoro "perder" tempo escrevendo, procurando ilustrações pros posts! Tem idéia que eu encontro quando tô fazendo algo nada ligado a escrever! E a todo momento penso: "hmmm... isso daria um post bacana! É meio terapia também. E uma terapia bastante positiva! Conheci gente que hoje mora em meu coração, me aproximei de outras que já conhecia "de leve"... Amo!

27 dezembro 2009

50 coisas que me fizeram feliz na década (2/5)

Eis a segunda parte do que mais me fez feliz na última década - que começou em 01 de janeiro de 2000 e termina em 31 de dezembro de 2009. Menos pro Rubens! hahaha


11- Chenson: Essa é uma marca chinesa de bolsas - ok, o que, me digam, por favor, não é produzido na China hoje em dia, o quê?? - e minha veeeelha conhecida do Paraguai. A maioria das minhas bolsas - e carteiras - de sempre foram compradas lá. A qualidade é equivalente às bolsas compradas no Brasil e o preço similar, dependendo da cotação do dólar. Nos últimos 10 anos não sei quantas bolsas lindas comprei lá, as últimas aquisições foram uma carteira - liiiiindaaaaa!! - pro baile de formatura da minha turma e, como era última peça, não me custou nem R$ 10! E a bolsa que comprei pra minha irmã de Natal que foi uns R$ 40 mais cara, mas é maravilhosa! - acho que não a avisei que, se ela não quiser, eu quero! rsrs. A Chenson me fez, definitivamente, muito feliz nos últimos 10 anos!

12- Pixar: Monstros S/A (2001), Procurando Nemo (2003), Os incríveis (2004), Wall-E (2008), Up - Altas aventuras (2009). Duvido que alguém que tenha visto ao menos uma dessas animações não concorde comigo que a Pixar fez a gente mais feliz nesta década! Não acho que sejam filmes apenas pra crianças, pelo contrário: acho que adultos podem tirar liçõezinhas que a molecada ainda não consegue entender. Procurando Nemo e Up - Altas aventuras são meus mais queridos! P.S.- Só citei os filmes que vi, Ratatouille e Carros não vi inteiros. Ainda!

13- Martha Medeiros: Tema da minha monografia, ela não poderia faltar aqui. Eu já conhecia o que a Martha escreve muito antes de saber que eram coisas dela. Delicada, feminina, realista, humana... Muito do que leio poderia ter sido escrito por mim - as idéias, não a forma, né? Tô looonge disso! rsrs. Algumas coisas que ela "diz" não batem com o que penso, mas lê-la, estudá-la, foi uma coisa muito gostosa e que quero seguir fazendo.

14- Depilação com cera: As adeptas vão entender bem do que falo. Os mocinhos vão lembrar de que uma pele depilada com cera é muito mais gostosa de tocar - e etc e tal - que uma pele na qual foi usada lâmina de barbear! Minha história com a depilação tem idas e vindas. Era adolescente e já me depilava com cera quente. Fui, voltei, fui, voltei... e agora encontrei a depiladora mais próxima da perfeição, com quem estou há 4 anos. Não dá pra dizer que não dói - alô, tão puxando seus pelos pela raiz!! alguns em lugares extremamente delicados!! -, mas a alegria de se sentir lisinha, limpinha depois, não tem preço! Além de que, é fato, seus pelos começam a nascer cada vez mais fraquinhos, fininhos e espaçados. Não imagino minha vida sem depilação à cera mais!

15- Fernando Meirelles: Amo de paixão! Pra mim não é só o melhor diretor de cinema do Brasil: é um dos melhores do mundo! Até de Cidade de Deus (2002), filme que tem muito mais violência do que eu costumo aguentar, eu gostei! O Jardineiro Fiel (2005) e Ensaio sobre a cegueira (2008) estão entre meus filmes preferidos! E ele me parece muito gente boa! Todos que trabalham com ele só falam bem! Ah, e uma das coisas mais legais que vi no Youtube foi o vídeo que o filho dele fez da reação do José Saramago ao ver, pela primeira vez, a versão dele para seu livro Ensaio sobre a cegueira. De emocionar!

16- Moymoy Palaboy: Outra preciosidade do Youtube. Bobíssimo, mas hilário! Esses irmãos filipinos são muito engraçados, fazendo vídeos super-simples - normalmente feitos na cozinha de casa, com a tia passando ao fundo -, com músicas de tudo quanto é tipo. Falei dele aqui e aqui, outra mostra do talento dos piás, cantando Marimar, da Thalia - atenção pro peito peludo e a costeleta fakes! hahaha

17- Bem-te-vis: Acho que nunca falei aqui que bem-te-vis são meus passarinhos preferidos! Aqui em Foz tem muito e até em Buenos Aires eu os ouvi - queria saber como se chamam lá... bien-te-vi? rsrs. Qualquer canto de passarinho é lindo - bom, de alguns não, na verdade, como o do uirapuru que tem os olhos furados por alguns cruéis donos para cantarem sempre... -, mas o bem-te-vi tem uma alegria que eu não sei descrever! Além do mais, eles são tão bonitos com seus peitos amarelos! Em muitos momentos tristes, foi o canto de um bem-te-vi na minha janela que me fez sorrir, enxugar as lágrimas e seguir em frente.

18- Livros de auto-ajuda para mulheres: Eu os adoro! hahaha. Homens são de Marte, mulheres são de Vênus, O que toda mulher inteligente deveria saber - meu preferido! -, Ele não está tão a fim de você... Algumas vezes estes livros são patéticos, mas sempre têm alguma coisa que pode ser aproveitada em nossa vida. Eu aprendi muito com eles. Me ajudaram a entender melhor os homens - porque difícil mesmo é entender as mulheres, né? rsrs

19- Itaporá: Itaporá fica há uns 100 km, entrando na Argentina. É um camping com algumas cabanas de madeira com uma sala ampla com dois bicamas, conjugada com a cozinha - com panelas, fogão e mini-bar -, um quarto com duas ou três camas, e um banheiro. Tem duas piscinas, campo de futebol - acho que é aquele menor... society, né? - churrasqueira ao lado de cada cabana, área pra acampar e uma espécie de salão de festas. Nem sei como minha família descobriu Itaporá mas, pelo preço camarada - acho que hoje não fica nem R$ 100 o aluguel da cabana pra até 5 pessoas! -, ali se tornou um lugar muito frequentado por nós. Já passamos viradas de ano ali, feriados, finais de semana... Faz um tempinho que não vamos e falar de lá me deu saudade. Precisamos voltar - aff, pareceu final da quarta temporada de Lost essa última frase! rsrs

20- Fofocódromos: Somos oito mulheres na minha equipe de trabalho, na mesma função que eu. Já fomos onze. E inventamos umas reuniões femininas na casa de uma ou outra onde levámos comes e bebes e conversávamos muito, ríamos, falávamos da vida alheia - daí o nome, dado pela Rose, acho, fofocódromo. O local mais frequente pras reuniões era o apartamento onde eu morei até o começo do ano, mas com a dona dele, a Angélica, morando lá. Era proibida a presença masculina, mas sempre tinha uma que parecia grudada no marido e que dava um jeito dele chegar antes do final. Saudades dos fofocódromos. Ontem comentei com a Rose que falaria deles num post e ela disse que temos que aproveitar as férias para ressuscitá-los. Concordo!!

26 dezembro 2009

50 coisas que me fizeram feliz na década (1/5)

(segunda postagem do dia)

Sigo o blog do Zeca Camargo e ele postou, recentemente, a primeira parte de uma lista das 100 coisas que mais o divertiram nesta década - pois é, estamos findando a primeira década do ano 2000!

Achei a idéia legal mas também achei 100 coisas muita coisa. Daí resolvi fazer uma lista com 50 coisas que mais me fizeram feliz de 2000 até 2009. Eu coloquei de tudo, apenas evitei falar de pessoas porque... porque sim. rsrs

E resolvi dividir o post em 5 partes para não ficar gigante demais! Não há ordem de preferência nem de ocorrência.

1- Internet: A net entrou na minha vida, definitivamente, em 1998, quando eu tava morando por um tempinho na Bélgica e fiz um email no Hotmail com a ajuda de um amigo. Com o tempo foi ficando cada vez mais presente - primeiro discada - aff, a treva, lembram? rsrs - mas depois ADSL mesmo, que é a coisa mais bacana do mundo quando funciona direitinho! Já fui muito mais dependente de net - quando tinha namorado morando longe, por exemplo - e hoje sou uma usuária assídua, mas mais exigente: entro em poucos sites, acesso coisas geralmente repetidas e, ultimamente, é por onde mais fico sabendo do que acontece no mundo.

2- Ecografia da Sami (do Gu): O Gustavo é meu sobrinho de 6 anos; é o maior dos 4 sobrinhos mesmo sendo o terceiro em idade e, provavelmente, o mais amoroso. Na época da gravidez dele, meu irmão e a esposa passavam na época por alguns problemas pessoais e o Gu foi um bebê não planejado porque o seu irmão mais velho não tinha nem 10 meses quando ele foi encomendado. Mas foi muito amado, sempre. Um dia a Sami, mãe dele, me chamou pra ir com ela numa consulta pré-natal. Eu nunca tinha ido em nenhuma, só tinha visto isso na tevê. Quando o médico mostrou as batidas do coraçãozinho do Gustavo no monitor, e nós os escutamos, me emocionei muito, tive que segurar as lágrimas. E me vi, em definitivo, ligada à aquela criaturinha que era pouco mais que um feijãozinho...

3- Youtube: Quem não gosta do Youtube levante a mão! Gente, eu adoro!! É onde vou ver cenas de filmes adorados, clipes de músicas queridas, onde vi a cara do Muse pela primeira vez, onde descobri figuras de países distantes como Moymoypalaboy além de otras cositas que me divertem quase diariamente. É uma delícia ver coisas que normalmente não chegam à tevê ou rever coisas antiquíssimas como desenhos adorados da infância - alguém lembra de A princesa e o cavaleiro ou Heidi?? - ou coisa feia como vereadora da cidade batendo boca com as moças da Zona Azul... O que acho mais curioso é que as coisas se desatualizam em velocidade vertiginosa: eu me pego vendo umas coisas de 3 meses atrás e pensando: "aff, é coisa velha!". Pode uma coisa dessas? rsrs

4- Marley e eu: Provavelmente o livro que mais me fez chorar na década. Ganhei de Natal e li em dois dias. Mais ainda do que sua versão pra cinema vista e comentada recentemente, o livro me fez pensar muito nos bichinhos que já tive, que já amei e que me amaram. Pra quem gosta de animais acho que é um livro obrigatório!

5- Live at Vallhall: Dvd que traz um show do A-ha em Oslo em 2001 e que foi transmitido ao vivo pela internet. Além do show, tem umas cenas de bastidores, algumas apresentações em outros lugares, entrevistas com os "meninos" e clipes de músicas recém-lançadas na época. Comprei-o há uns 4 anos e ainda é um dos dvd's que mais assisto. É um dos artigos mais amados e desejados pelos fãs do A-ha!

6- Desejo e reparação: Filme de 2007 que vi no comecinho de 2008 e que se tornou um dos meus preferidos, ever! Tem o livro também - Reparação, um dos meus objetos de desejo! - e não tem como não adorar a história, o incrível desfecho, o vestido da protagonista escolhido o mais lindo do cinema - não dá pra ver nas fotos, mas tem uma borboleta desenhada na frente dele... -, atuações de James McAvoy, Saoirse Ronan, a linda Keira Knighley e a soberba, sempre, Vanessa Redgrave! Gosto tanto deste filme que só de escrever sobre ele me arrepio!

7- Quem quer ser um milionário?: Se Desejo e reparação foi meu filme de 2008, Slumdog millionaire foi o meu querido absoluto de 2009 - olha só, começa a tocar Jai Ho, a música dele, vencedora do Oscar, no Media Player! rsrs. A história de amor de Jamal e Latika é tão linda, colorida, musical que me apaixonei pelos comentários que ouvi na lista de cinema da qual faço parte mesmo antes de ver o filme! Antes dele ser lançado no Brasil eu já o tinha visto duas vezes. E depois foi mais uma no cinema e mais outra em casa.

8- Show do A-ha em São Paulo: Falei hoje ainda da banda no post anterior a esse! Do show... Ah, foi mágico, foi lindo, foi muito, muito emocionante. Eu chorei, eu cantei, eu gritei que nem tiete, eu fiquei quietinha apenas ouvindo... Só quem é muito fã de uma banda e tem poucas chances de vê-la sabe do que eu tô falando. Ano que vem vou vê-los novamente ao vivo; no que talvez seja um dos últimos shows deles no Brasil :'(

9- Viagem à Buenos Aires: Ah, essa tá fresquinha aqui no blog mesmo! rsrs. Só vou repetir aqui que amei a capital argentina, adorei o visitado - menos La Boca caliente! hahaha - e que quero muito voltar ¡con más tiempo y plata!

10- Minha festa de casamento: Minha festa de casamento foi a festa de casamento mais simples a qual já fui! (rsrs) Planejada em poucos dias, apenas pra constar, foi na casa da minha mãe - onde tô morando agora -, tinha poucos mas muito queridos convidados que me deram presentes muito legais e úteis, um bolo que me disseram que tava muito bom - não sobrou pr'eu experimentar, rsrs - e uma comida maravilhosa preparada por um amigo que cozinha espetacularmente. Teve minha vó chorando, teve criança puxando meu vestido azul clarinho... Mas foi bem gostosa, porque foi um casamento por amor e com gente que igualmente eu amava junto de mim. O casamento não deu certo, mas a festa, mesmo pequenininha, foi muito legal!

"O que é bom sempre tem um final..."

Alguém ainda não sabe que sou fã apaixonada do A-ha há 20 anos, pelo menos?

Acho que vocês devem ter visto em alguns meios de comunicação que a banda vai se separar. Pois é, depois de quase 30 anos juntos, os "meninos" decidiram que era hora de parar em definitivo, para se dedicarem aos seus projetos pessoais.

Ano que vem eles farão uma turnê mundial de despedida e pelo menos quatro shows ja foram confirmados no Brasil em março: Bauru (SP), São Paulo, Rio e Belo Horizonte - onde eu vi meu primeiro show do A-ha em 1991!

Claaaaro que vou, porque é a última oportunidade que terei de vê-los. Eu amaria de paixão poder ver os últimos shows em dezembro de 2010 em Oslo, capital da Noruega, terra deles, mas não po$$o.

Só hoje caiu minha ficha que, depois do ano que vem, não vou mais vê-los juntos como banda adorada. Não vou ouvir a voz - linda! - do Morten acompanhada do teclado mágico do Mags e da guitarra discreta, mas sempre presente, do Paul. E fiquei triste; sentida mesmo.

O A-ha faz parte da minha vida. Tem música pra diferentes momentos, felizes e tristes. É a banda que mais tem músicas na trilha-sonora da minha vida - todo mundo tem uma trilha-sonora da sua vida! rsrs

Já estou com saudades. Mesmo que ainda tenha um ano para me despedir.

25 dezembro 2009

Buenos Aires (7): Comendo e bebendo

(segundo post do dia 25)

A coisa que mais se ouve de Buenos Aires, como um dos seus pontos positivos, é que se come bem e barato na cidade.

Bom, se come muito bem; mas isso tem um preço. E pros meus padrões iguaçuenses, não é um preço tão bom já que Foz é uma cidade com bons e baratos restaurantes. E os argentinos têm um agravante: os pratos raramente vêm com acompanhamentos: então tem que pedir a massa, o molho - sim, sim! -, a carne, a salada...

Tomamos muito capuccino, chocolate e coisinhas assim porque saíam mais baratas.

Também comemos em restaurantes gostosos. Um em La Boca tinha uma comiga gostosa, apesar do arroz duro - eles praticamente não comem arroz, o comum na Argentina é batata e carne de vaca - foi onde mais morremos de raiva pelo valor final que, aos R$ 13 mais ou menos de cada prato, somou-se R$ 10 de serviços, mais R$ 10 por uma cerveja, mais não sei o quê. Saímos todos indignados... e mais pobres, deixando lá moedinhas não desejadas. rsrs

Empanadas, os pastéis argentinos - na verdade têm em todo sul da América do Sul - são maravilhosos e comemos uns especialíssimos na estrada. E por R$ 0,80 cada!

Comemos em restaurante chinês também. E, por conta de uma carne picante feita com curry - amo curry mas nunca soube que ele podia arder tanto! - meus olhos e meu nariz não paravam de escorrer!

Comemos também no Burger King. Preço um pouco menos caro que os McDonald's da vida - e lanches muito mais saborosos - e olha que sou fã do Mc!

Ah, curiosidade: a gente só encontra doces recheados com doce de leite! Uma moça turca que ficou na minha casa há uns 2 anos tinha comentado isso, encantada com a variedade de doces que fazemos no Brasil - nossa, e isso na panificadora apenas boazinha que tem perto da minha casa! - e confirmei que realmente na Argentina só dá doce de leite: nos alfajores, nas media-lunas - croissants doces - nos sorvetes... Mas é gostoso... pros formiguinhas.

O lugar mais trash onde comemos foi na volta em que escolhemos não pensar como a comida estava sendo feita porque já era tarde e não encontrávamos nada aberto. Mas pelo menos a milanesa e os ovos fritos estavam muito gostosos.

Nenhum de nós bebia demais - felizmente! não tenho paciência com gente que bebe! Tirando a cerveja de ouro de La Boca, tomávamos muito refri e, na noite de sábado, pedimos vinho no restaurante melhorzinho que fomos. Muito gostoso! Não sou grande conhecedora e nem consumidora, por vários motivos, dentre eles o mais patético: depois da primeira taça, tudo parece cômico pra mim e fico dando gargalhadas sem parar - que boba, né? Agora, um aviso importante: bebida mais simples - água, refri, cerveja - são bem carinhas na Argentina! Sempre veja o preço antes de pedir!

Então, concluindo, realmente se come bem em Buenos Aires, principalmente se a pessoa adora carne - o/. Mas o pessoal de lugares menos caros que capitais, não esperem gastar muito pouco nas refeições. No entanto, também não esperem comer mal: se é empanada ou se é uma milanesa que seu bolso comporta, é quase certo que você vai terminar o prato muito satisfeito.
____
Foto: tomando café no nosso último dia lá, o domingo. Depois da janta com vinho do dia anterior, perdemos a hora. Adoro nossas caras de sono e as bochechas rosadas do friozinho! Pra quem não nos conhece: Angelice, eu, Fer e Márcio ;)

Momento Espírita: Um Homem chamado Jesus

Certa vez, um Espírito Sublime deixou as estrelas, revestiu-Se de um corpo humano e veio habitar entre os homens.

Porque fosse um exímio artista plástico, habituado a modelar as formas celestes, compondo astros e globos planetários, tomou da madeira bruta e deu-lhe formas úteis.

Durante anos, de Suas mãos brotaram mesas e bancos, onde amigos e irmãos se assentavam para repartir o pão.

Para receber os seus corpos cansados, ao final do dia, Ele preparou camas confortáveis e, porque amasse a todos os seres viventes, não esqueceu de providenciar cochos e manjedouras onde os animais pudessem vencer a fome.

Porque fosse artista de outras artes, certo dia deixou as ferramentas com que moldava a madeira, e partiu pelas estradas poeirentas.

Tomou do alaúde natural de um lago, em Genesaré, e ali teceu as mais belas canções.
Seu canto atraía crianças, velhos e moços. Vinham de todas as bandas.

A entonação de Sua voz calava o choro dos bebês e as dores arrefeciam nos corações das viúvas e dos desamparados.

As harmonias que compunha tinham o condão de secar lágrimas e sensibilizar corações endurecidos.

Como soubesse compor poemas de rara beleza, subiu a um monte e derramou versos de bem-aventuranças, que enalteciam a misericórdia, a justiça e o perdão.

Porque Sua sensibilidade Se compadecia das dores da multidão, multiplicou pães e peixes, saciando-lhe a fome física.

Delicado na postura, gentil no falar, por onde passava deixava impregnado o perfume de Sua presença.

Possuía tanto amor que o exalava de Si aos que O rodeassem. Uma pobre mulher enferma tocou-Lhe a barra do manto e recebeu os fluidos curadores que lhe restituíram a saúde.

Dócil como um cordeiro, abraçou crianças, colocou-as em Seus joelhos e lhes falou do Pai que está nos céus, que veste a erva do campo e providencia alimento às aves cantantes.

Enérgico nos posicionamentos morais, usou da Sua voz para o discurso da honra, defendendo o templo, a casa do Pai, dos que desejavam lesar o povo já por si sofrido e humilhado.

Enalteceu os pequenos e na Sua grandeza, atentava para detalhes mínimos.

Olhou para a figueira e convidou um cobrador de impostos a descer a fim de estar com Ele mais estreitamente.

Acreditavam que Ele tomaria um trono terrestre e governaria por anos, com justiça.

Ele preferiu penetrar os corações dos homens e viver na sua intimidade, para que eles usufruíssem de paz e a tivessem em abundância.

Seu nome é Jesus, o Amigo Divino que permanece de braços abertos, declamando os versos do

Seu poema de amor: Vinde a mim, vós todos que estais aflitos e sobrecarregados e eu vos aliviarei...

(Redação do Momento Espírita, com pensamentos finais, do cap. 3 do livro Quem é o Cristo?, pelo Espírito Francisco de Paula Vítor, psicografia de Raul Teixeira, ed. Fráter. Disponível no CD Momento Espírita Especial de Natal, v. 15, ed. Feb.Em 21.12.2009. )

23 dezembro 2009

Buenos Aires (6): Os passeios

Como disse anteriormente, andamos muito e vou tentar resumir minha impressão dos locais visitados.

Cementério de La Recoleta: Cemitério ponto turístico?! Pois é, que eu saiba só Buenos Aires e Paris têm tal coisa. E vale a pena visitar! Este cemitério tem túmulos gigantes, alguns têm escadas na entrada - em tamanho natural! Tristemente muitos túmulos andam bem abandonados. E novos moradores apareceram: gatos. A Fer brincou questionando o que eles comiam no cemitério para serem tão gordinhos... rsrs

Calle Florida: É o que os argentinos chamam de pietonal, o nosso calçadão. É bem no centro, tem muitas lojas bacanas, uns 20 McDonald's e uns 10 HSBC. Andamos lá duas vezes, compramos tranqueirinhas. Minhas lojas preferidas foram as de bijoteria e afins que tinham coisas baratésimas!

Galerias Pacífico: Fica na Calle Florida. É um shopping lindo, em um prédio antigo. Os vitrais da abóbada central são maravilhosos, as lojas super-chiques e a praça de alimentação óótema! Ah, e tem o melhor mapa grátis de Buenos Aires! rsrs

La Boca: Também chamada por mim de "la boca caliente", porque é um bairro bem turístico, mas boca quente mesmo, perigoso. É lá que fica La Bombonera, o estádio do Boca Juniors, e El Caminito, aquela rua com casas coloridas largamente fotografada e propagandeada. É bonito, mas turístico demais. No entanto, foi onde encontrei as lembrancinhas mais fofas, tipo imãs de geladeira, chaveiros, etc e tal. Também foi onde fomos sacaneados - perdão pela expressão - em um restaurante, mas conto disso quanto falar da comida.

Plaza de Mayo/Casa Rosada: Lembram das Mães da Praça de Mayo? É aqui ainda que essas senhoras, mães de desaparecidos durante o regime militar argentino, ainda se reúnem semanalmente em protesto pacífico. Eu queria muito tê-las visto mas chegamos na sexta-feira e elas se reúnem às quintas :( Outros protestos acontecem ali, faixas são encontradas facilmente expondo alguma reivindicação. É também aqui a sede do governo, a Casa Rosada e outros prédios administrativos do país. A foto é da praça, mostrando - dá pra ver? - o Obelisco no final da Av. de Mayo.

San Telmo: Feira de antiguidades e de artesanatos. Amei as coisas vendidas ali! Quadrinhos feitos em ajulejos, moedas cortadas artisticamente, cd's antigos e recentes... e coisas de feiras hippies. Comprei uns lenços - adoooro pashminas - e foi, provavelmente nessas bancas de imigrantes, em sua maioria bolivianos, que encontrei alguns bichinhos que comeram minhas mãos! Como sou alérgica, até hoje estou tratando de picadas - pulgas? borrachudos? - que viraram machucados e só agora estão secando.

Avenida Corrientes: É o lugar mais "culto" que visitamos. Livrarias, sebos, teatros, lojas de cd's... Uma avenida linda! Andamos por lá na noite de sábado e ficamos encantadas com sua vida!

Passamos por outros lugares menos turísticos mas foram esses que me encantaram. Acho que o único no qual não voltaria seria "La Boca caliente". Os demais, visitaria com mais tempo.

Não fui em Palermo e Puerto Madero, outros points. Provavelmente os teria amado, mas ficaram pra próxima :(

Isso foi um resuminho, porque vimos tanta coisa bacana... Sabe aquela breguice de "cada mergulho um flash"? - hahaha, direto do túnel do tempo, né? - em Buenos Aires foi: cada esquina uma coisa bacana pra ser vista!


22 dezembro 2009

A noite em que os hotéis estavam cheios - Moacyr Scliar

(3ª postagem do dia)

O casal chegou à cidade tarde da noite. Estavam cansados da viagem; ela, grávida, não se sentia bem. Foram procurar um lugar onde passar a noite. Hotel, hospedaria, qualquer coisa serviria, desde que não fosse muito caro.

Não seria fácil, como eles logo descobriram. No primeiro hotel o gerente, homem de maus modos, foi logo dizendo que não havia lugar. No segundo, o encarregado da portaria olhou com desconfiança o casal e resolveu pedir documentos. O homem disse que não tinha, na pressa da viagem esquecera os documentos.

— E como pretende o senhor conseguir um lugar num hotel, se não tem documentos? — disse o encarregado. — Eu nem sei se o senhor vai pagar a conta ou não!

O viajante não disse nada. Tomou a esposa pelo braço e seguiu adiante. No terceiro hotel também não havia vaga. No quarto — que era mais uma modesta hospedaria — havia, mas o dono desconfiou do casal e resolveu dizer que o estabelecimento estava lotado. Contudo, para não ficar mal, resolveu dar uma desculpa:

— O senhor vê, se o governo nos desse incentivos, como dão para os grandes hotéis, eu já teria feito uma reforma aqui. Poderia até receber delegações estrangeiras. Mas até hoje não consegui nada. Se eu conhecesse alguém influente... O senhor não conhece ninguém nas altas esferas?

O viajante hesitou, depois disse que sim, que talvez conhecesse alguém nas altas esferas.— Pois então — disse o dono da hospedaria — fale para esse seu conhecido da minha hospedaria. Assim, da próxima vez que o senhor vier, talvez já possa lhe dar um quarto de primeira classe, com banho e tudo.

O viajante agradeceu, lamentando apenas que seu problema fosse mais urgente: precisava de um quarto para aquela noite. Foi adiante.:

No hotel seguinte, quase tiveram êxito. O gerente estava esperando um casal de conhecidos artistas, que viajavam incógnitos. Quando os viajantes apareceram, pensou que fossem os hóspedes que aguardava e disse que sim, que o quarto já estava pronto. Ainda fez um elogio.:

— O disfarce está muito bom. Que disfarce? Perguntou o viajante. Essas roupas velhas que vocês estão usando, disse o gerente. Isso não é disfarce, disse o homem, são as roupas que nós temos. O gerente aí percebeu o engano::

— Sinto muito — desculpou-se. — Eu pensei que tinha um quarto vago, mas parece que já foi ocupado.:

O casal foi adiante. No hotel seguinte, também não havia vaga, e o gerente era metido a engraçado. Ali perto havia uma manjedoura, disse, por que não se hospedavam lá? Não seria muito confortável, mas em compensação não pagariam diária. Para surpresa dele, o viajante achou a idéia boa, e até agradeceu. Saíram.:

Não demorou muito, apareceram os três Reis Magos, perguntando por um casal de forasteiros. E foi aí que o gerente começou a achar que talvez tivesse perdido os hóspedes mais importantes já chegados a Belém de Nazaré.

***
Neste post de Natal tudo foi escolhido com cuidado e amor.

A imagem de presépio porque os mesmos - criados por Francisco de Assis, sabiam? - são, na minha opinião, o único símbolo natalino que se encaixa no nosso Natal tropical. E o mais ligado à data, na verdade.

Já o conto do Scliar escolhi porque o adoro! Acho-o tocante, belíssimo!

Lembrando de quem é o nascimento que comemoraremos na próxima sexta-feira, desejo um Natal iluminado para todos vocês!

Que no meio da comilança e da troca de presentes, o aniversariante do dia seja lembrado e celebrado! E, mais importante, que seus ensinamentos possam tocar nossos corações e que aceitemos seu convite para segui-Lo.

E pra você - você sabe quem é você! rsrs - coragem dia 25, estarei aqui torcendo para que tudo dê muito certo, melhor ainda do que você espera! Parabéns pela iniciativa. Não esperava algo diferente vindo de você! ;)

Beijocas enormes cheias de carinho para todo mundo.

____
Imagem: http://www.tempodeviagem.blogspot.com/ - Presépio feito pelas Irmãzinhas de Jesus, do Convento de Fátima, Portugal.

20 dezembro 2009

Buenos Aires (5): As pessoas

(segunda postagem do dia)

Sinto decepcioná-los, mas eu já fui sem a impressão de antipatia dos argentinos e ela só se confirmou. Os únicos malvados conosco foram os motoristas de ônibus e vou falar logo deles pra depois falar das pessoas legais - as que, verdadeiramente, valem a pena serem citadas!
Os ônibus não têm cobradores. As passagens devem ser pagas em moedas que são depositadas em máquinas com cara de muito antigas, mas que são eficientíssimas, cobrando o valor exato e voltando troco.

Sei disso hoje, mas não sabia na manhã de sábado quando íamos pra La Boca. Entramos no ônibus e quando mostramos o dinheiro pro motorista ele disse que só podia pagar em moeda e mandou a gente descer. Que raiva, que grosso! Como não encontramos quem trocasse pra gente, acabamos pegando um táxi, que foi barato.

O outro ônibus também tinha um motorista grosso. Vai ver que o problema é que tô acostumada com os motoristas e cobradores queridos daqui de Foz.

E por falar em gente querida... todos os outros argentinos - tirando uma doida que encontramos no cemitério e que nos proibiu de tirar fotos dos gatos que moram ali. Bom, já tínhamos tirado umas trocentas fotos deles mesmo! rsrs - foram muito queridos. Pessoas na rua, nos pontos de ônibus, o dono do albergue com quem conversei bastantinho.

Na rodoviária, quando fomos levar a irmã da Angelice que teve que voltar antes, conheci um senhora de 83 muito fofa e lúcida que viajava sozinha e que deu dicas da Recoleta, para onde íamos em seguida e ainda ficou o tempo todo falando pra gente ter cuidado. Parecia uma vozinha nossa! rsrs

Em San Telmo, uma feira de artesanatos e antiguidades, encontramos expositores e vendedores gentis como nunca conheci! Pessoas que mostravam tudo pra gente sem ficar pressionando para comprarmos nem se importando se não comprávamos. Artistas que contavam dos seus trabalhos sem nos empurrar seus trabalhos.

No shopping mais turístico da cidade a simpatia foi a mesma, até na caríssima loja da marca de cosméticos M.A.C. - alô, batom custando R$ 50?! - onde já li gente dizendo que sofreu na mão dos vendedores.

Ah, e meu espanhol foi elogiado :D Uma senhora em San Telmo disse que pensava que eu era venezuelana - minha profe Nildi disse que perguntam a mesma coisa quando ela está lá! rsrs - e outro senhor elogiou também na mesma feira. Acho que eles estão acostumados com brasileiros que só falam portunhol...

Um povo elegante... Tudo bem que, como diz minha amiga Vik, sem chance de alguém ser elegante no verão de 40ºC de Foz, mas lá é todo mundo muito elegante mesmo! Até o pessoal mais simples.

E além de elegante, bonito! Os policiais, por exemplo... desconfio que é pré-requisito ser bonito pra seguir essa profissão em Buenos Aires: não vi um sequer feio! - a mesma amiga Vik, que legendou minhas fotos no orkut, colocou assim em uma foto que tirei com dois guardinhas atrás: "ai, me prende!", hahahah

Por todas as pessoas fofas encontradas eu quero dizer pra vocês que nem todos os argentinos são antipáticos ou metidos. Da mesma forma que tem gente assim no Brasil, lá tem também. E completo: encontrei gente muito mais gentil como prestadores de serviços do que costumo encontrar no Brasil!
___
Foto: Feira de San Telmo. Imagino que alguns na foto são argentinos - o resto é brasileiro mesmo :S

Buenos Aires (4): A cidade

Buenos Aires: amor verdadeiro, amor eterno... (suspiros...)

É sério, voltei encantada e apaixonada pela cidade. Linda de dia, linda de noite, gostosa, cosmopolita, plana - o que é ótimo pra quem gosta de andar...

Usamos muito pouco ônibus, pelo menos a Angelice e eu. Muita coisa é perto do albergue, mas mesmo as mais longinhas, como o bairro La Recoleta, cruzamos a pé.

Me encantei por poder passar frio em pleno mês de dezembro - gente, 22º ao meio-dia! -, mesmo que tivesse levado apenas um cadigã e uma calça jeans! Me encantei com tantos cães bem cuidados na rua. Me encantei com a Avenida 9 de Julio gigante que atravessávamos correndo com medo do sinal abrir - sim, sim... jacuzonas total! hahaha. Me encantei com a Av. Corrientes e seus teatros lotados no sábado à noite. Me encantei com o ar europeu, as pessoas elegantes, com as lojas baratas - das quais não usufruí muito porque fui com pouco dinheiro.

E que sistema de transporte! Tirando os motoristas antipáticos - falo deles quando falar das pessoas - a passagem mais cara de ônibus custa o equivamente a R$ 0,60 (!!) e o metrô - ou subte, como eles chamam - R$ 0,55. E tudo funcionando direitíssimo! O metrô de Buenos Aires é o mais antigo da América do Sul e algumas estações antigas me lembraram as estações londrinas.

Tem pobreza, claro. Vimos muitas crianças pedindo nas ruas e o que mais me revolta nisso é que são as mães que colocam esses infelizes ali, que nem no Brasil.

Ah, e as livrarias! Pra quem lê, Buenos Aires é um prato cheio! Na mesma Av. Corrientes dos teatros há várias livrarias e sebos, a maioria deles com livros muito baratos! Comprei dois - um de teoria literária e o outro de poesias do García-Lorca por R$ 5!

Mas a cidade tem um defeito. Quer dizer, não é bem um defeito, mas é algo chato: tá dominada por brasileiros! Gente do céu! É que nem estar em uma cidade brasileira em algumas regiões! Você ouve português ao seu redor o tempo inteiro! Não lembro de um - unzinho! - lugar onde não ouvimos um brasileiro por perto! Mas tá barato, né? Paciência...

Quero muito voltar! Mas com mais tempo e mais dinheiro para poder conhecer mais lugares fora do circuito turístico.
___
Foto: La Recoleta, meu bairro preferido visitado.

Buenos Aires (3): O albergue

(segundo post do dia)

Parece nome de filme de terror e na primeira noite pareceu realmente ser! Tínhamos reservado um dormitório só para nós - pelo menos assim pensamos -, no entanto, caímos em um quarto para oito com um banheiro só, e pavoroso!! Ainda tentamos pedir outro quarto mas a recepção no albergue foi bem desagradavelmente feita por um rapaz metido a gostosão - só porque era lindo! rsrs - e outro que no dia seguinte e nos demais até que se redimiu.

No dia seguinte pedimos para trocar de quarto - nossa intenção era não ficar lá, caso isso não fosse possível - e fomos passados para um quarto bem menor, nos fundos, mas com dois banheiros agradáveis. Ficamos por lá. A foto deste post não foi tirada por mim mas é da nossa porta, no 3º andar. O prédio é um dos muitos em estilo francês no centro da cidade. Antigo mas bem conservado. Depois da primeira impressão negativa, acabamos gostando do albergue por conta do café da manhã com um pãozinho sempre quentinho delicioso, da net grátis, e do quarto arrumado todo dia - que nem hotel! nos outros albergues que já fiquei, era sempre limpezinha básica que acontecia.

Ficamos com outras pessoas por lá, com quem mais conversei - o que nem foi muito na verdade - foram dois rapazes chilenos que estavam lá pra irem num show do AC/DC - como a Fer e o Márcio - mas praticamente tomamos o quarto: ficamos em um canto, nos apropriamos do banheiro, deixando nossas coisinhas lá - eles não podiam com 4 mulheres, coitados... rsrs

Uma coisa hilária: nosso quarto tinha apenas janelas para um vão no prédio, por onde ouvíamos sons de outros quartos e do que mais havia ali ao lado do nosso prédio. Na primeira noite a Fer chamou a gente dizendo que tinha um casal gemendo. Todos levantamos os ouvidos e ouvimos também. Mesma coisa na segunda noite. A Fer dizendo que já era suruba, que era um monte de gente. Na terceira e última noite, enquanto ela e o Márcio foram ao show, fui com a Ange num Carrefour lá perto pra comprarmos umas coisas pra fazermos lanche pra volta. Assim que saímos do albergue, ao lado do prédio, vimos um cinema. Eu me empolguei, adoro cinema! Mas no mesmo segundo lembrei de ter lido em algum lugar que tinha um cinema... pornô ao lado do albergue. Mistério dos gemidos descoberto: eram filmes que passavam, não gente no albergue! (hahaha) E nas noites de domingo pelo jeito rolam sessões extras porque a gemeção era mais alta e muito mais duradoura!

____

Foto: Milhouse Hostel (Hipo)

Buenos Aires (2): A ida e a volta

1288 km de distância. Intenção de fazermos em umas 15h de viagem.
Bão... a coisa não foi bem assim, nem na ida e nem na volta (rsrs). Pra começar, íamos sair daqui 4h da manhã para pegarmos no escuro a parte de estrada na Argentina conhecida na ida. O Márcio e a Fernanda, ele o dono do carro, acabaram chegando aqui depois das 6h. Resumindo, saímos da aduana argentina às 6h45. Ah, sem mapa das estradas. Parece uma grande mancada, né?

E foi! Nos perdemos por conta das estradas PESSIMAMENTE sinalizadas na Argentina - ótimas, mas sem placa nenhuma, praticamente. E só descobrimos que estávamos uns 100km errados porque eu invoquei que tínhamos que comprar um mapa! Mapa estudado, caminho errado encontrado, mais de 2h pra voltarmos pro caminho certo...

No resto, foi tranquilo. Estávamos a Fer, o Márcio, a Angelice e a irmã dela, a Analice. Ouvimos música, brincamos, conversamos, fizemos pequenas confidências... E passamos por três paisagens bem distintas, curiosamente cada uma em uma província atravessada: pinheiros num verde sem fim em Misiones, banhados em Corrientes, agravados por conta das chuvas acontecendo naquela época - essa província faz fronteira com Santa Catarina e Rio Grande do Sul, entenderam como choveu lá? - e campos e mais campos planos em Entre Ríos. A parte mais bonita e menos entediante era aqui de Misiones.

Chegamos em Buenos Aires à 1h30 nossa - meia-noite e meia deles. Quando entramos na província de Buenos Aires, já pertinho da cidade, foi um encantamento geral de todos com a ponte na divisa de províncias super-iluminada e linda e depois com a própria cidade de Buenos Aires, gigante, com avenidas gigantes, muita luz e, apesar de umas favelas, uma cidade linda desde sua entrada! Não tivemos dificuldades para chegar ao albergue porque ele fica super-bem-localizado e alguma plaquinha conseguimos encontrar já na capital!

A volta foi mais ou menos a mesma coisa: erramos caminho ainda na grande Buenos Aires, penamos pra encontrar a saída certa - aqui faltavam as benditas placas... aff! Mesmo clima gostoso - depois da tensão de erro de direção; eu disse que sofremos de labirintite! Almoçamos no lugar mais feio que já comi, mas um bifão à milanesa e arroz gostosos.

Chegamos em Foz por volta das 22h, mortos de cansados, mas vivos e, muito importante, sem termos tido qualquer problema com as gendarmerias de Corrientes e Entre Ríos que todo mundo, sem exceção, tinha nos dito que iam nos achacar. Nadinha, gente! Pelo contrário, muita gentileza sempre que fomos parados. Acho que muito contribuiu estar mulher na direção nas passagens mais críticas... E termos rezado na saída daqui e na de Buenos Aires.

Se faço de novo uma viagem dessas de carro? Faço, mas sem qualquer pressa de chegar e, de preferência, com mais uma pessoa só. E com mapa desde aqui de Foz!!
__
Foto: banhadão na província de Corrientes.

18 dezembro 2009

Colação de grau - A caneta

Ontem foi minha colação de grau. Parafraseando um certo senhor de língua presa, nunca antes na história da Unioeste - minha faculdade - uma colação demorou tanto! Tava marcada pras 19h, começou às 21h e saímos de lá, depois das comemorações com a turma, à meia-noite.

Mas foi muito emocionante e a homenagem mais linda que recebemos, em minha opinião, foi da professora que escolhemos como nome de turma.

Quando chegamos em nossas cadeiras encontramos um rolinho de papel pink - as meninas - e verde - os meninos, com nossos nomes escritos neles. Depois de muita especulação e de muito amassarmos o dito-cujo tentando descobrir o quê e de quem era, uma colega do meu lado abriu e descobrimos uma caneta com nosso nome gravado e a carta que segue abaixo:

"A caneta

O que é uma caneta? Um objeto simples, feito apenas pra registrar palavras e símbolos, que, através dos tempos, vem se aperfeiçoando e apaixonando alguns 'doidos' (como eu) que chegam ao cúmulo de mandar imprimir, neste objeto, nomes de pessoas queridas e amadas... Mas que também, injustamente, tem sido substituído pelos meios eletrônicos (haja vista este texto não ser escrito a caneta, né? rs)... Fazer o quê? Temos que acompanhar a evolução do mundo.

Mas, não deixem de valorizar aquela que deu uma boa ajuda para vocês chegarem até aqui, depois de quatro longos (ou curtos?) anos... Aqui, neste lugar e momento. Aquela que preencheu tantos cadernos (tá, alguns de vocês nem tiveram tantos cadernos, assim...) com anotações preciosas que não podiam ser decoradas; que realizou, ao comando das suas mãos, tantas provas e trabalhos; que assinou tantas solicitações de segunda chamada, de revisões de nota, formulários de matrícula... E que ainda vai acompanhá-los por uma longa caminhada de mais documentos e provas (ah, provas essas que, a partir de agora, não serão mais realizadas, mas corrigidas por vocês!!!!! hahahaha)

Bom, parafraseando a bíblia, 'uns gostam de carros, outros de cavalos e, alguns poucos gostam de canetas...' Eu sou uma dessas... Eu gosto de canetas e queria, por meio desta simples caneta, expressar o carinho que sinto por cada um de vocês, agradecer a paciência e o sono dispensados em cada aula de Linguística, de Morfossintaxe, de Variação Linguística e Preconceito e de GramáticaS (no plural, tá? hehe). Obrigada por terem me feito aprender mais sobre os assuntos de que mais gosto, por terem me feito usar muitas canetas!

Que Deus os abençoe SEMPRE!

Maridelma
Primavera de 2009"

E vocês têm uma chance pra adivinhar quem chorou ao terminar de ler essa carta linda e agora segura as lágrimas! rsrs

15 dezembro 2009

Ô, lá em casa!! (5)


Como comentei em post anterior, uma música do Muse foi o meu tema da viagem. E aí, com essa modernidade toda, cheguei aqui em Foz, entrei na net, fui ver a cara da banda e me encantei pelo baixista.

(pausa para suspiros... rsrs)

Então, a banda é uma delícia, um tipo de som que gosto muito e que me lembra A-ha, Coldplay, Radiohead...

Bom, mas aí no clipe mesmo que postei aqui descobri o Chris Wolstenhome. Mesmo fazendo parte de banda, o mocinho é rapaz sério: 31 anos, casado há 10, 4 filhos entre 8 e 1 ano, cheio de tatuagens "registrando" o amor pela família.

O que me espantou é que não é o mais festejado da banda, muito pelo contrário. Talvez porque seja o mais tímido, discreto, mesmo dono de um sorriso lindo de viver - como a internet torna toda informação próxima da gente! Em menos de uma semana já sei um monte do cara! hahaha

E é ele que tem sido meu colírio diário. O duro foi escolher a foto aqui pro post! Queria uma mais atual possível mas acabei escolhendo essa que tem uns 3 anos porque é uma na qual dá pra ver ele direito. O cabelo dele é o mesmo, o bigode/cavanhaque felizmente se fui!
***

Lembrando que devo fazer mais de uma postagem diária nos próximos dias. Essa já é a segunda de hoje ;)

"Fala-nos do amor"


Vocês conhecem Khalil Gibran? Ele foi um pintor e escritor libanês nascido no final do século XIX e que ficou muito conhecido por alguns livros publicados, principalmente O profeta.

Neste livro, um profeta, ao preparar-se para voltar para sua ilha natal, é inquirido pela população da cidade onde viveu por 12 anos a falar de algumas coisas. Mustafá fala da beleza, do tempo, das leis, dos filhos... e fala do amor. Comprei o livro domingo por R$ 9 - uma edição da L&PM Pocket - e quero dividir com vocês o que o profeta fala do amor por ser lindíssimo!

"Disse, então, Almitra: Fala-nos do Amor.

E ele levantou a cabeça e olhou para as pessoas, e o silêncio caiu sobre eles. E com uma voz poderosa ele disse:

Quando o amor vos chamar, segui-o.

Apesar do seu caminho ser duro e íngreme.

E quando suas asas vos envolverem, abraçai-o.

Apesar da espada escondida entre suas penas poder ferir-vos.

E quando ele falar convosco, acreditai nele,

Apesar de sua voz poder esfacelar vossos sonhos como o vento norte arruína o jardim.

Pois mesmo quando o amor vos coroa, eles vos crucifica. Mesmo sendo para o vosso crescimento, ele também vos poda.

Mesmo quando ele chega à vossa altura e acaricia vossos ramos mais tenros que tremem ao sol,

Ele também desce até vossas raízes e abala a vossa ligação com a terra.

Como feixes de milho, ele nos une a si próprio.

Ele vos ceifa para desnudar-vos.

Ele retira vossas espigas.

Ele vos mói até ficardes brancos.

Ele vos amassa até ficardes moldáveis;

E depois ele vos designa ao seu fogo sagrado, para que vós vos torneis o pão sagrado do sagrado festim de Deus.

Todas estas coisas o amor dará convosco até que conheçais os segredos dos vossos corações, e através deste conhecimento, vos torneis fragmentos do coração da Vida.

Mas se, por medo, buscardes apenas a paz do amor e o prazer do amor,

É melhor que cubrais a vossa nudez e que passeis da eira do amor

Para o mundo sem estações, onde rireis, mas não todo o vosso riso, e chorareis, mas não todas as vossas lágrimas.

O amor não dá nada além de si mesmo e não toma nada além de si mesmo.

O amor não possui nem é possuído;

Pois o amor é suficiente ao amor.

Quando vós amais, não deveis dizer: 'Deus está no meu coração', mas sim 'Estou no coração de Deus'.

E não pensai que podeis dirigir o curso do amor, pois o amor, se achar que mereceis, dirige o vosso curso.

O amor não tem outro desejo além de satisfazer a si mesmo.

Mas se vós amais e precisais ter desejos, que sejam estes os vossos desejos:

Derreter e ser como um riacho que corre e canta sua melodia para a noite.

Conhecer a dor do carinho demasiado.

Ser ferido pela vossa própria compreensão do amor;

Acordar ao amanhecer com o coração leve e agradecer por mais um dia de amor;

Descansar ao meio-dia e meditar sobre o êxtase do amor;

Voltar para casa ao entardecer com gratidão;

E então dormir com uma prece ao bem-amado em vosso coração e uma canção de louvor em vossos lábios."


Pois é, tem que ter muita coragem pra amar! (rsrs) Mas vale a pena, não vale??

***
Sei que ando em falta, sei que querem saber da viagem... Minha desculpa de hoje é que desde sábado estou sem minha câmera. Quero ilustrar os posts com minhas fotos que não baixei ainda. Farei isso, no máximo no final de semana.

Apesar do meu ritmo de férias - ainda mais que tô trabalhando à noite! - devo postar em alguns dias mais até do que um post só e aí me redimo com vocês. rsrs

10 dezembro 2009

Vi: Marley & eu


(sim, sim, eu sei que querem saber da viagem, mas acho que estou mais lerda do que o normal pra me adaptar ao fuso horário do Brasil... bom, é desculpa esfarrapada: eu ando com muita preguiça mesmo! rsrs)

Eu li o livro Marley e eu há uns 3 ou 4 anos, logo que foi lançado. Ganhei de Natal da Andrea, uma amiga que mora em São Paulo. Devorei o livro em uma tarde e uma manhã e terminei de lê-lo aos prantos, no meu serviço, atendendo o telefone com o nariz completamente entupido pelo choro que, em alguns momentos, era daqueles longos e de soluços.

Exagero? Quem pensa assim nunca teve um animal que amou verdadeiramente e pelo qual foi amado! Eu sou reticente com adaptações de livros pro cinema e não sei se um dia pretendia ver o filme, mas acontece que deixei o notebook que ganhei de presente de formatura dos meus pais com meu ex-marido pra instalar umas coisas e, de brinde, ganhei alguns filmes no meu bebezinho novo e a quarta temporada de LOST. Mas, voltando ao assunto Marley...

Então, quem acha que chorar pelo livro ou pelo filme sobre animais é exagero, nunca amou e/ou foi amado por um cão ou até mesmo um gato - sim, porque gatos também amam e podem ser animais devotados!

A história de Marley & eu (Marley & me, EUA, 2008), já deve ser conhecida da maioria de vocês: um casal recém casado, John e Jennifer, resolvem comprar um labrador, aliás, John o dá de presente pra esposa, para conter o instinto maternal dela. Acabam escolhendo um cachorrinho que chamam de "cãozinho de liquidação" porque é o que está mais barato na sua ninhada. Logo eles descobrirão porquê.

Marley, como é batizado, é o cão, literalmente! Terrível, terrível, terrível! Come tudo - incluindo móveis, paredes, jóias e mangas - é desobediente, elétrico... mas amoroso, doce, cuidadoso... O cachorro acompanha o começo da família de John e Jenni e, como acontece com todas as coisas vivas, chega a sua velhice - e é aí que, tanto o livro e o filme arrancam lágrimas de todos que se lembram de um cachorrinho que teve e adorava.

John Grogan, o autor do livro, é um jornalista que conta no mesmo que decidiu escrever o livro depois de contar histórias sobre o Marley em sua coluna e, principalmente o desfecho da história dos dois, ver a reação das pessoas, que o escreviam contando suas histórias com outros animais.

Bom, eu falei misturado do livro e do filme porque um é bem fiel ao outro - Grogan foi consultor para o filme e se disse satisfeito com o resultado final e as modificações necessárias para o cinema.

Recomendadíssimo pros que amam animais - e sei que são muitos os que andam por aqui e adoram cães e gatos - e tartarugas e coelhos, né Mel? rsrs! Mas, lembrem-se os mais sensíveis, de terem lenço por perto!

08 dezembro 2009

02 dezembro 2009

Gestos tão pequenos, coisas fáceis

Dia 17 de dezembro é minha colação de grau e hoje fui - espero! - pela última vez na fac, como acadêmica, pra protocolar a versão final, em capa dura - linda! - da monografia e fazer um pequeno agrado em duas pessoas: o "menino" responsável pela repografia na secretaria, o Osmar, e o "menino" responsável pelas fotocópias e afins no DCE, o Augusto.

Ontem fui no Paraguai e comprei latinhas daqueles biscoitos amanteigados dinamarqueses maravilhosos pra eles. O Augusto ficou mais emocionado - e até tirou cópia - do agradecimento que fiz à ele na monografia. O Osmar ficou tão surpreso com a lembrança que saiu da sua salinha e veio me dar um abraço beeeem forte e gostoso!

E era uma latinha de biscoito! Eu sei que não foi pelo presentinho e sim pelo gesto, e isso é uma das coisas mais gostosas de se presentear alguém - e daí ser tão frustrante não acertar! rsrs

Os meninos são os dois uns fofos! Me atenderam fora de horário - o Osmar -, fizeram muito fiado - o Augusto -, e sempre foram muito, muito gentis! Hoje, quando disse ao Osmar que era um agradecimento por ele ter sido sempre tão gentil, ele me disse: "mas eu digo 'não' também", e eu disse que pra mim ele nunca falou "não".

Eu tenho consciência que nunca me negou nada porque sempre passei por ele e o cumprimentei, porque sempre sorri ao vê-lo, porque sempre usei as palavrinhas mágicas "por favor" e "obrigada". Infelizmente nem sempre estou com o sorriso ou sou gentil, mas ver como isso funciona, é um estímulo pra ser sempre "querida".

***

E amanhã de madrugada viajo pra Buenos Aires de carro com amigos. Olha, foi um pequeno parto pra tudo dar certo: primeiro chefe ameaçando não me dar as folgas necessárias - isso porque eu até tenho "folga em haver". Depois amiga que ia trabalhar pra mim no dia que o chefe não deu folga - amanhã - dizendo que não poderia trabalhar mais. E ontem a amiga que ficaria lá em casa dizendo que não tem certeza que poderá ficar - alô! não tenho como viajar na incerteza!
Daí o chefe acabou me dando umas folgas. Resolvi o problema de amanhã fazendo uma troca tripla - complicado pra explicar, só vou dizer que terá gente trabalhando no meu lugar. E de ficar alguém em casa, pedi pra amiga que não poderá trabalhar amanhã ir lá em casa todos os dias, umas duas vezes, ver como está a bicharada e a casa. E agora é rezar pra que tudo dê certo e nada de errado aconteça - se Deus quiser, não acontecerá :)

Bom, mas falei da viagem por dois motivos: pra contar que estarei em terras "hermanas" nos próximos cinco dias - e provavelmente ficarei longe do blog esses dias -, e pra dizer que, no final, tudo termina bem, mesmo que não seja como a gente deseja e espera :)

***

E último mesmo: a Mãinha tá chegando domingo com meu irmão mais novo. Ela virá se consultar com seus médicos, ver se está tudo bem mesmo e passar as Festas conosco.

***

Por final da fac, pela viagem, pela minha mãe chegando... eu tô muito, muito feliz!!

(Pra quem não identificou, o título do post é um pedaço da música Coisas Fáceis, cantada pela Luciana Mello e composta pelo irmão dela, Jair de Oliveira - que pra mim vai ser sempre o Jairzinho do Balão Mágico! rsrs)