Pular para o conteúdo principal

Buenos Aires (2): A ida e a volta

1288 km de distância. Intenção de fazermos em umas 15h de viagem.
Bão... a coisa não foi bem assim, nem na ida e nem na volta (rsrs). Pra começar, íamos sair daqui 4h da manhã para pegarmos no escuro a parte de estrada na Argentina conhecida na ida. O Márcio e a Fernanda, ele o dono do carro, acabaram chegando aqui depois das 6h. Resumindo, saímos da aduana argentina às 6h45. Ah, sem mapa das estradas. Parece uma grande mancada, né?

E foi! Nos perdemos por conta das estradas PESSIMAMENTE sinalizadas na Argentina - ótimas, mas sem placa nenhuma, praticamente. E só descobrimos que estávamos uns 100km errados porque eu invoquei que tínhamos que comprar um mapa! Mapa estudado, caminho errado encontrado, mais de 2h pra voltarmos pro caminho certo...

No resto, foi tranquilo. Estávamos a Fer, o Márcio, a Angelice e a irmã dela, a Analice. Ouvimos música, brincamos, conversamos, fizemos pequenas confidências... E passamos por três paisagens bem distintas, curiosamente cada uma em uma província atravessada: pinheiros num verde sem fim em Misiones, banhados em Corrientes, agravados por conta das chuvas acontecendo naquela época - essa província faz fronteira com Santa Catarina e Rio Grande do Sul, entenderam como choveu lá? - e campos e mais campos planos em Entre Ríos. A parte mais bonita e menos entediante era aqui de Misiones.

Chegamos em Buenos Aires à 1h30 nossa - meia-noite e meia deles. Quando entramos na província de Buenos Aires, já pertinho da cidade, foi um encantamento geral de todos com a ponte na divisa de províncias super-iluminada e linda e depois com a própria cidade de Buenos Aires, gigante, com avenidas gigantes, muita luz e, apesar de umas favelas, uma cidade linda desde sua entrada! Não tivemos dificuldades para chegar ao albergue porque ele fica super-bem-localizado e alguma plaquinha conseguimos encontrar já na capital!

A volta foi mais ou menos a mesma coisa: erramos caminho ainda na grande Buenos Aires, penamos pra encontrar a saída certa - aqui faltavam as benditas placas... aff! Mesmo clima gostoso - depois da tensão de erro de direção; eu disse que sofremos de labirintite! Almoçamos no lugar mais feio que já comi, mas um bifão à milanesa e arroz gostosos.

Chegamos em Foz por volta das 22h, mortos de cansados, mas vivos e, muito importante, sem termos tido qualquer problema com as gendarmerias de Corrientes e Entre Ríos que todo mundo, sem exceção, tinha nos dito que iam nos achacar. Nadinha, gente! Pelo contrário, muita gentileza sempre que fomos parados. Acho que muito contribuiu estar mulher na direção nas passagens mais críticas... E termos rezado na saída daqui e na de Buenos Aires.

Se faço de novo uma viagem dessas de carro? Faço, mas sem qualquer pressa de chegar e, de preferência, com mais uma pessoa só. E com mapa desde aqui de Foz!!
__
Foto: banhadão na província de Corrientes.

Comentários

  1. Oi,

    Estou muito feliz, hoje é niver de marido!!
    Fiz um post especial para ele!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi Cíntia!

    Parabéns pro marido! Felicidades gigantes pra vocês dois :)

    Bjks.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que é um "scammer"?

Eu fico tanto tempo sem escrever que, quando volto, fico com vergonha, pode?
Em minha defesa quero dizer que andei muito ocupada e sem nada de interessante pra escrever e que ando visitando os blogs que curto mas NÃO CONSIGO comentar há semanas! Sempre dá erro.
Mas, vamos ao que me motivou voltar a escrever um post. E senta confortável porque a história é longa mas muito séria e importante de ser conhecida.
Vocês já ouviram falar em scammer ou scam?
Scam, traduzindo meia-boca do original inglês, é um golpe, trambique, cambalacho. Scammer é quem o pratica. Na internet os scams mais conhecidos são aqueles golpes que com certeza vocês já conhecem de receber um email dizendo que tem um dinheiro em um banco africano e que você foi escolhido pra ficar com aqueles milhões. Já não recebeu um desses emails?
Mas existe mais um tipo de scam que tem se alastrado e que eu conheci este final de semana, da forma mais dolorosa: quase sendo vítima dele. É o scam romântico.
Se por um lado eu me enverg…

As calcinhas no varal

Hoje lavei minha roupa e, ao estendê-la no varal, fiquei chocada com a "qualidade" de boa parte das calcinhas que ali estavam.

As mulheres que têm entre 30 e 35 anos provavelmente cresceram ouvindo suas mães dizerem para cuidar com a roupa de baixo que usa porque se desmaiar na rua todos verão a calcinha velha, o sutiã com alça encardida - nem é o tema do post, mas quero avisá-las que é verdade! Um ex-colega de faculdade, bombeiro, diz que sim, eles reparam, mesmo nos momentos mais complicados de socorro, se as "moçoilas" estão com calcinha feia! - e falarão que a dona da lingerie é uma porquinha!

Daí hoje, olhando as calcinhas no varal, eu fiquei pensando que ali estavam aquelas calcinhas que normalmente eu usaria só pra dormir. Mas eu não só durmo! Ou seja, eu saí com boa parte delas!!

"Analisando" o varal, lembrei de que eu sempre tentei ser caprichosa com o que vestia por baixo da roupa. Mesmo quando era casada tentava usar lingerie arrumadinha e depois,…

Poema XX - Pablo Neruda

Pablo Neruda é, acredito, o poeta hispano-americano mais conhecido no Brasil, seja por sua poesia, seja pelo filme O carteiro e o poeta.
Seu livro mais conhecido, Veinte poemas de amor y una canción desesperada, foi publicado quando ele tinha só 20 anos e hoje lemos o último poema de amor, o XX, na aula de Literatura Hispano-Americana.
Éramos poucos na sala e terminamos a leitura comovidos. A Vikki disse que se houvesse mais dois versos ela teria chorado e não foi exagero. Quem nunca perdeu um amor? Quem não sabe como isso realmente dói?
"Puedo escribir los versos más tristes esta noche.
Escribir, por ejemplo: 'La noche está estrellada, y tiritan, azules, los astros, a lo lejos.'
El viento de la noche gira en el cielo y canta. Puedo escribir los versos más tristes esta noche. Yo la quise, y a veces ella también me quiso.
En las noches como ésta la tuve entre mis brazos. La besé tantas veces bajo el cielo infinito.
Ella me quiso, a veces yo también la quería. Cómo no haber amado …