Pular para o conteúdo principal

Buenos Aires (6): Os passeios

Como disse anteriormente, andamos muito e vou tentar resumir minha impressão dos locais visitados.

Cementério de La Recoleta: Cemitério ponto turístico?! Pois é, que eu saiba só Buenos Aires e Paris têm tal coisa. E vale a pena visitar! Este cemitério tem túmulos gigantes, alguns têm escadas na entrada - em tamanho natural! Tristemente muitos túmulos andam bem abandonados. E novos moradores apareceram: gatos. A Fer brincou questionando o que eles comiam no cemitério para serem tão gordinhos... rsrs

Calle Florida: É o que os argentinos chamam de pietonal, o nosso calçadão. É bem no centro, tem muitas lojas bacanas, uns 20 McDonald's e uns 10 HSBC. Andamos lá duas vezes, compramos tranqueirinhas. Minhas lojas preferidas foram as de bijoteria e afins que tinham coisas baratésimas!

Galerias Pacífico: Fica na Calle Florida. É um shopping lindo, em um prédio antigo. Os vitrais da abóbada central são maravilhosos, as lojas super-chiques e a praça de alimentação óótema! Ah, e tem o melhor mapa grátis de Buenos Aires! rsrs

La Boca: Também chamada por mim de "la boca caliente", porque é um bairro bem turístico, mas boca quente mesmo, perigoso. É lá que fica La Bombonera, o estádio do Boca Juniors, e El Caminito, aquela rua com casas coloridas largamente fotografada e propagandeada. É bonito, mas turístico demais. No entanto, foi onde encontrei as lembrancinhas mais fofas, tipo imãs de geladeira, chaveiros, etc e tal. Também foi onde fomos sacaneados - perdão pela expressão - em um restaurante, mas conto disso quanto falar da comida.

Plaza de Mayo/Casa Rosada: Lembram das Mães da Praça de Mayo? É aqui ainda que essas senhoras, mães de desaparecidos durante o regime militar argentino, ainda se reúnem semanalmente em protesto pacífico. Eu queria muito tê-las visto mas chegamos na sexta-feira e elas se reúnem às quintas :( Outros protestos acontecem ali, faixas são encontradas facilmente expondo alguma reivindicação. É também aqui a sede do governo, a Casa Rosada e outros prédios administrativos do país. A foto é da praça, mostrando - dá pra ver? - o Obelisco no final da Av. de Mayo.

San Telmo: Feira de antiguidades e de artesanatos. Amei as coisas vendidas ali! Quadrinhos feitos em ajulejos, moedas cortadas artisticamente, cd's antigos e recentes... e coisas de feiras hippies. Comprei uns lenços - adoooro pashminas - e foi, provavelmente nessas bancas de imigrantes, em sua maioria bolivianos, que encontrei alguns bichinhos que comeram minhas mãos! Como sou alérgica, até hoje estou tratando de picadas - pulgas? borrachudos? - que viraram machucados e só agora estão secando.

Avenida Corrientes: É o lugar mais "culto" que visitamos. Livrarias, sebos, teatros, lojas de cd's... Uma avenida linda! Andamos por lá na noite de sábado e ficamos encantadas com sua vida!

Passamos por outros lugares menos turísticos mas foram esses que me encantaram. Acho que o único no qual não voltaria seria "La Boca caliente". Os demais, visitaria com mais tempo.

Não fui em Palermo e Puerto Madero, outros points. Provavelmente os teria amado, mas ficaram pra próxima :(

Isso foi um resuminho, porque vimos tanta coisa bacana... Sabe aquela breguice de "cada mergulho um flash"? - hahaha, direto do túnel do tempo, né? - em Buenos Aires foi: cada esquina uma coisa bacana pra ser vista!


Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que é um "scammer"?

Eu fico tanto tempo sem escrever que, quando volto, fico com vergonha, pode?
Em minha defesa quero dizer que andei muito ocupada e sem nada de interessante pra escrever e que ando visitando os blogs que curto mas NÃO CONSIGO comentar há semanas! Sempre dá erro.
Mas, vamos ao que me motivou voltar a escrever um post. E senta confortável porque a história é longa mas muito séria e importante de ser conhecida.
Vocês já ouviram falar em scammer ou scam?
Scam, traduzindo meia-boca do original inglês, é um golpe, trambique, cambalacho. Scammer é quem o pratica. Na internet os scams mais conhecidos são aqueles golpes que com certeza vocês já conhecem de receber um email dizendo que tem um dinheiro em um banco africano e que você foi escolhido pra ficar com aqueles milhões. Já não recebeu um desses emails?
Mas existe mais um tipo de scam que tem se alastrado e que eu conheci este final de semana, da forma mais dolorosa: quase sendo vítima dele. É o scam romântico.
Se por um lado eu me enverg…

As calcinhas no varal

Hoje lavei minha roupa e, ao estendê-la no varal, fiquei chocada com a "qualidade" de boa parte das calcinhas que ali estavam.

As mulheres que têm entre 30 e 35 anos provavelmente cresceram ouvindo suas mães dizerem para cuidar com a roupa de baixo que usa porque se desmaiar na rua todos verão a calcinha velha, o sutiã com alça encardida - nem é o tema do post, mas quero avisá-las que é verdade! Um ex-colega de faculdade, bombeiro, diz que sim, eles reparam, mesmo nos momentos mais complicados de socorro, se as "moçoilas" estão com calcinha feia! - e falarão que a dona da lingerie é uma porquinha!

Daí hoje, olhando as calcinhas no varal, eu fiquei pensando que ali estavam aquelas calcinhas que normalmente eu usaria só pra dormir. Mas eu não só durmo! Ou seja, eu saí com boa parte delas!!

"Analisando" o varal, lembrei de que eu sempre tentei ser caprichosa com o que vestia por baixo da roupa. Mesmo quando era casada tentava usar lingerie arrumadinha e depois,…

25 em 2013 - Livro 5: Sua resposta vale um bilhão

Eu sinto tanto só agora escrever sobre Sua resposta vale um bilhão que li em fevereiro! Principalmente porque vou deixar muita coisa bacana do livro de fora. Mas gostei tanto que, mesmo assim, vale a pena.
Minha história com o livro é longa. Sou apaixonada pelo filme Quem quer ser um milionário - sobre o qual comentei efusivamente aqui, há 4 anos. Naquela época eu já tinha me interessado pelo livro, primeiro do autor - um diplomata indiano - mesmo correndo o risco de me decepcionar com o filme depois de lê-lo.
Namorei o livro longamente até que encontrei na Estante Virtual - um site que reúne sebos do Brasil inteiro - no comecinho do ano. Paguei R$ 4- sim, quatro reais! - por uma edição praticamente nova.
Quanto à história, muita coisa é diferente do filme - e necessário, se pensarmos na impossibilidade de adaptar um livro inteiro pra 2h de película. Escrevendo isso, o que me vem à cabeça é que, na verdade, o filme é inspirado na idéia central, do menino pobre, criado no mundo e que ganh…