Pular para o conteúdo principal

Buenos Aires (3): O albergue

(segundo post do dia)

Parece nome de filme de terror e na primeira noite pareceu realmente ser! Tínhamos reservado um dormitório só para nós - pelo menos assim pensamos -, no entanto, caímos em um quarto para oito com um banheiro só, e pavoroso!! Ainda tentamos pedir outro quarto mas a recepção no albergue foi bem desagradavelmente feita por um rapaz metido a gostosão - só porque era lindo! rsrs - e outro que no dia seguinte e nos demais até que se redimiu.

No dia seguinte pedimos para trocar de quarto - nossa intenção era não ficar lá, caso isso não fosse possível - e fomos passados para um quarto bem menor, nos fundos, mas com dois banheiros agradáveis. Ficamos por lá. A foto deste post não foi tirada por mim mas é da nossa porta, no 3º andar. O prédio é um dos muitos em estilo francês no centro da cidade. Antigo mas bem conservado. Depois da primeira impressão negativa, acabamos gostando do albergue por conta do café da manhã com um pãozinho sempre quentinho delicioso, da net grátis, e do quarto arrumado todo dia - que nem hotel! nos outros albergues que já fiquei, era sempre limpezinha básica que acontecia.

Ficamos com outras pessoas por lá, com quem mais conversei - o que nem foi muito na verdade - foram dois rapazes chilenos que estavam lá pra irem num show do AC/DC - como a Fer e o Márcio - mas praticamente tomamos o quarto: ficamos em um canto, nos apropriamos do banheiro, deixando nossas coisinhas lá - eles não podiam com 4 mulheres, coitados... rsrs

Uma coisa hilária: nosso quarto tinha apenas janelas para um vão no prédio, por onde ouvíamos sons de outros quartos e do que mais havia ali ao lado do nosso prédio. Na primeira noite a Fer chamou a gente dizendo que tinha um casal gemendo. Todos levantamos os ouvidos e ouvimos também. Mesma coisa na segunda noite. A Fer dizendo que já era suruba, que era um monte de gente. Na terceira e última noite, enquanto ela e o Márcio foram ao show, fui com a Ange num Carrefour lá perto pra comprarmos umas coisas pra fazermos lanche pra volta. Assim que saímos do albergue, ao lado do prédio, vimos um cinema. Eu me empolguei, adoro cinema! Mas no mesmo segundo lembrei de ter lido em algum lugar que tinha um cinema... pornô ao lado do albergue. Mistério dos gemidos descoberto: eram filmes que passavam, não gente no albergue! (hahaha) E nas noites de domingo pelo jeito rolam sessões extras porque a gemeção era mais alta e muito mais duradoura!

____

Foto: Milhouse Hostel (Hipo)

Comentários

  1. Sheila que delícia e muita aventura nesta viagem! Adoro essas coisas hilárias que ocorrem nas viagens e viajar então é comigo mesmo, né?
    Estou me divertindo até com suas histórias em Buenos Aires......
    Aliás estou amando cada detalhe, hahahahahahaha
    Bjus

    ResponderExcluir
  2. Cris!

    Pois é, menina! Muito gostoso e aventura mesmo. É hilário, mas tem mais graça depois, né? Na hora a gente conta até 10 pra não ficar - muito! - brava e tals... rsrs

    Então, vou contar mais de como foi. Quero contar tudo, aliás ;)

    ResponderExcluir
  3. Não brinca tô com passagens compradas pra Buenos Aires, agora pra novembro e fiz reserva exatamente nesse albergue, pois pareceu ser muito divertido, mas pelo que vc relatou não parece ser bom... pode por favor me da informações sobre esse albergue? Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Oi Drea,

    Não tenho como entrar em contato com você por aqui porque não tenho seu email. Escreva pro meu - sheila.br@gmail.com - que terei prazer em falar do albergue pra você :)

    Beijocas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que é um "scammer"?

Eu fico tanto tempo sem escrever que, quando volto, fico com vergonha, pode?
Em minha defesa quero dizer que andei muito ocupada e sem nada de interessante pra escrever e que ando visitando os blogs que curto mas NÃO CONSIGO comentar há semanas! Sempre dá erro.
Mas, vamos ao que me motivou voltar a escrever um post. E senta confortável porque a história é longa mas muito séria e importante de ser conhecida.
Vocês já ouviram falar em scammer ou scam?
Scam, traduzindo meia-boca do original inglês, é um golpe, trambique, cambalacho. Scammer é quem o pratica. Na internet os scams mais conhecidos são aqueles golpes que com certeza vocês já conhecem de receber um email dizendo que tem um dinheiro em um banco africano e que você foi escolhido pra ficar com aqueles milhões. Já não recebeu um desses emails?
Mas existe mais um tipo de scam que tem se alastrado e que eu conheci este final de semana, da forma mais dolorosa: quase sendo vítima dele. É o scam romântico.
Se por um lado eu me enverg…

As calcinhas no varal

Hoje lavei minha roupa e, ao estendê-la no varal, fiquei chocada com a "qualidade" de boa parte das calcinhas que ali estavam.

As mulheres que têm entre 30 e 35 anos provavelmente cresceram ouvindo suas mães dizerem para cuidar com a roupa de baixo que usa porque se desmaiar na rua todos verão a calcinha velha, o sutiã com alça encardida - nem é o tema do post, mas quero avisá-las que é verdade! Um ex-colega de faculdade, bombeiro, diz que sim, eles reparam, mesmo nos momentos mais complicados de socorro, se as "moçoilas" estão com calcinha feia! - e falarão que a dona da lingerie é uma porquinha!

Daí hoje, olhando as calcinhas no varal, eu fiquei pensando que ali estavam aquelas calcinhas que normalmente eu usaria só pra dormir. Mas eu não só durmo! Ou seja, eu saí com boa parte delas!!

"Analisando" o varal, lembrei de que eu sempre tentei ser caprichosa com o que vestia por baixo da roupa. Mesmo quando era casada tentava usar lingerie arrumadinha e depois,…

25 em 2013 - Livro 5: Sua resposta vale um bilhão

Eu sinto tanto só agora escrever sobre Sua resposta vale um bilhão que li em fevereiro! Principalmente porque vou deixar muita coisa bacana do livro de fora. Mas gostei tanto que, mesmo assim, vale a pena.
Minha história com o livro é longa. Sou apaixonada pelo filme Quem quer ser um milionário - sobre o qual comentei efusivamente aqui, há 4 anos. Naquela época eu já tinha me interessado pelo livro, primeiro do autor - um diplomata indiano - mesmo correndo o risco de me decepcionar com o filme depois de lê-lo.
Namorei o livro longamente até que encontrei na Estante Virtual - um site que reúne sebos do Brasil inteiro - no comecinho do ano. Paguei R$ 4- sim, quatro reais! - por uma edição praticamente nova.
Quanto à história, muita coisa é diferente do filme - e necessário, se pensarmos na impossibilidade de adaptar um livro inteiro pra 2h de película. Escrevendo isso, o que me vem à cabeça é que, na verdade, o filme é inspirado na idéia central, do menino pobre, criado no mundo e que ganh…