Pular para o conteúdo principal

Sobre os dez anos de uma tragédia (Mulher 7x7)

Esse negócio todo de 11 de setembro foi bem cansativo nos últimos dias e ontem eu li um post no Mulher 7x7 que fala tudo o que eu penso sobre a data e o fato. Quis dividir com vocês:

Todas as vítimas do onze de setembro
Martha Mamede Batalha

Trabalho a menos de dois quilômetros de onde ficavam as Torres Gêmeas, mas vou começar este post por um lugar muito mais longe: Fiji. Em 2007, quatro homens apareceram no salão de beleza onde Lydia Qeraniu trabalhava como cabeleleira e ofereceram-lhe uma proposta irrecusável – trabalhar em um hotel luxuoso em Dubai, com um salário cinco vezes maior do que ela fazia em Fiji. O avião para Dubai sairia em poucos dias, ela só teria que entregar seu currículo, passaporte, passar por exames médicos e pagar 500 dolares para uma firma de recursos humanos local. Assim como Lydia, outras mulheres receberam a mesma proposta. Elas estavam tão animadas com a possibilidade de mudança que não conferiram que o visto em seus passaportes não era de trabalho, mas passes para estar no país por 30 dias. Elas também não sabiam que Dubai seria apenas a primeira parada. O destino final eram as bases militares americanas no Iraque e Afeganistão.

Lydia faz parte dos 70 mil profissionais recrutados em países do Terceiro Mundo e que hoje trabalham nas bases militares americanas no Oriente Médio. Eles são selecionados por empresas locais, contratadas pelo Pentágono. Quando chegam, descobrem que vão ganhar bem menos do que o combinado, têm seus passaportes confiscados e são mantidos em condições sub-humanas de trabalho. A Lydia foi prometido um salário entre 1500 e 3800 dólares. Na realidade, o contrato de trabalho, lhe dava um salário de 350 dólares por mês para trabalhar sete dias por semana, 12 horas por dia. As férias seriam a passagem de volta para seu país, depois de terminar o contrato.

Alguns meses depois de começar a trabalhar no Iraque, Lydia foi violentada por um supervisor. Ela foi encontrada pela repórter que escrevia a reportagem sobre ela e outros trabalhadores em bases militares chorando em posição fetal, no chão do seu quarto. Segundo Lydia, o sexo não consensual se tornou rotina.

Estas informacoes estavam em um artigo da revista New Yorker, do dia 6 de junho deste ano, escrito por Sarah Stillman. Eu li a reportagem algumas semanas depois da publicação, em cima de um aparelho elíptico. Queria apenas estar em dia com as minhas leituras. Mas, quando terminei o artigo, me dei conta de que nas semanas que separavam a publicação do momento em que eu lia a reportagem eu não havia escutado qualquer repercussão, em nenhuma outra mídia, sobre o que eu achava serem acusações extremamente graves. Tive vontade de sair do aparelho e correr pela rua, revista em punho, gritando: Você viu o que está escrito aqui? Os americanos não podem tratar gente humilde como fralda descartável!

Se eu havia entendido direito, os Estados Unidos estavam no Afeganistão para terminar com o grupo terrorista Al-Qaeda, que havia violado direitos humanos nos ataques de 11 de Setembro, e para terminar com este regime ele violava direitos humanos de pessoas humildes, subcontratando profissionais de Terceiro Mundo para trabalhar nas bases em condições semi-escravas.

Para mim foi inevitável não fazer a ligação da reportagem com o aniversário de 11 de Setembro.

Nos últimos dias, em Nova York, o 11 de Setembro é como aquela música que não sai do fundo do pensamento. Aquela que a gente cantarola sem querer. Nestes dias, todo mundo pensa que tem que pegar o metrô, parar pra almoçar, cortar as unhas, mandar um email, e que o 11 de Setembro aconteceu. A extensiva e detalhada cobertura da mídia relembra os mortos e heróis, mas muito pouco é dito sobre o que causou o ataque, e menos ainda sobre o que é preciso fazer para evitar outro. Aqui e ali foi feita a pergunta Por que os outros nos odeiam?, mas não foram tomadas medidas, ou levantadas discussões, sobre o que é preciso fazer para os outros pararem de odiar.

Subcontratar trabalhadores do Terceiro Mundo através do Pentágono, explorá-los e mandá-los pra casa depois de rôtos não vai aumentar o fã-clube dos americanos pelo mundo. E, na lista das Pessoas que Odeiam os Estados Unidos Muito Mesmo, e que podem vir a apoiar ataques ao país no futuro, podemos acrescentar os familiares dos dois mil trabalhadores do Terceiro Mundo mortos em bases militares, e os cinquenta e um mil que foram feridos e mandados para casa sem benefícios desde 2001, de acordo com a mesma reportagem da New Yorker.

Este é só um exemplo de tantos outros que aumentam o ódio mundial aos americanos. Sobra pra mim, que vim parar neste país por casualidade, e que nestes dias sinto a tensão de andar de metrô. E tenho na gaveta do trabalho um kit para usar caso aconteça um ataque terrorista, com lanterna, água, máscara e barras energéticas.

Talvez eu tenha uma visão mais global sobre o 11 de Setembro porque venha de outra cultura. É uma visão mais crítica, mas de forma alguma de ódio aos americanos. Este é um país incrível, generoso com as pessoas que estão em seu território, criativo, empreendedor, correto em tantas coisas. Mas parece que aqui existe o que há de melhor, e o que há de pior. Eu não consigo pensar só no que aconteceu aqui, mas no que aconteceu, acontece e acontecerá no resto do mundo como causa e conseqûencia dos ataques terroristas aos Estados Unidos.

É por isso que, no 11 de Setembro, eu penso nos 2,996 mortos dos atentados, e no mais de um milhão de civis mortos na guerra do Vietnam. Eu penso nos 1300 órfãos do ataque às Torres Gêmeas, e nos 5 milhões de órfãos da guerra do Iraque. Eu penso na tristeza dos americanos, e na tristeza dos chilenos, que há 38 anos no dia 11 de Setembro, perderam Salvador Allende assasinado num golpe militar – apoiado pelos Estados Unidos.

Há muitos mais mortos no meu 11 de Setembro. Destes mortos, 2,996 receberam obituários e biografias no New York Times, e milhões foram enterrados como indigentes, ou não enterrados, tendo simplesmente desaparecido da vida e da memória, porque faziam parte da história dos vencidos, e não da história dos vencedores.

Pra mim, o 11 de Setembro é um dia muito, muito mais triste.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que é um "scammer"?

Eu fico tanto tempo sem escrever que, quando volto, fico com vergonha, pode?
Em minha defesa quero dizer que andei muito ocupada e sem nada de interessante pra escrever e que ando visitando os blogs que curto mas NÃO CONSIGO comentar há semanas! Sempre dá erro.
Mas, vamos ao que me motivou voltar a escrever um post. E senta confortável porque a história é longa mas muito séria e importante de ser conhecida.
Vocês já ouviram falar em scammer ou scam?
Scam, traduzindo meia-boca do original inglês, é um golpe, trambique, cambalacho. Scammer é quem o pratica. Na internet os scams mais conhecidos são aqueles golpes que com certeza vocês já conhecem de receber um email dizendo que tem um dinheiro em um banco africano e que você foi escolhido pra ficar com aqueles milhões. Já não recebeu um desses emails?
Mas existe mais um tipo de scam que tem se alastrado e que eu conheci este final de semana, da forma mais dolorosa: quase sendo vítima dele. É o scam romântico.
Se por um lado eu me enverg…

As calcinhas no varal

Hoje lavei minha roupa e, ao estendê-la no varal, fiquei chocada com a "qualidade" de boa parte das calcinhas que ali estavam.

As mulheres que têm entre 30 e 35 anos provavelmente cresceram ouvindo suas mães dizerem para cuidar com a roupa de baixo que usa porque se desmaiar na rua todos verão a calcinha velha, o sutiã com alça encardida - nem é o tema do post, mas quero avisá-las que é verdade! Um ex-colega de faculdade, bombeiro, diz que sim, eles reparam, mesmo nos momentos mais complicados de socorro, se as "moçoilas" estão com calcinha feia! - e falarão que a dona da lingerie é uma porquinha!

Daí hoje, olhando as calcinhas no varal, eu fiquei pensando que ali estavam aquelas calcinhas que normalmente eu usaria só pra dormir. Mas eu não só durmo! Ou seja, eu saí com boa parte delas!!

"Analisando" o varal, lembrei de que eu sempre tentei ser caprichosa com o que vestia por baixo da roupa. Mesmo quando era casada tentava usar lingerie arrumadinha e depois,…

25 em 2013 - Livro 5: Sua resposta vale um bilhão

Eu sinto tanto só agora escrever sobre Sua resposta vale um bilhão que li em fevereiro! Principalmente porque vou deixar muita coisa bacana do livro de fora. Mas gostei tanto que, mesmo assim, vale a pena.
Minha história com o livro é longa. Sou apaixonada pelo filme Quem quer ser um milionário - sobre o qual comentei efusivamente aqui, há 4 anos. Naquela época eu já tinha me interessado pelo livro, primeiro do autor - um diplomata indiano - mesmo correndo o risco de me decepcionar com o filme depois de lê-lo.
Namorei o livro longamente até que encontrei na Estante Virtual - um site que reúne sebos do Brasil inteiro - no comecinho do ano. Paguei R$ 4- sim, quatro reais! - por uma edição praticamente nova.
Quanto à história, muita coisa é diferente do filme - e necessário, se pensarmos na impossibilidade de adaptar um livro inteiro pra 2h de película. Escrevendo isso, o que me vem à cabeça é que, na verdade, o filme é inspirado na idéia central, do menino pobre, criado no mundo e que ganh…