25 novembro 2008

Ismália

Quando Ismália enlouqueceu,
Pôs-se na torre a sonhar...
Viu uma lua no céu,
Viu outra lua no mar.

No sonho em que se perdeu,
Banhou-se toda em luar...
Queria subir ao céu,
Queria descer ao mar...

E, no desvario seu,
Na torre pôs-se a cantar...
Estava perto do céu,
Estava longe do mar...

E como um anjo pendeu
As asas para voar...
Queria a lua do céu,
Queria a lua do mar...

As asas que Deus lhe deu
Ruflaram de par em par...
Sua alma subiu ao céu,
Seu corpo desceu ao mar...

(Alphonsus de Guimaraens)
__________________________________
Foto: Ophelia by Eronipple

(Sempre achei que Ismália se parecia muito com Ofélia, de Hamlet... E é essa a imagem que sempre faço dela. Um dos meus poemas preferidos do Simbolismo)

4 comentários:

  1. Puxa, nunca tinha pensado dessa forma, mas agora que vc disse são mesmo parecidas...

    ResponderExcluir
  2. Eu terminaria essa história de outro jeito...

    "De súbito, se arrependeu,
    Após a lucidez retornar,
    Seu pranto subiu ao céu,
    Sua lágrima desceu ao mar..."

    En passant: pedindo data venia ao nosso estimado irmão Alphonsus de Guimaraens. ^^"

    Eu só quis deixar o final um pouco mais feliz... :P

    ResponderExcluir
  3. Mesmo seu final sendo menos triste, ainda prefiro o do Guimaraens... É exatamente esse drama que embeleza a poesia.

    Beijocas.

    P.S. Mas sou pelos finais felizes, na vida real ;)

    ResponderExcluir