Pular para o conteúdo principal

... y otras cositas (13)

Edição 13 do ... y otras cositas no dia 13!

Aff, ando com o tempo tão corrido que nada tem a ver com o clima de férias! Desde quinta-feira passada tenho acordado bem cedo - pra quem tá de férias, com climinha friozinho, 8h é bem cedo, rsrs - pra tentar resolver coisas pendentes minhas e do meu irmão: levando roupas no conserto, levando ele pra fazer Título de Eleitor... Não tem como não aproveitar este tempo pra resolver questõezinhas que o dia corrido nosso, quando estou trabalhando, nos impedem de fazer.

***

Acho que, finalmente, agora posso ser chamada de professora: arranjei um aluno para aulas particulares de Português. Ele é um engenheiro turco que trabalhou um tempo no Haiti - antes do terremoto - e em Trinidad e Tobago e que, passando por Foz e esperando a resolução de uns problemas com seu passaporte, resolveu aprender português. Tô gostando, ele é esperto, aprende rápido e, principalmente, é experiência que eu tô ganhando.

Outra guria já apareceu, agora interessada em aulas de Espanhol. Ainda não me respondeu depois que passei os valores.

***

Os gatinhos da Kitty de Nazaré começarão a ser dados essa semana. Estão tão fofos e engraçadinhos que tô com dozinha. Felizmente todos praticamente já têm donos - só uma que está esperando a possível dona se recuperar de uma cirurgia - e tudo gente boa, que gosta mesmo de gato.

***

Eu tenho uma prima que, quando era criança, passava mal antes de viajar, de ter febre e tudo. Um médico diagnosticou ansiedade.

Não passo mal nem nada, mas fico muito ansiosa também antes de viajar. A ficha só começou a cair ontem e fico pensando direto que, em poucos dias já estarei lá.

(que em poucos também já estarei de volta, não quero pensar :(


***

E, por conta da viagem, ontem rolou ida ao Paraguai. Cansativérrimo! Fui comprar as coisas que o meu irmão Lucas encomendou e, como tinha uma câmera fotográfica no meio - gente, linda, Olympus e custando só US$ 111!! -, resolvi declará-la com outras coisas compradas.

Então, como contei pra Lanny em um comentário, isso de declarar é obrigatório pra quem compra menos do que os US$ 300 de cota de compras sem impostos. Acima disso tem que legalizar a mercadoria, pagar 50% sobre o valor que excede a cota e tals. E abaixo tem a tal declaração, a DBA - Declaração de Bagagem Acompanhada. Ontem, justo ontem, a fila tava gigante. Fora a grosseria de TODOS os funcionários, dos da Receita Federal até os digitadores terceirizados. Mas, entre mortos de cansaço e feridos com pés doendo dentro dos tênis, salvaram-se todos.

***

Amanhã completo 35 anos. Tenho sentido uma mistura de emoções, de alegria a tristeza, sentimento de derrota. Obviamente, tenho tentado ficar com os pensamentos positivos, mas não é muito fácil porque fico pensando em o tanto de tempo que já vivi e o que não construí - nem família, nem trabalho que me realize, nem o homem amado comigo, nem tranquilidade financeira...

Bom, mas amanhã rolará um bolo aqui - aliás, preciso ir encomendar! -, salgadinhos e refri para quem aparecer. Convidei gente amada "de fora" - alguém mais se refere a pessoas de outras cidades como "de fora"? rsrs - mas acho que não virá.

***

Eu tenho visto tanto, mas tanto filme bacana! Eu sei que já contei isso e falei que ia postar comentários dos filmes e tô com vergonha de quem ficou esperando, mas sabe quando não calha de coincidir vontade com tempo?

A maioria eu vi em casa mesmo, mas fui ver Chico Xavier no cinema duas vezes semana passada, uma sozinha e outra com duas evangelizandas minhas - eu gosto de ir no cinema sozinha. Tudo bem que nem fiquei tão sozinha porque encontrei uma ex-evangelizanda com a mãe. O filme, inclusive, gerou uma discussão bem gostosa com um colega da lista de cinema da qual faço parte. Quem quiser ler no blog do Sílvio, eis o link.

***

E é isso, que eu já escrevi demais e preciso dar uma atenção à casa, agora.

Até a próxima!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que é um "scammer"?

Eu fico tanto tempo sem escrever que, quando volto, fico com vergonha, pode?
Em minha defesa quero dizer que andei muito ocupada e sem nada de interessante pra escrever e que ando visitando os blogs que curto mas NÃO CONSIGO comentar há semanas! Sempre dá erro.
Mas, vamos ao que me motivou voltar a escrever um post. E senta confortável porque a história é longa mas muito séria e importante de ser conhecida.
Vocês já ouviram falar em scammer ou scam?
Scam, traduzindo meia-boca do original inglês, é um golpe, trambique, cambalacho. Scammer é quem o pratica. Na internet os scams mais conhecidos são aqueles golpes que com certeza vocês já conhecem de receber um email dizendo que tem um dinheiro em um banco africano e que você foi escolhido pra ficar com aqueles milhões. Já não recebeu um desses emails?
Mas existe mais um tipo de scam que tem se alastrado e que eu conheci este final de semana, da forma mais dolorosa: quase sendo vítima dele. É o scam romântico.
Se por um lado eu me enverg…

As calcinhas no varal

Hoje lavei minha roupa e, ao estendê-la no varal, fiquei chocada com a "qualidade" de boa parte das calcinhas que ali estavam.

As mulheres que têm entre 30 e 35 anos provavelmente cresceram ouvindo suas mães dizerem para cuidar com a roupa de baixo que usa porque se desmaiar na rua todos verão a calcinha velha, o sutiã com alça encardida - nem é o tema do post, mas quero avisá-las que é verdade! Um ex-colega de faculdade, bombeiro, diz que sim, eles reparam, mesmo nos momentos mais complicados de socorro, se as "moçoilas" estão com calcinha feia! - e falarão que a dona da lingerie é uma porquinha!

Daí hoje, olhando as calcinhas no varal, eu fiquei pensando que ali estavam aquelas calcinhas que normalmente eu usaria só pra dormir. Mas eu não só durmo! Ou seja, eu saí com boa parte delas!!

"Analisando" o varal, lembrei de que eu sempre tentei ser caprichosa com o que vestia por baixo da roupa. Mesmo quando era casada tentava usar lingerie arrumadinha e depois,…

25 em 2013 - Livro 5: Sua resposta vale um bilhão

Eu sinto tanto só agora escrever sobre Sua resposta vale um bilhão que li em fevereiro! Principalmente porque vou deixar muita coisa bacana do livro de fora. Mas gostei tanto que, mesmo assim, vale a pena.
Minha história com o livro é longa. Sou apaixonada pelo filme Quem quer ser um milionário - sobre o qual comentei efusivamente aqui, há 4 anos. Naquela época eu já tinha me interessado pelo livro, primeiro do autor - um diplomata indiano - mesmo correndo o risco de me decepcionar com o filme depois de lê-lo.
Namorei o livro longamente até que encontrei na Estante Virtual - um site que reúne sebos do Brasil inteiro - no comecinho do ano. Paguei R$ 4- sim, quatro reais! - por uma edição praticamente nova.
Quanto à história, muita coisa é diferente do filme - e necessário, se pensarmos na impossibilidade de adaptar um livro inteiro pra 2h de película. Escrevendo isso, o que me vem à cabeça é que, na verdade, o filme é inspirado na idéia central, do menino pobre, criado no mundo e que ganh…