09 maio 2010

Para as que não são mães


Desde ontem eu tenho pensado nas mulheres que não comemoram o Dia das Mães e que sentem por isso.

Há mulheres que optam por não serem mães. Aceito a escolha delas mesmo sem entender. Acho egoísta mas, repito, aceito.

Mas há muitas que querem muito ser mães e não conseguem. Fui uma delas. Boa parte do meu casamento eu passei tentando, sem sucesso, engravidar. Todo mês é triste quando a gente tá tentando ter um bebê. Menstruar é uma frustração gigante. Aniversário da criança é desconfortável - isso se somos convidadas, passei anos sem ser convidada sequer pras festas da família porque "eu não tinha criança pra levar". Amiga grávida é uma sensação mista de alegria por ela e tristeza por nós. Responder que não, não temos filho, é irritante - além de ser grosseiro da parte de quem estende o assunto e pergunta, estupidamente, porque você não tem filhos!

E Dia das Mães... então, Dia das Mães é a lembrança do seu fracasso. A gente fica feliz pela mãe, pela irmã, pela cunhada, pelas amigas... Mas isso tudo só reforça a lembrança de que você "não conseguiu".

Em muitos momentos me senti muito mal por isso. Chorei muito - tá bom, eu choro bastante, mas chorava mais, rsrs - mas, curiosamente, eu nunca questionei a Deus o porquê do filho esperado que não veio. Nunca me senti injustiçada nem nada. Mas saber que tudo tem sua hora certa e que um motivo para acontecer ou não, ajuda, mas não resolve.

Escrevendo aqui eu posso, sinceramente, dizer que não sinto mais essas coisas. Eu consigo ser realista que, aos 35 anos, sem um relacionamento sério, as chances de que eu me torne mãe são muito pequenas e eu aceito isso. Mas, sabendo como é, sinto pelas mulheres que estão tentando engravidar, que passam por inseminações artificiais frustradas, que passam por abortos espontâneos que a ciência não explica, que perderam a chance de term um bebê por conta de doenças ou cirurgias...

Minha lembrança e meu post de hoje é pra elas.

E também pra minha cunhada Mariana que sexta-feira, prestes a começar um tratamento para engravidar, descobriu que a cegonha já vem vindo - e a alegria do meu irmão me contando a novidade ao telefone foi uma das coisas mais emocionantes que já ouvi!

____
Foto: Mother by Aethene

6 comentários:

  1. Shei, eu sei que não deve se comparar ao ter seu próprio bebê, gerado por você ou adotado, mas hoje eu pensei sobre isso de ser mãe e achei que é mais abrangente do que a gente costuma achar. Primeiro que eu tento fugir um pouco de pensar sobre o dia das mães, não por não ser uma (ainda bem que ainda não sou, acho que tô muito nova pra isso, né? hehe), mas por não ter a minha aqui mais. eu ainda me sinto no papel só de filha, e não de mãe. mas aí fiquei pensando em pra quem eu gostaria de dar feliz dia das mães, e várias pessoas me vieram a cabeça, pessoas que se comportaram como mães pra mim em vários momentos. porque ser mãe é cuidar, puxar a orelha, dar carinho e bolo de limão, é amar! e acabei percebendo que em vários momentos eu também tive papel de mãe na vida das pessoas, da mãe que só quer passar a mão na cabeça e daquela que enche o saco também (mas só porque acha que tá fazendo a coisa certa pra pessoa). então, como você já sabe, amigos de verdade tem muitos papéis nas nossas vidas, e como já corri pra você algumas vezes em que a única coisa que eu queria era um colinho de mãe, FELIZ DIA DAS MÃES, amiga amada!
    acabei de ver uma reportagem linda sobre adoção na tv, já pensou nisso? (apesar de que, vamos ser honestas, tá meio nova pra dizer que não dá mais tempo de ter filhos naturais, né, drama queen?).

    te amo, linda!

    ResponderExcluir
  2. Sheila, fiquei tão emocionada e comovida com a homenagem da Vik pra ti que perdi a escrita...
    Vc é demais de especial e olha que somos amigas de blog, é de coração que te digo isso , porque é isto que sinto , um carinho especial por vc.
    Feliz dia da mães pra sua mamys, e pra sua cunhada felicidades e muita saúde à ela e o neném.
    Bjus

    ResponderExcluir
  3. Oi Sheila, sempre leio seu blog, quase nunca comento por que não tenho o habito de comentar mesmo...Mas lendo esse post especificamente fiquei muito tocada pois de uma estranha forma o que tu disse é como a trajetória de uma tia. Ela foi casada com o irmão do meu pai durante nove anos e nunca conseguiu- não gosto do termo, mas vá lá- engravidar. Senti que de certa forma foi isso que acabou minando a relação deles, como ela tão tinha filhos sempre quando era convidada pra ir a festas ela me levava e mais do que isso, ela cuidava de mim já que minha mãe dava aulas o dia todo. Ela acabou se tornando um pouco minha mãe.
    Eu ia dizer bem o que a Vikki disse ae em cima, ser mãe é muito mais do que parir é justamente esse cuidado, sabe essa liberdade de interferir na vida do outro, de somar mesmo!
    A propósito ela se casou a uns anos e se descobriu grávida uns meses depois sem ter planejado e tals. O bebe se chama Carlos em minha homenagem,eu cuido dele e me sinto um pouco mãe dele.

    Por que eu estou escrevendo tudo isso? Não sei, nem sei se te interessa mas queria te desejar feliz dia das mães e beijos

    ResponderExcluir
  4. Minha querida Vikki,

    Depois de chorar, de enxugar as lágrimas, de respirar fundo, vim aqui comentar seu comentário. rsrs

    Algumas vezes em me sinto fazendo papel de mãe com você. Não estudado nem nada, mas porque você me procura e eu sei que você precisa disso. E porque te ajudar, de servir bolo de limão, te ouvir e te abraçar me faz bem também. Me parece que, muito do que nos une, é graças a esse amor, muitas vezes maternal, que existe entre a gente.

    Não sou drama queen, bocuda. De verdade, não penso nisso. Adoção faria parte dos meus planos... se eu quisesse, hoje, ser mãe. Mas tenho as amigas, tenho os sobrinhos, os evangelizandos... Por enquanto, tô satisfeita ;)

    Obrigada pelo carinho de sempre. Saudades, bonequinha.
    ___

    Cris querida,

    Feliz Dia das Mães pra você!! Que o fióte - como diz meu pai - lhe traga cada vez mais alegrias :))

    (e a Vikki é fogo! Sempre me faz chorar! rsrs)
    ____

    Carla, florzinha

    Que linda a história da sua tia! Como escrevi pra Vikki, agora a vontade passou, ou adormeceu. Quem sabe volta ;)

    Eu adorei o seu comentário! Não fica pensando porque tá escrevendo ou no que pensará quem lerá. Só escreva. Você escreve tão bem!!
    ____

    Beijocas, queridas, linda semana pra vocês.

    ResponderExcluir
  5. ain, amiiiga! você também tem esse dom de me fazer fica toda mimimi com as coisas que escreve (e que cozinha!) hehehe.
    ah, eu preciso fazer mais um comentário: a guria da foto tem as minhas pernas (inclusive os moretones). ahahahhaa

    aahh, e parabéns pra mais nova mamãe Mariana, também!

    ;*;*

    ResponderExcluir
  6. hahaha Adoro esse "mimimi" seu!

    Então, que bom que tem alguém que gosta do que eu cozinho. Sinto falta disso com você também.

    A menina da foto tem a perna mais escurinha que a sua, miga... 8-)

    Darei os parabéns pra Mariana.

    Beijocas.

    ResponderExcluir