15 maio 2011

Tudo em família


(Este post teve que ser editado porque estava gigante! Segue agora na versão "ataiada")

Meu primeiro post aqui, em outubro de 2008 falava dos brechós familiares.

Quanta roupa a gente não compra e acaba usando nada ou muito pouco porque deixa de nos servir, ou descobrimos que não gostamos? Foi pensando nisso que inventamos os nossos brechós que acontecem na casa uma tia ou prima, ocasionalmente. Levamos roupas, sapatos, acessórios, maquiagens e sei lá mais o que, que não gostamos ou não usamos e tentamos trocar por coisas bacanas dos guarda-roupas alheios que nos agradem.
 
Hoje fizemos um brechó na casa de uma tia minha. Voltei pra casa sem uma camisa branca, um vestido e uma bata animal print, uma blusa de malha colorida, um vestidinho verde e uma camisa de musselina estampadinha - eu tô parecendo muito perua com essa estampaiada toda mas não sou, juro gente! E levei comigo um blazer preto perfeito do qual precisava muito, um blush meio pêssego que peguei numa troca da minha mãe - que costuma não levar nada mas volta sempre com algo... - uma blusinha verde de malha e uma outra de um tecido que não sei o nome. Tenho uma troca em haver com uma tia e fiquei satisfeita com as aquisições de hoje; atualmente estamos em um nível legal, mas já aconteceu de uma pessoa levar coisas bem derrubadinhas e querer trocar por coisas boas - ahan, senta lá Cláudia.
 
Queria passar a dica pra vocês. Pra que ficar guardando coisa pra quando emagrecer, pra quando perder a barriga, pra quando voltar à moda, etc, etc, etc?

Se alguém aderir, me conta!

Um comentário:

  1. HAHA olha que idéia legal! gostei :)
    o problema é que são as coisas derrubadinhas que podem aparecer ... quero saber dos babados dessa! hahahahah (6)

    ResponderExcluir