Pular para o conteúdo principal

"Foi assim, como ver o mar..."

Eu fiquei no estado de São Paulo do dia 23 ao dia 29 de março. Nos 4 últimos, na Praia Grande, na casa da Kátia, uma amiga muito querida.

No caminho, descendo pela estrada mais linda que conheço no Brasil, fui pensando em um post do Servo da Gleba falando do mar e no meu comentário de que normalmente quem o tem pertinho de si, não percebe o tesouro que tem.

E é isso que sempre percebo quando estou no litoral (o que, infelizmente, por morar a 700km das praias mais próximas, não acontece com muita frequência).

Eu me esbaldei, não com muito cuidado, admito envergonhada, mas não tinha como! Primeiro que eu tinha poucos dias, já que no domingo, saí cedinho de lá rumando pro aeroporto em São Paulo, e segundo porque eu precisava do cheirinho do mar, precisava daquela brisa, precisava caminhar na praia, precisava da marquinha de biquini e queria até os olhos ardendo e a pele e os cabelos cheios da areinha que dificilmente sai depois que entramos na água deliciosamente salgada!

Não acho que tem dia ruim pra praia. Pode ser coisa de quem é desesperado demais ou "caipirão", mas eu sou assim, porque meus dias em praias sempre foram limitados. Em Fortaleza (ou Natal) uma vez, no último dia que tínhamos na cidade (meus pais, meus irmãos e eu, todos crianças ainda), fomos pra praia com chuva. E poucos dias foram tão deliciosos naquelas férias!

No dia que vim embora, olhava, ao lado da Ká e da mãe, um dia nublado que começava, não com o delicioso sol que havia feito nos dias anteriores, mas mesmo assim lindo, e senti não poder aproveitar mais aquele momento na praia. E a vista ali da lavanderia, com o mar logo depois da avenida, era maravilhosa! Mas minha amiga e sua mãe reclamavam que o o sol estava uma porcaria.

A minha vontade foi puxar as orelhas das duas e dizer que elas não sabiam o que falavam e completar: "Experimentem, gurias, ir à praia a cada 4 anos mais ou menos e depois me digam se até em um dia nublado, não vale a pena ao menos uma longa caminhada na areia fofinha!"

________
(Não é a Praia Grande na foto)

Comentários

  1. "Não acho que tem dia ruim pra praia."

    E realmente não há!

    Praia de todo jeito é boa, porque a Natureza sempre é fantástica e bela (e por vezes trágica) nas suas mais variadas manifestações!

    Esses momentos são impagáveis e devem ser aproveitados ao máximo!

    Eu me "esbaldo" quando vou, por exemplo, andar a cavalo na fazenda de um grande amigo meu, no interior de Alagoas... À noite, então... Hummm... Ver aquele céu pontilhado de estrelas... \o/

    Adoro caminhar na praia com chuva. Dá uma rara sensação de liberdade, além de ser altamente revigorante! =´)

    En passant: em contato com a natureza, pode deixar de lado, sem medo de se feliz, seus "pudores etários", Sheila. ;)

    Beijão na bochecha, minha linda!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Sheila! Praia é muito bom mesmo! E eu sou viciada, vou todos os dias bem cedinho, com exceção daqueles chuvosos...rs rs rs... nesse aspecto acho que não tenho a sua resistência... rs rs rs
    Boa Páscoa para você!
    Um cheiro grande.

    ResponderExcluir
  3. Pois é, Servo,

    Não consigo ver praia em dia ruim, como também entendo seu encantamento pelo céu estrelado que a gente só consegue ver direitinho, quando distantes das luzes das cidades (AMO estrelas! Talvez tanto quanto ame o mar!).

    E não tenho "pudores etários", e nem "regionais" (rsrs): sou super-cara-de-pau e sei que meu olhar e minhas reações na praia são sempre o de quem vê, toca e sente aquilo ali pela primeira vez, encantado!

    Beijocas.

    ResponderExcluir
  4. Dorinha,

    Que inveja! :$

    Caminhar todos os dias na praia?! Até desculpo o seu medo da chuva!! rsrs

    Beijocas e deliciosa Páscoa pra você.

    ResponderExcluir
  5. Quem vem pra beira do mar, ai
    Nunca mais quer voltar
    Andei por andar, andei
    E todo caminho deu no mar
    Andei pelo mar, andei
    Nas águas de Dona Janaína
    A onda do mar leva
    A onda do mar traz
    Quem vem pra beira da praia, meu bem
    Nunca mais quer voltar

    Eu amo a praia e o mar!! Energia pura!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que é um "scammer"?

Eu fico tanto tempo sem escrever que, quando volto, fico com vergonha, pode?
Em minha defesa quero dizer que andei muito ocupada e sem nada de interessante pra escrever e que ando visitando os blogs que curto mas NÃO CONSIGO comentar há semanas! Sempre dá erro.
Mas, vamos ao que me motivou voltar a escrever um post. E senta confortável porque a história é longa mas muito séria e importante de ser conhecida.
Vocês já ouviram falar em scammer ou scam?
Scam, traduzindo meia-boca do original inglês, é um golpe, trambique, cambalacho. Scammer é quem o pratica. Na internet os scams mais conhecidos são aqueles golpes que com certeza vocês já conhecem de receber um email dizendo que tem um dinheiro em um banco africano e que você foi escolhido pra ficar com aqueles milhões. Já não recebeu um desses emails?
Mas existe mais um tipo de scam que tem se alastrado e que eu conheci este final de semana, da forma mais dolorosa: quase sendo vítima dele. É o scam romântico.
Se por um lado eu me enverg…

As calcinhas no varal

Hoje lavei minha roupa e, ao estendê-la no varal, fiquei chocada com a "qualidade" de boa parte das calcinhas que ali estavam.

As mulheres que têm entre 30 e 35 anos provavelmente cresceram ouvindo suas mães dizerem para cuidar com a roupa de baixo que usa porque se desmaiar na rua todos verão a calcinha velha, o sutiã com alça encardida - nem é o tema do post, mas quero avisá-las que é verdade! Um ex-colega de faculdade, bombeiro, diz que sim, eles reparam, mesmo nos momentos mais complicados de socorro, se as "moçoilas" estão com calcinha feia! - e falarão que a dona da lingerie é uma porquinha!

Daí hoje, olhando as calcinhas no varal, eu fiquei pensando que ali estavam aquelas calcinhas que normalmente eu usaria só pra dormir. Mas eu não só durmo! Ou seja, eu saí com boa parte delas!!

"Analisando" o varal, lembrei de que eu sempre tentei ser caprichosa com o que vestia por baixo da roupa. Mesmo quando era casada tentava usar lingerie arrumadinha e depois,…

25 em 2013 - Livro 5: Sua resposta vale um bilhão

Eu sinto tanto só agora escrever sobre Sua resposta vale um bilhão que li em fevereiro! Principalmente porque vou deixar muita coisa bacana do livro de fora. Mas gostei tanto que, mesmo assim, vale a pena.
Minha história com o livro é longa. Sou apaixonada pelo filme Quem quer ser um milionário - sobre o qual comentei efusivamente aqui, há 4 anos. Naquela época eu já tinha me interessado pelo livro, primeiro do autor - um diplomata indiano - mesmo correndo o risco de me decepcionar com o filme depois de lê-lo.
Namorei o livro longamente até que encontrei na Estante Virtual - um site que reúne sebos do Brasil inteiro - no comecinho do ano. Paguei R$ 4- sim, quatro reais! - por uma edição praticamente nova.
Quanto à história, muita coisa é diferente do filme - e necessário, se pensarmos na impossibilidade de adaptar um livro inteiro pra 2h de película. Escrevendo isso, o que me vem à cabeça é que, na verdade, o filme é inspirado na idéia central, do menino pobre, criado no mundo e que ganh…