Pular para o conteúdo principal

Vi: Gran Torino

Antes de mais nada, eu preciso dizer que AMO os trabalhos do Clint Eastwood depois de velho - ou seja, o que não é daquele tempo de bang-bang italiano e de Dirty Harry - e sinto ainda não ter visto Cartas de Iwo Jima e A conquista da honra, seus filmes sobre a II Guerra Mundial, cada um enfocando um lado dela - o estadunidense e o japonês.

Mas este post é sobre Gran Torino, o filme mais recente do meu diretor/ator/produtor querido. A história é a seguinte: um senhor muito rabugento acaba de perder a esposa. O filme começa com ele no funeral, fazendo cara feia e, literalmente, rosnando pras pessoas que não estão vestidas segundo ele acha adequado - inclusive a neta teen - e depois, em casa, não sendo nada simpático com os filhos.

Walt Kowalski, o personagem, trabalhou a vida inteira na FORD, lutou na Guerra da Coréia - no começo dos anos 50 - e parece detestar tudo e a todos: a família, o jovem padre que se aproxima dele a pedido da esposa recém-falecida, os vizinhos Hmong - uma etnia oriunda do Laos, Tailândia e China que agora tomam conta do seu bairro. No entanto, é a família vizinha, desta etnia, que fará Walt despertar em vários aspectos quando um incidente com a gangue do bairro faz ele se aproximar de Sue e Thao, os adolescentes da casa ao lado.

Walt acaba tendo um contato com aquelas pessoas que não tem com sua própria família e toma sua dores também, ao perceber que os dois jovens não têm nenhuma chance de sobreviver à gangue, principalmente Thao, rapaz retraído, único homem da casa e que acaba sendo meio subserviente à mãe, à irmã e à velha avó.

Aliás, a avó é uma figura no filme. Ela e Walt se xingam o tempo todo, quando estão sentados em suas varandas, cada um em seu idioma, sem se entenderem, os olhares são suficientes para um entender que o outro o detesta!

E o vocabulário de Walt não é pra ouvidos fracos: os negros, são neguinhos, todos os orientais, chinas, qualquer nome oriental vira outra coisa em sua boca e, mesmo com os amigos, ele é extremamente rude - a cena em que, com o amigo barbeiro, ele ensina Thao a falar como homem, é impagável!

O desfecho do filme não é o esperado, nem o desejado, mas é o que precisa ser. O protagonista, homem que se orgulha de terminar tudo o que começa, leva esse seu lema à sério... e fecha com chave de ouro um filme maravilhoso!

Longa vida a Clint Eastwood, para que ainda possa nos dar mais filmes tão especiais!!

Comentários

  1. Esse é um filme MUITO BOM!!Comprei o dvd pirata e assisti...

    ResponderExcluir
  2. Lembrei de você ao vê-lo! Se tivesse o seu cabelo, cortava que nem o da Sue! rsrs

    (e pare de comprar dvd pirata! hahaha)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que é um "scammer"?

Eu fico tanto tempo sem escrever que, quando volto, fico com vergonha, pode?
Em minha defesa quero dizer que andei muito ocupada e sem nada de interessante pra escrever e que ando visitando os blogs que curto mas NÃO CONSIGO comentar há semanas! Sempre dá erro.
Mas, vamos ao que me motivou voltar a escrever um post. E senta confortável porque a história é longa mas muito séria e importante de ser conhecida.
Vocês já ouviram falar em scammer ou scam?
Scam, traduzindo meia-boca do original inglês, é um golpe, trambique, cambalacho. Scammer é quem o pratica. Na internet os scams mais conhecidos são aqueles golpes que com certeza vocês já conhecem de receber um email dizendo que tem um dinheiro em um banco africano e que você foi escolhido pra ficar com aqueles milhões. Já não recebeu um desses emails?
Mas existe mais um tipo de scam que tem se alastrado e que eu conheci este final de semana, da forma mais dolorosa: quase sendo vítima dele. É o scam romântico.
Se por um lado eu me enverg…

As calcinhas no varal

Hoje lavei minha roupa e, ao estendê-la no varal, fiquei chocada com a "qualidade" de boa parte das calcinhas que ali estavam.

As mulheres que têm entre 30 e 35 anos provavelmente cresceram ouvindo suas mães dizerem para cuidar com a roupa de baixo que usa porque se desmaiar na rua todos verão a calcinha velha, o sutiã com alça encardida - nem é o tema do post, mas quero avisá-las que é verdade! Um ex-colega de faculdade, bombeiro, diz que sim, eles reparam, mesmo nos momentos mais complicados de socorro, se as "moçoilas" estão com calcinha feia! - e falarão que a dona da lingerie é uma porquinha!

Daí hoje, olhando as calcinhas no varal, eu fiquei pensando que ali estavam aquelas calcinhas que normalmente eu usaria só pra dormir. Mas eu não só durmo! Ou seja, eu saí com boa parte delas!!

"Analisando" o varal, lembrei de que eu sempre tentei ser caprichosa com o que vestia por baixo da roupa. Mesmo quando era casada tentava usar lingerie arrumadinha e depois,…

25 em 2013 - Livro 5: Sua resposta vale um bilhão

Eu sinto tanto só agora escrever sobre Sua resposta vale um bilhão que li em fevereiro! Principalmente porque vou deixar muita coisa bacana do livro de fora. Mas gostei tanto que, mesmo assim, vale a pena.
Minha história com o livro é longa. Sou apaixonada pelo filme Quem quer ser um milionário - sobre o qual comentei efusivamente aqui, há 4 anos. Naquela época eu já tinha me interessado pelo livro, primeiro do autor - um diplomata indiano - mesmo correndo o risco de me decepcionar com o filme depois de lê-lo.
Namorei o livro longamente até que encontrei na Estante Virtual - um site que reúne sebos do Brasil inteiro - no comecinho do ano. Paguei R$ 4- sim, quatro reais! - por uma edição praticamente nova.
Quanto à história, muita coisa é diferente do filme - e necessário, se pensarmos na impossibilidade de adaptar um livro inteiro pra 2h de película. Escrevendo isso, o que me vem à cabeça é que, na verdade, o filme é inspirado na idéia central, do menino pobre, criado no mundo e que ganh…