22 setembro 2009

Enquanto isso, no Maranhão...

Quase uma semana sem postar nada, mas sei que serei "escusada" por conta da correria que quem acompanha o blog deve imaginar que tô vivendo. Mas correria positiva!

Não tenho entrado muito na net, porque não dá tempo e não tenho vontade, por razões beeem óbvias, né? rsrs

Tá tudo bem por aqui, tirando uns percalços que não gostaria de levar pra sempre na minha vida - a incapacidade de amar algumas pessoas - e uma unha que descolei ao abrir o portão no dia que cheguei. Gente do Céu! Que dor é aquela?! A B S U R D A!! Achei que fosse desmaiar, de verdade! Continuo com a unha que começou a arroxear no dia seguinte - o dia do casório - mas não sei a cor dela hoje porque tá pintada de vermelho. Acho que vou perdê-la, já que estou com o dedo bem inchado e cuidando pra infecção e a dor não piorarem - Nebacetin, banho de salmoura, antinflamatório... Sei que homem nenhum entende a tristeza por perder uma unha - poxa, ainda mais a do dedo médio da minha mão esquerda, minha mão "preferida" já que sou canhota-, mas sei também que a maioria das mulheres entenderá bem o meu "sofrimento antecipado" rsrs.

Talvez daqui ainda eu escreva um post mais longo e com fotos. Ainda não consegui postar nada no orkut nem aqui mas tem umas bem legais já tiradas. Quero falar do calor - saudades do meu inverno querido...-, das diferenças entre aqui e lá, das pessoas que conheci, das que revi... Hoje só queria dividir com vocês uma saudade doída que senti ontem vendo um dvd do Victor e Leo. Alguns sentimentos parecem que nunca sumirão... :'(

8 comentários:

  1. Ai, me arrepiei toda com esta historia da unha! E mori de rir com seu pai e os abjetos cortante! Aproveite! Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Ô Sheila!

    Acabei de chegar em casa do trabalho e vi que tinha post seu. Preferi ler ao invés de almoçar para saber as novidades logo!

    Nossa... a sua viagem é para ser alegre e não triste! Senti ao ler seu texto que você está triste e fiquei triste também.

    Nem consigo imaginar a dor que você sentiu com a sua unha! com certeza foi uma dor terrível! Mas vai passar. Tudo passa! Ela vai crescer logo, logo e não vai sobrar nenhum vestígio desse acidente.

    Quanto a incapacidade de amor de algumas pessoas... penso que no final somente elas é que vão sair machucadas. Porque tudo o que a gente planta...depois colhe, não é?

    Quanto a saudade doída... o tempo é o melhor remédio. Ele cura tudo.

    Nossa! Quem sou eu pra dar tantos conselhos e ter solução pra tudo , não é? mas a intenção é só te consolar e tentar animar.

    Espero que a Primavera traga pra você dias melhores e mais felizes.

    Olha, enviei pra Talita (Dona Perfeitinha) as fotos da penteadeira. Você me encorajou! rsrsr Quando puder passa lá pra ver!

    Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Olá Sheila, saudades.....nossa amihuinha que dor essa da unha, hein?!( ai até doeu a minha). Bom ,imagino que esteja cheia de coisas pra contar. E olha, saudade é dureza, até já conversamos no msn sobre isso, mas não existe algo que eu possa falar( ainda mais eu), e nem uma poção mágica que tire este sentimento do coração, mas concordo com a Sandra , acredito que quem se machuca mais é quem não tem coragem de viver, de sentir e assumir, lembra o que vc me disse: " eu prefiro me machucar e tentar ser feliz do que viver na incerteza", então amiga ....força aí, e aproveita um pouquinho do calor, sei que prefere o inverno, rsrsrsrs
    Bjus

    ResponderExcluir
  4. Fico feliz que esteja bem, mesmo com a unha por cair... (que coisa!)

    Fica tranquila e aproveite tudo. Quando voltar conta as novidades porque queremos ouvir.

    Sobre a incapacidade de demonstração de afeto de algumas pessoas (ou será de amar?)... bem, também me indigno às vezes.


    Talita.

    ResponderExcluir
  5. Oi Lanny,

    Pois é, guria, situações pra arrepiar e rir mesmo! rsrs
    ___

    Sandra,

    Menina, que moral a minha de ser preferida ao almoço imediato! rsrs

    Não tô triste, garanto, mas ontem estava meio pra baixo. Mas tô naquela semana de lágrimas da TPM e mereço um desconto, não mereço?? rsrs

    Sério, tá tudo bem aqui, na medida do possível, como é tudo. Muito carinho dos sobrinhos, muita atenção da mãe, do irmão, da cunhada... ótimo mesmo!

    Da unha... guria, acho que nunca tinha sentido dor assim, viu? Não lembro. Mas logo ela cai e vem outra nova. Tudo passa mesmo.

    Na verdade, o que eu quis dizer é da MINHA incapacidade de amar - escrevi errado lá, mas já corrigi. E por isso sofro por isso. Acho que se fosse a incapacidade alheia, eu simplesmente deixava pra lá.

    Da saudade, só o tempo mesmo pra curar, né? Pouco sobra pra eu fazer.

    Adorei os conselhos e as palavras sempre carinhosas ditas. Obrigada, minha querida :)

    Que a Primavera traga dias melhores e mais felizes pra todos nós!!

    Da Talita, eu já vi lá e já comentei. Que sonho de lindeza sua penteadeira! Amei!! Adoro essas peças antigas e com história!!

    ____

    Cris querida,

    Doeu, flor, doeu mooooito! rsrs

    Da saudade... nada a declarar: já falamos tanto disso, né? (rsrs) Mas uma hora é só uma cicatrizinha ali, lembrando o que aconteceu... ;)

    Da incapacidade de amar, como expliquei pra Sandra, é minha, não de outra pessoa. O que é muito mais triste. E vergonhoso.

    Cheia de novidades sim, mas conto tudo em post ou quando conseguir bater papo novamente no msn (saudades daquela época... rsrs).

    ____

    Talita,

    Tudo bem sim, mesmo com o problemita do dedo. E podexá que conto tudo logo.

    Da incapacidade de amar... sou eu. Infelizmente :$

    _____

    Beijos enormes gurias, obrigada pelas palavrinhas sempre fofas.

    ResponderExcluir
  6. Gata, tem um selinho pra vc la no meu blog! Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Há que ver a desgraça pelo lado positivo: a ausência da unha vai dar um ar mais realista quando esticares o dedo médio a alguém...

    ResponderExcluir
  8. Oi Lanny,

    Vou lá buscar! :)
    ___

    Luís,

    Pois mais vontade que eu tenha às vezes, não costumo apontar o dedo médio pra ninguém...
    ___

    Beijocas.

    ResponderExcluir