Pular para o conteúdo principal

Copas do Mundo e eu

(Já conhecem o Zakumi, mascote da Copa 2010?)

Não sou a pessoa mais ligada em futebol mas acho que, em se tratando de uma mulher, eu tô bem: identifico facilmente os times, sei o que é gol, pênalti, escanteio, tiro de meta e há algum tempo finalmente aprendi a identificar o tal do impedimento!

Tenho pai que adora futebol. Não dos fanáticos que usa camisa e blá, blá, blá, mas que curte ver jogos, se empolga, se irrita... e me faz dar muitas risadas!

E minha mãe, enquanto a Flávia e eu éramos pequenas, sempre comprava alguma roupa - ou uniforme estilizado - temática na época das Copas. Quando ela parou de comprar, eu mesma comprei.

Copa pra mim é mais época que me lembra gostosas confraternizações do que de ver jogo mesmo. Minhas lembranças mais antigas remontam a de 82 na Espanha, mas só lembro do moletom que eu ganhei e das idas à casa dos meus padrinhos em São Paulo, onde morávamos e onde meus pais iam ver os jogos.

As de 94 e 98 foram as que vi com mais gente. Em 94 sempre estávamos, minha irmã e eu, ou em alguma casa de amigos, ou com amigos aqui em casa. A de 98 eu assisti direto da Bélgica, onde morei uns meses. Foi muito gostosa e até ganhei uma camiseta no dia da final como prêmio de consolação pela derrota do Brasil pra França. O mais legal desta era que todo mundo sempre torcia pelo Brasil!

A de 2002 eu praticamente não vi. Madrugada pra futebol? Deixei meu ex-marido colocar a tevê no quarto, me aconchegava nele, voltava a dormir e só acordava pra perguntar se o Brasil tinha ganhado. Só vi a final mesmo.

2006... vi a final em um posto de gasolina, voltando com meus pais da Chapada dos Guimarães pra Rondonópolis, no MT, onde eles moravam na véspera.

Já vi jogo só pra ver jogador bonito. Já vi jogo pra acompanhar pai, marido e amigos. Já vi jogo porque eu torcia mesmo.

Acho que Copa é época única, diferente até de Olimpíadas. Este ano provavelmente será uma das minhas mais solitárias porque trabalharei em horários de jogo e meu irmão tá nem aí pra jogo! Não me incomoda, de jeito nenhum, mas é diferente.

Apesar de que acho que tô mais empolgada com a África do Sul do que com os jogos em si.

Mas quem não está?

Comentários

  1. Eu não estou. Acho a Africa uma terra de ninguém e acho não assistiria jogos lá nem que fossem de graça. Odeio futebol. A única coisa boa da copa é que eu não vou trbalhar em dias de jogo... Nasci no país errado.

    ResponderExcluir
  2. hahaha Você é sempre do contra, Mel!

    ResponderExcluir
  3. eu :P
    ...
    e os 3 jornalistas portugueses e o 1 espanhol que foram assaltados e sequestrados

    ResponderExcluir
  4. Mas falemos do importante: o futebol.

    Tal como tu, o primeiro Mundial de que me lembro é o Espanha82.
    É impossível falar do Mundial de 82 sem falar do Zico, do Sócrates e Falcão. A selecção brasileira desse ano foi a melhor equipa do Brasil que eu vi jogar.

    Em 86, no México, estava radiante. Depois de uma vitória na Alemanha, Portugal tinha-se qualificado para o Mundial. O sonho depressa se transformou num pesadelo quando o nosso guarda-redes partiu uma perna durante um treino. Apesar desse azar, até começamos bem ganhando a Inglaterra (1-0), mas depois duas derrotas contra a Polónia e Marrocos, viemos do México a lamber as feridas.
    Mas o que ficou mesmo na retina desse Mundial foi o golo do Maradona contra Inglaterra (o outro sem ser o da mão). ;)

    Itália90 foi um Mundial complicado porque coincidiu com o exame 10/11 de Biologia que tive de fazer depois do periodo de aulas por me ter picado com a Professora. Lembro-me do duelo Milla x Higuita e de um golo de livre directo marcado pela Checoslováquia à Costa Rica.

    Estados Unidos 94. A selecção da Bulgária em que todos se chamavam ...ev ou ...ov excepto um jogador do FC Porto (Petar MIHTARSKI) e os 5 golos num só jogo do russo Salenko...
    Sim também me lembro do penalti do Roberto Baggio.

    França98. O badagaio do Ronaldo (e do Brasil) e os manos Laudrup

    Coreia/Japão 2002. Os portugueses mostraram como se fazia e o João Pinto espetou um soco num árbitro argentino. Lembro-me também da arbitragem tendenciosa que levou o país organizador à meia-final.

    Alemanha 2006. Um seleccionador de Portugal com mais sorte que juízo e a famosa cabeçada do Zidane.

    E este ano???
    Para já a porra das vuvuzelas que não se calam!!! :S

    ResponderExcluir
  5. A seleção de 82 também é muito festejada no Brasil.

    Das suas outras lembranças... eu fiquei pensando como são lembranças de apaixonado por futebol, bem diferentes das minhas. Por exemplo: Michael e Brian Laudrup? Eu só lembro do quanto eram bonitos!

    Beijocas. E deixa as vuvuzelas tocarem!

    ResponderExcluir
  6. Eu tb não estou, mas porque eu acho copas uma grande gastação de dinheiro público e um grande circo... enfim. Não acho bonito um jogador de futebol estar entre os 5 profissionais mais bem pagos do mundo e prefiro não colaborar com a manutenção disso.

    ResponderExcluir
  7. Eu amo futebol,já tirei minha única camisa amarelinha do armário rsrsr,já que do Corinthians eu tenho cinco.rsrsrs
    Agora o que me irrita são as vuvuzelas.Meu marido comprou duas cornetas para meus filhos eu já dei cada grito com eles,talvez mais estridentes que as próprias vuvuzelas...rsrsr.Gostaria de convidá-la a participar do meu mais novo sorteio...é um kit bem especial...

    http://caroline-raphaelli.blogspot.com/2010/06/sorteio-amor-verdadeiro-no-coracao.html

    ResponderExcluir
  8. Oi Livy,

    Pois é, tem o lance "pão e circo", mas o povo ainda precisa disso, né?
    __

    Carol,

    Também me irritaria muito duas cornetas tocando no meu ouvido o tempo inteiro! hahaha

    Obrigada pelo convite, vou participar sim :)
    ___

    Beijocas, boa semana, gurias.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que é um "scammer"?

Eu fico tanto tempo sem escrever que, quando volto, fico com vergonha, pode?
Em minha defesa quero dizer que andei muito ocupada e sem nada de interessante pra escrever e que ando visitando os blogs que curto mas NÃO CONSIGO comentar há semanas! Sempre dá erro.
Mas, vamos ao que me motivou voltar a escrever um post. E senta confortável porque a história é longa mas muito séria e importante de ser conhecida.
Vocês já ouviram falar em scammer ou scam?
Scam, traduzindo meia-boca do original inglês, é um golpe, trambique, cambalacho. Scammer é quem o pratica. Na internet os scams mais conhecidos são aqueles golpes que com certeza vocês já conhecem de receber um email dizendo que tem um dinheiro em um banco africano e que você foi escolhido pra ficar com aqueles milhões. Já não recebeu um desses emails?
Mas existe mais um tipo de scam que tem se alastrado e que eu conheci este final de semana, da forma mais dolorosa: quase sendo vítima dele. É o scam romântico.
Se por um lado eu me enverg…

As calcinhas no varal

Hoje lavei minha roupa e, ao estendê-la no varal, fiquei chocada com a "qualidade" de boa parte das calcinhas que ali estavam.

As mulheres que têm entre 30 e 35 anos provavelmente cresceram ouvindo suas mães dizerem para cuidar com a roupa de baixo que usa porque se desmaiar na rua todos verão a calcinha velha, o sutiã com alça encardida - nem é o tema do post, mas quero avisá-las que é verdade! Um ex-colega de faculdade, bombeiro, diz que sim, eles reparam, mesmo nos momentos mais complicados de socorro, se as "moçoilas" estão com calcinha feia! - e falarão que a dona da lingerie é uma porquinha!

Daí hoje, olhando as calcinhas no varal, eu fiquei pensando que ali estavam aquelas calcinhas que normalmente eu usaria só pra dormir. Mas eu não só durmo! Ou seja, eu saí com boa parte delas!!

"Analisando" o varal, lembrei de que eu sempre tentei ser caprichosa com o que vestia por baixo da roupa. Mesmo quando era casada tentava usar lingerie arrumadinha e depois,…

25 em 2013 - Livro 5: Sua resposta vale um bilhão

Eu sinto tanto só agora escrever sobre Sua resposta vale um bilhão que li em fevereiro! Principalmente porque vou deixar muita coisa bacana do livro de fora. Mas gostei tanto que, mesmo assim, vale a pena.
Minha história com o livro é longa. Sou apaixonada pelo filme Quem quer ser um milionário - sobre o qual comentei efusivamente aqui, há 4 anos. Naquela época eu já tinha me interessado pelo livro, primeiro do autor - um diplomata indiano - mesmo correndo o risco de me decepcionar com o filme depois de lê-lo.
Namorei o livro longamente até que encontrei na Estante Virtual - um site que reúne sebos do Brasil inteiro - no comecinho do ano. Paguei R$ 4- sim, quatro reais! - por uma edição praticamente nova.
Quanto à história, muita coisa é diferente do filme - e necessário, se pensarmos na impossibilidade de adaptar um livro inteiro pra 2h de película. Escrevendo isso, o que me vem à cabeça é que, na verdade, o filme é inspirado na idéia central, do menino pobre, criado no mundo e que ganh…