Pular para o conteúdo principal

Séries: Cold Case


Depois que descobri o Amo Séries ando baixando episódios de tudo quanto é série que queria poder ver. Quer dizer, eu ando baixando as séries das quais de verdade acabo gostando.

Tô vendo já a quarta temporada de Cold Case.

Ao contrário do que possa parecer por ser uma série policial, Cold Case não é sanguinolenta, mas tem momentos de violência que, infelizmente, se mostram necessários e completamente cabíveis.

Lily Rush - Kathryn Morris - é uma detetive do departamento de Homicídios da cidade de Filadélfia que, junto com outros policiais - seu parceiro Scott Valens, Will Jeffries, Nick Vera - o chefe John Stillman, e outra detetive à partir da terceira temporada - Kat Miller - investiga casos policiais já encerrados, ou sem terem sido resolvidos, ou mal resolvidos. São os "arquivos mortos", do título da série no SBT, se não me engano.

O caso mais antigo que já vi foi um que se passou em 1929. A reconstituição de época é perfeita e a fotografia no geral é impecável; alguns episódios são visualmente lindos, como um em que investigavam um crime cometido em 1945 e as imagens da época pareciam um filme original em preto e branco.

Muito legal também é como as personagens são pessoas com defeitos além de qualidades, com fraquezas, que nem sempre falam a verdade ou agem corretamente - que é perfeito levanta a mão, por favor!

Adoro também como eles sempre falam de temas espinhosos, como o racismo nos EUA até os anos 1960, ou a liberdade do porte de arma naquele país, ou as condições femininas no passado, a Guerra no Iraque e outros.

Outro ponto positivo é a trilha sonora: todos os episódios terminam com uma música - da época do crime - na qual a letra se encaixa com a história que passou de alguma forma. Cada musicão...

Bom, acho que deu pra perceber que gosto de tudo na série. E saber que foi cancelada este ano - na sétima temporada - me deu uma dorzinha no coração.

Suuuper-recomendo pra quem ainda não conhece!

Comentários

  1. Oi Sheila,

    Adoro Arquivo Morto, é uma das séries que sempre que sempre assisto, gosto muito da maneira como as histórias são contadas. É claro que no "mundo real" ninguém teria a memória de elefante que esse povo tem, mas funciona de forma coerente nas tramas, que são super envolventes sempre, se a gente começa a assistir um episódio não consegue deixar de não ver até o final para saber a solução do crime. Acho que pra gente que é fã da Agatha Christie isso é ainda mais forte.

    E adoro a Descabelada, ela mantem o ritmo nas histórias e estabelece sempre uma relação íntima com os envolvidos e com a personagem falecida que eles investigam, tanto que a música ao final retoma essa relação entre ela e o(a) falecido(a) e envolvidos.

    Tem um episódio mais antigo ainda, acho que se passa por volta de 1916 e só tem uma pessoa viva no presente, uma coisa assim. Ah, só não gosto muito dos crimes recentes, tipo o presente está em 2007 e o crime investigado 2004. Não tem nem graça quando mostra o antes e o agora...rzz

    Gosto muito do episódio da mulher que morreu no dia da transmissão da guerra dos mundos do Orson Wells no rádio, é muito bom esse episódio.

    bjo

    ResponderExcluir
  2. Tbém gosto dessa série, apesar de não acompanhar. Vejo de vez em qdo, qdo tá passando.

    Concordo sobre os temas espinhosos. Isso é bem legal.
    Bjss

    ResponderExcluir
  3. Rubens,

    Tadinha, ela nem é mais descabelada, seu maldoso! rsrs

    Eu gosto dos mais recentes, os que mais me assustam - visualmente - são os dos anos 80 porque tudo era feio naquela época!! FUTILIDADE mode on 8-)

    Este de 1916 acho que não vi... lembra como é? O do dia do "Guerra dos Mundos" não vi ainda.
    ___

    Van,

    Que legal que gosta! Não costumo achar séries policiais muito palatáveis...
    ___

    Beijocas e ótima semana pra vocês.

    ResponderExcluir
  4. Entenda o porque chamo ela de Descabelada:

    http://www.youtube.com/watch?v=uo4-D8mjDb4

    ahahahahahaha

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que é um "scammer"?

Eu fico tanto tempo sem escrever que, quando volto, fico com vergonha, pode?
Em minha defesa quero dizer que andei muito ocupada e sem nada de interessante pra escrever e que ando visitando os blogs que curto mas NÃO CONSIGO comentar há semanas! Sempre dá erro.
Mas, vamos ao que me motivou voltar a escrever um post. E senta confortável porque a história é longa mas muito séria e importante de ser conhecida.
Vocês já ouviram falar em scammer ou scam?
Scam, traduzindo meia-boca do original inglês, é um golpe, trambique, cambalacho. Scammer é quem o pratica. Na internet os scams mais conhecidos são aqueles golpes que com certeza vocês já conhecem de receber um email dizendo que tem um dinheiro em um banco africano e que você foi escolhido pra ficar com aqueles milhões. Já não recebeu um desses emails?
Mas existe mais um tipo de scam que tem se alastrado e que eu conheci este final de semana, da forma mais dolorosa: quase sendo vítima dele. É o scam romântico.
Se por um lado eu me enverg…

As calcinhas no varal

Hoje lavei minha roupa e, ao estendê-la no varal, fiquei chocada com a "qualidade" de boa parte das calcinhas que ali estavam.

As mulheres que têm entre 30 e 35 anos provavelmente cresceram ouvindo suas mães dizerem para cuidar com a roupa de baixo que usa porque se desmaiar na rua todos verão a calcinha velha, o sutiã com alça encardida - nem é o tema do post, mas quero avisá-las que é verdade! Um ex-colega de faculdade, bombeiro, diz que sim, eles reparam, mesmo nos momentos mais complicados de socorro, se as "moçoilas" estão com calcinha feia! - e falarão que a dona da lingerie é uma porquinha!

Daí hoje, olhando as calcinhas no varal, eu fiquei pensando que ali estavam aquelas calcinhas que normalmente eu usaria só pra dormir. Mas eu não só durmo! Ou seja, eu saí com boa parte delas!!

"Analisando" o varal, lembrei de que eu sempre tentei ser caprichosa com o que vestia por baixo da roupa. Mesmo quando era casada tentava usar lingerie arrumadinha e depois,…

25 em 2013 - Livro 5: Sua resposta vale um bilhão

Eu sinto tanto só agora escrever sobre Sua resposta vale um bilhão que li em fevereiro! Principalmente porque vou deixar muita coisa bacana do livro de fora. Mas gostei tanto que, mesmo assim, vale a pena.
Minha história com o livro é longa. Sou apaixonada pelo filme Quem quer ser um milionário - sobre o qual comentei efusivamente aqui, há 4 anos. Naquela época eu já tinha me interessado pelo livro, primeiro do autor - um diplomata indiano - mesmo correndo o risco de me decepcionar com o filme depois de lê-lo.
Namorei o livro longamente até que encontrei na Estante Virtual - um site que reúne sebos do Brasil inteiro - no comecinho do ano. Paguei R$ 4- sim, quatro reais! - por uma edição praticamente nova.
Quanto à história, muita coisa é diferente do filme - e necessário, se pensarmos na impossibilidade de adaptar um livro inteiro pra 2h de película. Escrevendo isso, o que me vem à cabeça é que, na verdade, o filme é inspirado na idéia central, do menino pobre, criado no mundo e que ganh…