Pular para o conteúdo principal

Uma historinha...

Hoje eu me lembrei de uma história na qual fiquei pensando um bom tempo e quis contar aqui, porque dela eu tirei duas certezas que me acompanham.

Antes eu preciso fazer uma pequena introdução que, na verdade, meio que é o começo da história. Mas tentarei ser sucinta, prometo!

Não lembro se contei aqui que em 1998 passei 3 meses trabalhando em um albergue da juventude em Bruxelas, capital da Bélgica. Fui com duas amigas e na primeira noite saímos pra jantar e acabamos conhecendo uns moços marroquinos que nos convidaram para irmos em um bar cubano. Bom, acabou que ficamos com os amigos.

A coisa é que, a certa altura, um dos moços sugeriu que fôssemos pro apartamento deles. Minhas amigas toparam na hora mas eu disse que não iria. Começou uma pequena discussão: elas querendo me convencer que não tinha perigo, que éramos três, que nem eles... e eu dizendo que não os conhecíamos, que podiam ter outros caras lá... Eu bati o pé e disse que ficaria ali onde estávamos, a Grand-Place, essa da foto que ilustra o post. Como era verão, tava, no começo da madrugada, apinhada de gente como na foto. Eu ficaria ali tranquilamente. Mas aí um dos moços disse que era melhor não irmos se eu não queria, que não tinha problema e tals.

Bom, nunca mais vi os moços depois que eles nos deixaram no albergue e, tirando que quase apanhei das minhas amigas depois - hahaha - eu tinha praticamente esquecido da história...

... Até que uma noite, eu cheguei no albergue e tinham uns policiais na recepção. Estranhei e perguntei pra recepcionista o que acontecia e ela me contou que uma moça estadunidense que estava hospedada ali tinha ido passar o dia em Ghent, uma cidade ali perto - bom, a Bélgica é tão pitutica que tudo é perto! - e, na ida, conheceu um moço no trem. Papo vai, papo vem, ele convidou-a pra ir no apartamento dele quando chegaram em Ghent. E lá ele a violentou. Ela voltou para Bruxelas e ligou pros pais desesperada contando o que acontecia. Os pais, dos EUA, ligaram pro albergue e chamou a polícia - e como a gente tá falando de país europeu, a polícia de Bruxelas ligou pra de Ghent e o moço já foi preso. O que ele disse foi que não a tinha estuprado, que ela quis, ela aceitou entrar no apartamento dele, ela sabia o que ele queria.

Quando eu fiquei sabendo do que aconteceu naquele dia, eu me lembrei da minha primeira noite na cidade, quando quase fui parar no apartamento de uns caras desconhecidos. Pensei que poderia ter sido comigo e com minhas amigas. Elas também queriam ir ao apartamento, mas isso não quer dizer se queriam algo além dos beijos que já rolavam!

Naquela noite eu tive muita dó daquela moça, longe da família, sozinha, violentada em um país estranho. Me vi no lugar dela e não me aproximei, não tentei falar com ela porque sequer a tinha visto antes por ali e achei que poderia ser muito invasiva.

E dessas duas coisas eu tirei duas lições: a primeira é que a gente tem, sim, que confiar na nossa intuição, porque ela existe e nos salva de muita furada. A segunda, e vale para meninas terem certeza e para homens entenderem que não é não! Beijo não tem, obrigatoriamente, que levar a sexo. Mesmo que isso aconteça em algum lugar mais fechado, mesmo que seja - mocinho que lê isso aqui - na sua casa!

Eu sei que é um assunto complexo e nem é meu intuito no blog polemizar sobre nada, eu só queria, de verdade, falar da importância da intuição, de acreditarmos naquela vozinha que nos dá uns toques - já ouviram falar em anjo da guarda, guia espiritual? - que são muito importantes que sigamos. E, repito, lembrar que não é não.

Comentários

  1. Sheilaaaaaaaaaaaaaa, sabe que esses dias eu ando muito intuitiva, e sobre o relacionamento que acabou, eu tive algumas intuições mas nem dei bola e olha o que deu....
    Fantástico seu post!
    Bela semana linda!
    Bjus

    ResponderExcluir
  2. Nossa amiga que historia em,pensei que isso so acontecia nos filmes do Quentin Tarantino.Mas vc tem razão temos que confiar na nossa intuição sempre,muitas vezes deixei de fazer coisa que meu anjo da guarda falava pra não fazer......

    bjoss Sheilinda!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Procuro sempre seguir minha intuição, não sei se ela ta certa ou nao, mas eh o que acho certo (instinto de sobrevivencia?) naquela hora. Ja deu certo muitas vezes e outras vezes nem vou saber. Mas tb ja deu de eu nao ouvir minha intuição e me meter em roubada (nao o mesmo caso que vc contou). E concordo em genero, numero e grau com o "não é não". Ninguem eh dono do corpo de ninguem a nao ser vc mesmo. Uns caras desses sao uns bichos! Bicho nao, pq neste caso, acho que bicho eh melhor.

    ResponderExcluir
  4. Cris querida,

    O melhor da intuição é quando a gente confia nela. Eu ainda dou a mancada às vezes de duvidar da minha, pode?

    O que me salva é o meu lado filha de mineiro, que desconfia de muita coisa... rsrs
    ____

    Wissam,

    Nem te contei que eram todos brimos, né? hahaha

    Mas é confiar no anjinho da guarda soprando as boas idéias na nossa mente.
    _____

    Lanny,

    Como disse pra Cris, eu nem sempre sigo a minha intuição. Aliás, nem sempre seguia: ultimamente tenho sido menos cética do que "ouço".

    E uns caras desses... bom, melhor nem falar tudo o que penso deles!
    ___

    Beijocas e maravilhosa semana pra vocês :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que é um "scammer"?

Eu fico tanto tempo sem escrever que, quando volto, fico com vergonha, pode?
Em minha defesa quero dizer que andei muito ocupada e sem nada de interessante pra escrever e que ando visitando os blogs que curto mas NÃO CONSIGO comentar há semanas! Sempre dá erro.
Mas, vamos ao que me motivou voltar a escrever um post. E senta confortável porque a história é longa mas muito séria e importante de ser conhecida.
Vocês já ouviram falar em scammer ou scam?
Scam, traduzindo meia-boca do original inglês, é um golpe, trambique, cambalacho. Scammer é quem o pratica. Na internet os scams mais conhecidos são aqueles golpes que com certeza vocês já conhecem de receber um email dizendo que tem um dinheiro em um banco africano e que você foi escolhido pra ficar com aqueles milhões. Já não recebeu um desses emails?
Mas existe mais um tipo de scam que tem se alastrado e que eu conheci este final de semana, da forma mais dolorosa: quase sendo vítima dele. É o scam romântico.
Se por um lado eu me enverg…

As calcinhas no varal

Hoje lavei minha roupa e, ao estendê-la no varal, fiquei chocada com a "qualidade" de boa parte das calcinhas que ali estavam.

As mulheres que têm entre 30 e 35 anos provavelmente cresceram ouvindo suas mães dizerem para cuidar com a roupa de baixo que usa porque se desmaiar na rua todos verão a calcinha velha, o sutiã com alça encardida - nem é o tema do post, mas quero avisá-las que é verdade! Um ex-colega de faculdade, bombeiro, diz que sim, eles reparam, mesmo nos momentos mais complicados de socorro, se as "moçoilas" estão com calcinha feia! - e falarão que a dona da lingerie é uma porquinha!

Daí hoje, olhando as calcinhas no varal, eu fiquei pensando que ali estavam aquelas calcinhas que normalmente eu usaria só pra dormir. Mas eu não só durmo! Ou seja, eu saí com boa parte delas!!

"Analisando" o varal, lembrei de que eu sempre tentei ser caprichosa com o que vestia por baixo da roupa. Mesmo quando era casada tentava usar lingerie arrumadinha e depois,…

25 em 2013 - Livro 5: Sua resposta vale um bilhão

Eu sinto tanto só agora escrever sobre Sua resposta vale um bilhão que li em fevereiro! Principalmente porque vou deixar muita coisa bacana do livro de fora. Mas gostei tanto que, mesmo assim, vale a pena.
Minha história com o livro é longa. Sou apaixonada pelo filme Quem quer ser um milionário - sobre o qual comentei efusivamente aqui, há 4 anos. Naquela época eu já tinha me interessado pelo livro, primeiro do autor - um diplomata indiano - mesmo correndo o risco de me decepcionar com o filme depois de lê-lo.
Namorei o livro longamente até que encontrei na Estante Virtual - um site que reúne sebos do Brasil inteiro - no comecinho do ano. Paguei R$ 4- sim, quatro reais! - por uma edição praticamente nova.
Quanto à história, muita coisa é diferente do filme - e necessário, se pensarmos na impossibilidade de adaptar um livro inteiro pra 2h de película. Escrevendo isso, o que me vem à cabeça é que, na verdade, o filme é inspirado na idéia central, do menino pobre, criado no mundo e que ganh…