Pular para o conteúdo principal

Vi: Sherlock Holmes


Domingo fui ao cinema ver Sherlock Holmes (EUA, Austrália, Reino Unido, 2009). Adorei!

Não sou muito fã de filmes de ação/aventura mas, vez ou outra, eu vejo uns que me empolgam - vide Homem Aranha 2 e outros dos quais não me lembro agora. Sherlock Holmes entrou para esse clubinho seleto.

A personagem surgiu nos livros de Sir Arthur Connan Doyle na segunda metade do século XIX. Nunca o li, tendo chegado o mais perto dele, ou de seus métodos, através do Hercule Poirot de Agatha Christie. Bom, acompanhando Holmes, está o Dr. Watson - quem nunca ouviu o "elementar, meu caro Watson!"?? -, amigo e fiel escudeiro.

No filme - que deixa bem claro estar aberto a continuações - Holmes (Robert Downey Jr) e Watson (Jude Law), no que seria seu último caso juntos, resolvem um mistério com mortes de mocinhas inocentes e mandam para a forca Lord Blachwood. Mas, qual não é a surpresa, quando o vilão ressuscita e novos crimes envolvidos com ele começam a acontecer.

O filme é super-ágil - eu diria que é marca do Guy Ritchie, mas nunca consegui ver um filme dele inteiro porque os acho muito violentos -, tem uma fotografia soturna bem apropriada ao que era Londres na época, uma trilha sonora muito gostosinha e... dois protagonistas de babar! E cada um merece um parágrafo:

Robert Downey Jr, que era ídolo quando eu virava mocinha, tinha tudo, TUDO, pra ser um ator incrível no final dos anos 80. Não era bonito - no padrão de beleza vigente, pelo menos - mas era talentoso, muito! Em filmes como Abaixo de Zero e Chaplin - concorreu a Oscar por este - ele deixou todo mundo empolgado. Mas aí afundou nas drogas, foi preso e condenado não sei quantas vezes, com juízes falando que temiam que ele não sobrevivesse se continuasse se auto-destruindo. E aí foram no ostracismo. Em meados dos anos 2000 ele reapareceu, fez um monte de filmes legais - o bobamente divertido Trovão Tropical é um dos meus preferidos: ele faz um ator australiano, super-premiado, que fica negro pra fazer um filme sobre o Vietnã -, virou protagonista de filmes de ação... E ganhou o Globo de Ouro deste ano por melhor atuação masculina em filme de ação ou comédia exatamente por Sherlock Holmes. Pra mim ele é a prova de que sempre há uma esperança das pessoas mudarem suas vidas, de "se mudarem".

Bom, e tem o Jude Law que é um homem que na vida real dá muita mancada amorosa - a última foi engravidar uma mulher com quem disse ter estado apenas uma vez.. - mas que é um ator tão bom! E lindo de viver - suspiros... rsrs

Mas voltando ao filme, é bem bacana, divertido, gostoso de ver. Recomendo :)

Comentários

  1. NOssa pra quem é chata pra escolher filmes na hora que a gente vai ao cinema,achei estranho ter gostado desse filme hehehehe.....mas nem me interessa em assistir........

    bkas amiga

    ps:to chato hoje né

    ResponderExcluir
  2. (jim)

    hahaha

    Eu sou chata mas meu gosto é bom. A gente sempre vê filme bom quando sou eu quem escolhe! Vai dizer que não!!

    Bjks.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que é um "scammer"?

Eu fico tanto tempo sem escrever que, quando volto, fico com vergonha, pode?
Em minha defesa quero dizer que andei muito ocupada e sem nada de interessante pra escrever e que ando visitando os blogs que curto mas NÃO CONSIGO comentar há semanas! Sempre dá erro.
Mas, vamos ao que me motivou voltar a escrever um post. E senta confortável porque a história é longa mas muito séria e importante de ser conhecida.
Vocês já ouviram falar em scammer ou scam?
Scam, traduzindo meia-boca do original inglês, é um golpe, trambique, cambalacho. Scammer é quem o pratica. Na internet os scams mais conhecidos são aqueles golpes que com certeza vocês já conhecem de receber um email dizendo que tem um dinheiro em um banco africano e que você foi escolhido pra ficar com aqueles milhões. Já não recebeu um desses emails?
Mas existe mais um tipo de scam que tem se alastrado e que eu conheci este final de semana, da forma mais dolorosa: quase sendo vítima dele. É o scam romântico.
Se por um lado eu me enverg…

As calcinhas no varal

Hoje lavei minha roupa e, ao estendê-la no varal, fiquei chocada com a "qualidade" de boa parte das calcinhas que ali estavam.

As mulheres que têm entre 30 e 35 anos provavelmente cresceram ouvindo suas mães dizerem para cuidar com a roupa de baixo que usa porque se desmaiar na rua todos verão a calcinha velha, o sutiã com alça encardida - nem é o tema do post, mas quero avisá-las que é verdade! Um ex-colega de faculdade, bombeiro, diz que sim, eles reparam, mesmo nos momentos mais complicados de socorro, se as "moçoilas" estão com calcinha feia! - e falarão que a dona da lingerie é uma porquinha!

Daí hoje, olhando as calcinhas no varal, eu fiquei pensando que ali estavam aquelas calcinhas que normalmente eu usaria só pra dormir. Mas eu não só durmo! Ou seja, eu saí com boa parte delas!!

"Analisando" o varal, lembrei de que eu sempre tentei ser caprichosa com o que vestia por baixo da roupa. Mesmo quando era casada tentava usar lingerie arrumadinha e depois,…

Poema XX - Pablo Neruda

Pablo Neruda é, acredito, o poeta hispano-americano mais conhecido no Brasil, seja por sua poesia, seja pelo filme O carteiro e o poeta.
Seu livro mais conhecido, Veinte poemas de amor y una canción desesperada, foi publicado quando ele tinha só 20 anos e hoje lemos o último poema de amor, o XX, na aula de Literatura Hispano-Americana.
Éramos poucos na sala e terminamos a leitura comovidos. A Vikki disse que se houvesse mais dois versos ela teria chorado e não foi exagero. Quem nunca perdeu um amor? Quem não sabe como isso realmente dói?
"Puedo escribir los versos más tristes esta noche.
Escribir, por ejemplo: 'La noche está estrellada, y tiritan, azules, los astros, a lo lejos.'
El viento de la noche gira en el cielo y canta. Puedo escribir los versos más tristes esta noche. Yo la quise, y a veces ella también me quiso.
En las noches como ésta la tuve entre mis brazos. La besé tantas veces bajo el cielo infinito.
Ella me quiso, a veces yo también la quería. Cómo no haber amado …