Pular para o conteúdo principal

Notícias do auto-exílio (2)

Noite de sábado, no trabalho...

***

A semana correu bem, mesmo que cheia de indefinições: ainda não encontrei escola pro estágio. Mandei email para uma professora de Espanhol com quem fiz estágio de observação ano passado - dois, na verdade - mas ela não respondeu; vou dar uma de "Maria-sem-braço" e vou na escola segunda-feira cedo. PRECISO definir isso urgentemente!!

Atualizado à 01h20 (tô esperando um brigadeirão assar...):
Recebi email da professora de Espanhol agora à noite: ela pede pr'eu ir segunda-feira de manhã no colégio para acertarmos tudo. Uhu!! Alívio...

***

Ontem foi dia de ficar de molho. Acordei com uma dorzinha chata de cabeça e me levantei pra ir pra aula - não queria faltar, já que faltarei duas semanas na sexta-feira por causa da viagem no mês que vem - mas resolvi aproveitar meu cunhado indo trabalhar e pedi pra me deixar no pronto-atendimento do hospital onde meu convênio atende. Não estava muito mal, mas achava que podia ser pressão alta - o que não tenho, mas vai saber.

Plano particular você pensa que vai ser atendida logo. Não fui! Como o hospital é o maior da região, acaba atendendo também SUS em emergências, e como tinha uma, fiquei 1h15 esperando ser atendida. E só tinha um muambeiro reclamando um monte de dor nos rins na minha frente!

Passei pela triagem e a pressão tava 15/9, mas à essa altura, eu já não aguentava de enxaqueca e acho que a pressão subiu foi por causa da dor mesmo. Logo depois entrei no consultório e, felizmente o médico foi um amor: super-novinho, pediu desculpas pela demora, disse que estava com a emergência e foi tão querido e atencioso que me acalmou naquele momento em que minha cabeça doía tanto.

Depois de me examinar, me receitou soro com medicamento pra dor e pro enjôo e fui pra enfermaria. A enfermeira também era um doce e tentou encontrar uma veia boa, as minhas são finas e profundas demais, praticamente faço tudo em uma veia só, no braço esquerdo, mas ela não quis usá-la. Me picou e, pouco depois, quando me mexi na cama, senti meu braço começar a arder e, quando olhei, tinha uma bolha formando perto da agulha, debaixo da pele. Achei que fosse uma reação e saí descalça atrás da enfermeira que logo veio me atender e explicou que a veia tinha estourado.

Bom, fiquei lá umas 2h. consegui cochilar um pouco - isso dá um post: é que eu sou muito boa de cama, inclusive as hospitalares! rsrs - mas a maior parte do tempo fiquei acordada.

Quando o soro terminou o médico foi me ver e me pediu pra fazer repouso, diagnosticou minha enxaqueca como tensional, por conta da rotina corrida e da menstruação chegando, e me deu atestado médico. Voltei pra casa meio grogue, dormi praticamente o dia inteira e só à noite estava realmente melhor.

Olha, hospital é um lugar que me desmonta. Não é de medo não, mas me sinto muito fragilizada. Resultado? Choro! Chorei enquanto esperava - mas discretamente, tipo ninguém percebeu - e quando entrei no consultório do médico respondi o que ele perguntava no começo entre lágrimas, por causa da dor também e chorei na enfermaria.

Sei que pode ser frescura, mas sou assim, me sinto muito sozinha nessas situações e, se um monte de gente consegue passar tranquilamente por hospitais e outros lugares desacompanhado, eu sinto necessidade especial de carinho, de atenção, de colo nesses momentos.

Mas, tirando o hematoma gigante no braço, eu tô super-bem! Mas, de jeito nenhum, pronta pra outra!! rsrs

***

Pra encerrar o post e a semana, vou deixar aqui um vídeo muito, mas muito lindinho que vi hoje cedo no Mulher 7x7 e que quis dividir com vocês! Ah, o amor...


Uma semana muito especial pra vocês. Bjks.

Comentários

  1. Olá Sheila, tb me sinto sozinha nessas situações e outras tb, rsrsrrsrs
    Mas vms ter Fé, coisas boas acontecem, e vão acontecer com cereza....
    Bom finzinho de domingo!
    Bjus

    ResponderExcluir
  2. Cris querida,

    Ai, menina... solidão é fox, né? Carência então, nem se fala! rsrs

    Sigamos com a fé :)

    Deliciosa semana pra você!!

    Beijocas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que é um "scammer"?

Eu fico tanto tempo sem escrever que, quando volto, fico com vergonha, pode?
Em minha defesa quero dizer que andei muito ocupada e sem nada de interessante pra escrever e que ando visitando os blogs que curto mas NÃO CONSIGO comentar há semanas! Sempre dá erro.
Mas, vamos ao que me motivou voltar a escrever um post. E senta confortável porque a história é longa mas muito séria e importante de ser conhecida.
Vocês já ouviram falar em scammer ou scam?
Scam, traduzindo meia-boca do original inglês, é um golpe, trambique, cambalacho. Scammer é quem o pratica. Na internet os scams mais conhecidos são aqueles golpes que com certeza vocês já conhecem de receber um email dizendo que tem um dinheiro em um banco africano e que você foi escolhido pra ficar com aqueles milhões. Já não recebeu um desses emails?
Mas existe mais um tipo de scam que tem se alastrado e que eu conheci este final de semana, da forma mais dolorosa: quase sendo vítima dele. É o scam romântico.
Se por um lado eu me enverg…

As calcinhas no varal

Hoje lavei minha roupa e, ao estendê-la no varal, fiquei chocada com a "qualidade" de boa parte das calcinhas que ali estavam.

As mulheres que têm entre 30 e 35 anos provavelmente cresceram ouvindo suas mães dizerem para cuidar com a roupa de baixo que usa porque se desmaiar na rua todos verão a calcinha velha, o sutiã com alça encardida - nem é o tema do post, mas quero avisá-las que é verdade! Um ex-colega de faculdade, bombeiro, diz que sim, eles reparam, mesmo nos momentos mais complicados de socorro, se as "moçoilas" estão com calcinha feia! - e falarão que a dona da lingerie é uma porquinha!

Daí hoje, olhando as calcinhas no varal, eu fiquei pensando que ali estavam aquelas calcinhas que normalmente eu usaria só pra dormir. Mas eu não só durmo! Ou seja, eu saí com boa parte delas!!

"Analisando" o varal, lembrei de que eu sempre tentei ser caprichosa com o que vestia por baixo da roupa. Mesmo quando era casada tentava usar lingerie arrumadinha e depois,…

25 em 2013 - Livro 5: Sua resposta vale um bilhão

Eu sinto tanto só agora escrever sobre Sua resposta vale um bilhão que li em fevereiro! Principalmente porque vou deixar muita coisa bacana do livro de fora. Mas gostei tanto que, mesmo assim, vale a pena.
Minha história com o livro é longa. Sou apaixonada pelo filme Quem quer ser um milionário - sobre o qual comentei efusivamente aqui, há 4 anos. Naquela época eu já tinha me interessado pelo livro, primeiro do autor - um diplomata indiano - mesmo correndo o risco de me decepcionar com o filme depois de lê-lo.
Namorei o livro longamente até que encontrei na Estante Virtual - um site que reúne sebos do Brasil inteiro - no comecinho do ano. Paguei R$ 4- sim, quatro reais! - por uma edição praticamente nova.
Quanto à história, muita coisa é diferente do filme - e necessário, se pensarmos na impossibilidade de adaptar um livro inteiro pra 2h de película. Escrevendo isso, o que me vem à cabeça é que, na verdade, o filme é inspirado na idéia central, do menino pobre, criado no mundo e que ganh…