Pular para o conteúdo principal

Momento Espírita:Ode à alegria

Hoje comentei em uma postagem do Henryhh - www.henryhh2008.blogspot.com - que já não sabia o que pensar do mundo, diante de tanta iniquidade. Mas, no final da tarde, recebi essa mensagem linda que me pareceu uma resposta à minha desilusão.

Pretendia postar um vídeo junto mas, quase uma hora depois dele aqui carregando - e olha que a net não é lerda aqui! - desisti, mas eis o link: http://www.youtube.com/watch?v=Lt7dVadJRzs

As imagens são da abertura dos Jogos Olímpicos de Nagano, em 1998, quando o maestro Seiji Ozawa regeu cinco corais espalhados pelo mundo - em Berlim, na Cidade do Cabo, em Nova York, em Beijing e em Sydney. Sei que música clássica não é algo que agrada a todos e a parte mais conhecida - e linda - só acontece a partir dos 7:20 minutos. Mas ouçam com o coração. Não tem como não se emocionar com a mensagem e com as imagens - e a música lindíssima!

Os versos citados na mensagem:

"Abracem-se milhões!
Enviem este beijo para todo o mundo!

Irmãos, além do céu estrelado.

Mora um Pai Amado.
Milhões se deprimem diante Dele?
Mundo, você percebe seu Criador?

Procure-o mais acima do céu estrelado!
Sobre as estrelas onde Ele mora."

(Friedrich von Schiller)

Ode à alegria

Era o dia 7 de maio de 1824.

Os privilegiados espectadores sentados na platéia do Teatro em Viena, então capital do Império Austro-Húngaro, mal sabiam que estavam para presenciar a primeira audição mundial da maior obra-prima da História da música.

Ainda que o autor já fosse uma celebridade, recebido naquele mesmo dia com uma ovação digna das platéias de música pop de hoje, a reação foi surpreendente.

O comissário de polícia precisou intervir, para silenciar a explosão de aplausos na chegada do alemão: Ludwig Van Beethoven.

Era o dia da primeira apresentação de sua Nona Sinfonia.

Após as palmas, um grande estranhamento.

Até então, a sinfonia – forma musical para orquestra consagrada durante o classicismo – excluía por definição as vozes humanas.

No entanto, no palco sentavam-se quatro solistas e um coral em quatro partes.

Para aumentar a perplexidade, enquanto todos os outros instrumentos desenrolavam movimentos que superavam a racionalidade clássica, permaneciam em silêncio o coral e os solistas.

Eles entrariam apenas no quarto e último movimento.

Beethoven, três anos antes de sua morte, ali realizava uma vontade que alimentava desde os 22 anos de idade: musicar o poema alemão Ode à alegria, de Schiller.

E era o que fazia no derradeiro movimento da obra, quebrando a última barreira do modelo sinfônico.

Oh amigos, não chega desses sons? Entoemos algo mais prazeroso e alegre! – vibrou o barítono em recitativo.

Os baixos do coro responderam-lhe forte: Alegria, alegria – para que, com a orquestra silenciada, começassem a solar um dos temas mais conhecidos da música ocidental.

O tema proclamava: Todos os homens serão irmãos.

Era o poema da fraternidade universal, musicado pela genialidade e sensibilidade irretocáveis de Ludwig.

Abracem-se milhões! Enviem este beijo para todo mundo!

* * *

A arte é o belo expressando o bom.

É a expressão da beleza eterna, uma manifestação da poderosa harmonia que rege o Universo.

Convidar a arte para nossa vida diária é ter à disposição excelente instrumento de civilização e aperfeiçoamento.

A influência da música sobre a alma, sobre o seu progresso moral, é reconhecida por todo o mundo. Mas a razão dessa influência é geralmente ignorada.

Sua razão está inteiramente neste fato: a harmonia coloca a alma sob a força de um sentimento que a desmaterializa.

Redação do Momento Espírita, com citações do cap.

A música espírita, do livro Obras póstumas,

de Allan Kardec, ed. Feb.

Em 26.06.2009.



___
Foto: Rosy Butterfly by secondclaw

Comentários

  1. Belíssimo! Bravo! Adoro Beethoven, adoro a obra Bolero, de Ravel. Mais uma vez vc me impressiona com sua sensibilidade e a abrangência de seus sentimentos. Da mesma forma como nos horrorizamos pelas coisas absurdas feitas pelo homem, contra o home, vemos a criação de obras maravilhosas como "Ode to Joy", entre outros. Beijão!

    ResponderExcluir
  2. Oi Henryhh,

    Eu não conhecia a letra nem a história de "Ode à alegria" até participar de um seminário sobre a Arte e o Espiritismo. Fiquei encantada!

    Do "Bolero", meu irmão mais novo começou a se interessar por música clássica depois de ver uma apresentação dela. Legal, né?

    Para se "desimpressionar" com a minha sensibilidade, por favor, leia o post "Quero minha casa!!" rsrs

    Mas é o que você falou, tem o lado que nos horroriza, mas também também o lado de obras maravilhosas.

    Ainda bem!

    Beijocas.

    ResponderExcluir
  3. Ahh o post da sua casa, eu li tbm sim... só não me manifestei né?? hehehe

    ResponderExcluir
  4. rsrs

    Então já sabe que, infelizmente, não sou só sensibilidade... ;)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que é um "scammer"?

Eu fico tanto tempo sem escrever que, quando volto, fico com vergonha, pode?
Em minha defesa quero dizer que andei muito ocupada e sem nada de interessante pra escrever e que ando visitando os blogs que curto mas NÃO CONSIGO comentar há semanas! Sempre dá erro.
Mas, vamos ao que me motivou voltar a escrever um post. E senta confortável porque a história é longa mas muito séria e importante de ser conhecida.
Vocês já ouviram falar em scammer ou scam?
Scam, traduzindo meia-boca do original inglês, é um golpe, trambique, cambalacho. Scammer é quem o pratica. Na internet os scams mais conhecidos são aqueles golpes que com certeza vocês já conhecem de receber um email dizendo que tem um dinheiro em um banco africano e que você foi escolhido pra ficar com aqueles milhões. Já não recebeu um desses emails?
Mas existe mais um tipo de scam que tem se alastrado e que eu conheci este final de semana, da forma mais dolorosa: quase sendo vítima dele. É o scam romântico.
Se por um lado eu me enverg…

As calcinhas no varal

Hoje lavei minha roupa e, ao estendê-la no varal, fiquei chocada com a "qualidade" de boa parte das calcinhas que ali estavam.

As mulheres que têm entre 30 e 35 anos provavelmente cresceram ouvindo suas mães dizerem para cuidar com a roupa de baixo que usa porque se desmaiar na rua todos verão a calcinha velha, o sutiã com alça encardida - nem é o tema do post, mas quero avisá-las que é verdade! Um ex-colega de faculdade, bombeiro, diz que sim, eles reparam, mesmo nos momentos mais complicados de socorro, se as "moçoilas" estão com calcinha feia! - e falarão que a dona da lingerie é uma porquinha!

Daí hoje, olhando as calcinhas no varal, eu fiquei pensando que ali estavam aquelas calcinhas que normalmente eu usaria só pra dormir. Mas eu não só durmo! Ou seja, eu saí com boa parte delas!!

"Analisando" o varal, lembrei de que eu sempre tentei ser caprichosa com o que vestia por baixo da roupa. Mesmo quando era casada tentava usar lingerie arrumadinha e depois,…

25 em 2013 - Livro 5: Sua resposta vale um bilhão

Eu sinto tanto só agora escrever sobre Sua resposta vale um bilhão que li em fevereiro! Principalmente porque vou deixar muita coisa bacana do livro de fora. Mas gostei tanto que, mesmo assim, vale a pena.
Minha história com o livro é longa. Sou apaixonada pelo filme Quem quer ser um milionário - sobre o qual comentei efusivamente aqui, há 4 anos. Naquela época eu já tinha me interessado pelo livro, primeiro do autor - um diplomata indiano - mesmo correndo o risco de me decepcionar com o filme depois de lê-lo.
Namorei o livro longamente até que encontrei na Estante Virtual - um site que reúne sebos do Brasil inteiro - no comecinho do ano. Paguei R$ 4- sim, quatro reais! - por uma edição praticamente nova.
Quanto à história, muita coisa é diferente do filme - e necessário, se pensarmos na impossibilidade de adaptar um livro inteiro pra 2h de película. Escrevendo isso, o que me vem à cabeça é que, na verdade, o filme é inspirado na idéia central, do menino pobre, criado no mundo e que ganh…