Pular para o conteúdo principal

Li: O livreiro de Cabul

Semana passada baixei alguns livros. O menino do pijama listrado foi um deles. O livreiro de Cabul é outro.

E mais uma vez é o Afeganistão presente nas minhas leituras (vide O caçador de pipas e A cidade do sol). Mas há uma diferença entre os dois livros do afegão naturalizado estadunidense Khaled Husseini e esse da jornalista norueguesa Âsne Seierstad: o livro dela não é ficção.

Seierstad acompanhou a entrada em Cabul das tropas da Aliança do Norte, que tinham o apoio dos EUA para derrubar o regime talibã e, consequentemente, prender Osama bin Laden. Quando conheceu o livreiro, que no livro ela deu o nome de Sultan Khan, a jornalista achou que, tendo oportunidade de acompanhar o cotidiano desse homem culto, ela poderia mostrar um outro lado daquele país muçulmano. Mudou-se então para a casa de quatro cômodos onde Sultan vivia com a segunda esposa, a filha pequena, outros dois filhos do primeiro casamento, um sobrinho, um irmão, duas irmãs e a mãe.

A família de Sultan não era um retrato da maioria das famílias afegãs porque praticamente todos em sua casa sabiam ler e escrever e falavam inglês, em diferentes níveis. Além disso, por ele ser dono de três livrarias em Cabul - além de possuir uma coleção invejável de livros sobre o Afeganistão e a cultura persa - a situação econômica de sua casa era muito mais confortável do que a da maioria do país. Mesmo assim, o que vemos, ao longo do livro, é que Sultan, por mais moderno que parecesse, era um ditador dentro de casa. Fazendo filhos pequenos trabalharem até 12 horas diariamente, proibindo-os de irem a escola, maltratando as irmãs solteiras, afastando de si a primeira esposa quando decide ter um segunda, mais jovem, nada o difere de tantos outros homens de sua país.

O livro é muito gostoso de ser lido. Mesmo sendo não-ficção, o tom algumas vezes é novelesco, o que, talvez, torne-o mais acessível.

Uma curiosidade: algum tempo depois do lançamento de O livreiro de Cabul, Shah Mohammad Rais, o verdadeiro livreiro, ameaçou processar Seierstad, mas acabou lançando um livro chamado Eu sou o livreiro de Cabul, o qual comecei a ler quase ao mesmo tempo que esse mas desisti! Ele tenta reverter a sua imagem de tirano em um fictício diálogo com trolls (criaturas mágicas escandinavas) mas soa tão falso na maior parte do tempo que desisti de ver o lado dele da história!

Título original: The bookseller of Cabul
Autor: Âsne Seierstad
Editora: Record
2006

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que é um "scammer"?

Eu fico tanto tempo sem escrever que, quando volto, fico com vergonha, pode?
Em minha defesa quero dizer que andei muito ocupada e sem nada de interessante pra escrever e que ando visitando os blogs que curto mas NÃO CONSIGO comentar há semanas! Sempre dá erro.
Mas, vamos ao que me motivou voltar a escrever um post. E senta confortável porque a história é longa mas muito séria e importante de ser conhecida.
Vocês já ouviram falar em scammer ou scam?
Scam, traduzindo meia-boca do original inglês, é um golpe, trambique, cambalacho. Scammer é quem o pratica. Na internet os scams mais conhecidos são aqueles golpes que com certeza vocês já conhecem de receber um email dizendo que tem um dinheiro em um banco africano e que você foi escolhido pra ficar com aqueles milhões. Já não recebeu um desses emails?
Mas existe mais um tipo de scam que tem se alastrado e que eu conheci este final de semana, da forma mais dolorosa: quase sendo vítima dele. É o scam romântico.
Se por um lado eu me enverg…

As calcinhas no varal

Hoje lavei minha roupa e, ao estendê-la no varal, fiquei chocada com a "qualidade" de boa parte das calcinhas que ali estavam.

As mulheres que têm entre 30 e 35 anos provavelmente cresceram ouvindo suas mães dizerem para cuidar com a roupa de baixo que usa porque se desmaiar na rua todos verão a calcinha velha, o sutiã com alça encardida - nem é o tema do post, mas quero avisá-las que é verdade! Um ex-colega de faculdade, bombeiro, diz que sim, eles reparam, mesmo nos momentos mais complicados de socorro, se as "moçoilas" estão com calcinha feia! - e falarão que a dona da lingerie é uma porquinha!

Daí hoje, olhando as calcinhas no varal, eu fiquei pensando que ali estavam aquelas calcinhas que normalmente eu usaria só pra dormir. Mas eu não só durmo! Ou seja, eu saí com boa parte delas!!

"Analisando" o varal, lembrei de que eu sempre tentei ser caprichosa com o que vestia por baixo da roupa. Mesmo quando era casada tentava usar lingerie arrumadinha e depois,…

25 em 2013 - Livro 5: Sua resposta vale um bilhão

Eu sinto tanto só agora escrever sobre Sua resposta vale um bilhão que li em fevereiro! Principalmente porque vou deixar muita coisa bacana do livro de fora. Mas gostei tanto que, mesmo assim, vale a pena.
Minha história com o livro é longa. Sou apaixonada pelo filme Quem quer ser um milionário - sobre o qual comentei efusivamente aqui, há 4 anos. Naquela época eu já tinha me interessado pelo livro, primeiro do autor - um diplomata indiano - mesmo correndo o risco de me decepcionar com o filme depois de lê-lo.
Namorei o livro longamente até que encontrei na Estante Virtual - um site que reúne sebos do Brasil inteiro - no comecinho do ano. Paguei R$ 4- sim, quatro reais! - por uma edição praticamente nova.
Quanto à história, muita coisa é diferente do filme - e necessário, se pensarmos na impossibilidade de adaptar um livro inteiro pra 2h de película. Escrevendo isso, o que me vem à cabeça é que, na verdade, o filme é inspirado na idéia central, do menino pobre, criado no mundo e que ganh…