02 dezembro 2008

Minha gatinha de 14 anos morreu agora há pouco. Estava desde cedinho internada com insuficiência renal.

A Fê nunca foi uma gata brincalhona ou simpática, eu costumava dizer que nasceu velha. Suas brincadeiras se resumiram a pulos inesperados nas nossas pernas e, mais recentemente, retribuir as provocações da Nucha, a gatinha mais nova.

Ultimamente ela estava casa vez mais lentinha, perdendo garras e dentes pela casa... Mas também acabou se tornando quase doce...

Quinta-feira passada estudei até tarde com ela no meu colo, o corpo já levinho, frágil. Na hora de descer, tive que ajudá-la porque ela encontrou dificuldade em pular.

Que Francisco de Assis a receba em seus braços amorosos.

5 comentários:

  1. Sinto muito, muito mesmo, mesmo não a conhecendo sua gatinha.
    Tenho certeza de que ela está num lugar melhor, onde os cães e gatos não brigam (não acredito num céu para pessoas, mas acredito num para animais ^^).

    ResponderExcluir
  2. Eu sei, florzinha, e te agradeço de coração! Sei que nessas horas poucas coisas podem ser ditas e que sirvam de consolo, mas sei também que qualquer palavra amiga é que nem um abraço apertado, bem gostoso e compreensivo.

    Não acredito exatamente em um céu pros bichinhos, mas creio que ficam melhor do que aqui, principalmente os que sofrem aqui na Terra!

    ResponderExcluir
  3. Oi...
    Eu imagino o que está sentindo, porque te conheço e sei do grande amor que tem pelos animais.
    Você está bem? Se precisar conversar, sabe onde me encontrar.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Obrigada, sei que é de coração :)

    Meu beijo.

    ResponderExcluir
  5. saudades da Fe!!!! Morria de medo q ela se fosse qdo vc ia viajar e eu ia cuidar da casa!!! Sempre ia cutuca-la pra ver se estava respirando!! Pense nela com alegria!!
    bjuuu

    ResponderExcluir